Total de visualizações de página

Acesse o site da GERAÇÃO DE ADORADORES IGREJA DE VENCEDORES

20170425

Cuidado, a ceia é a celebração do Corpo de Cristo! 1Co 10:16-17; 11:17-34. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 23/04/17

Introdução

Como sabemos a igreja local é constituída por um grupo de irmãos que se reúnem regularmente numa determinada localidade, seja num prédio ou residência. Precisamos enxergar de maneira mais esclarecida, os valores dessa igreja e os benefícios que se pode receber sendo um membro ativo do processo de edificação e expansão da mesma. Todos os crentes que de fato querem ser reconhecidos como discípulos de Cristo, foram chamados para esse fim, para efetivamente edificarem a igreja de Jesus.
Jesus se manifestou para desfazer as obras do Diabo (1Jo 3:8) e assim Ele o fez edificando a Sua igreja. Hoje, nós que somos seus discípulos devemos fazer o mesmo através da igreja. Cristãos autênticos vencem o poder do diabo e de seus demônios através da igreja, através da vida comunitária e coletiva da igreja. O próprio Jesus disse que as portas do inferno não prevaleceriam contra a igreja (Mt 16:18).
Individualmente, no nome de Jesus, podemos resistir aos demônios e até principados, mas para destruir as obras do inferno, e avançarmos no processo de amadurecimento pessoal e expansão do Reino de Deus, precisamos entender o valor da igreja.

Por que estou falando sobre isso hoje? Porque Paulo no texto compartilhado, está trazendo uma dura exortação aos Coríntios quanto à maneira de eles reunirem para a celebração da ceia. Paulo está chamando a atenção daqueles crentes, pois participando da ceia na condição em que eles estavam, com uma motivação estranha como a deles, na verdade eles estavam trazendo juízo e condenação para si.

As nossas atitudes nunca são neutras. Elas produzem bênção ou maldição em nossas vidas! O cálice da Ceia é chamado por Paulo de “cálice da bênção”. Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo.” 1Co 10:16

No entanto, no texto base que compartilhamos no início, vemos que a mesma Ceia que traz bênção também pode trazer juízo e maldição sobre os crentes! Podemos perceber que a Ceia do Senhor é um ato com conseqüências espirituais. A Igreja de Corinto tinha todos os dons do Espírito Santo em operação (1 Co 1:7), o que incluía os dons de cura, mas, mesmo assim, havia entre eles muitos fracos e doentes, bem como mortes prematuras. O apóstolo disse que vivendo dessa maneira, eles estavam reunindo para pior. 1Co 11:17

Paulo diz que a igreja de Corinto estava reunida para o ato da ceia, mas não para serem abençoados, mas para pior. Estavam reunidos para juízo e condenação.

29 pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. 30 Eis a razão por que há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem”. 1Co 11:29-30

“E não poucos que dormem” é eufemismo (figura de linguagem), um termo mais agradável para suavizar uma expressão, porque o que Paulo está dizendo é que por causa dessa falta de discernimento do corpo (igreja), muitos já estavam mortos.

Conforme o verso 29, comemos a ceia indignamente e fazemos isso para pior, para a nossa condenação quando não discernimos o Corpo de Cristo, quando não temos revelação da igreja de Jesus. Quem não discerne o Corpo de Cristo vive na base do ego desprezando a vida comunitária da igreja.

Existem algumas situações no texto que nos revelam pecados decorrentes de comer e beber sem discernir a igreja.

Quando comemos a ceia sem discernir o corpo?

1.       Quando nos tornamos divisivos.

“17 Nisto, porém, que vos prescrevo, não vos louvo, porquanto vos ajuntais não para melhor, e sim para pior. 18 Porque, antes de tudo, estou informado haver divisões entre vós quando vos reunis na igreja; e eu, em parte, o creio.”

·         Fazendo acepção de pessoas;

·         Escolhendo amizades, líderes, célula, etc.

·         Achando que somos donos do nosso próximo.

·         Nos ocupando em observar as falhas dos irmãos.

2.      Quando evitamos relacionamentos mais profundos.

“20 Quando, pois, vos reunis no mesmo lugar, não é a ceia do Senhor que comeis. 21 Porque, ao comerdes, cada um toma, antecipadamente (rapidamente), a sua própria ceia; e há quem tenha fome, ao passo que há também quem se embriague.” 1Co 11:20-21

Algumas pessoas limitam seus relacionamentos no Corpo de Cristo a um cumprimento “paz do Senhor” ou “como vai você irmão?”. Na verdade, muitos sustentam uma vida oculta, tem uma segunda agenda, vivem à margem da vida de Cristo que flui somente através da igreja. Alguém pode dizer: “Eu sou anti-social.” ???? Não há cristianismo antissocial. Geralmente as pessoas que decidem relacionar de maneira superficial no contexto da igreja, estão vivendo fora do padrão de santidade e vivem sozinhas para não serem descobertas.

3.      Quando não temos tempo para a coletividade. At 2:1-4; At 2:42-47

Muitos cristãos não valorizam a Celebração, a célula, os eventos, as conferências, etc.

Celebração – Célula – Sexta Fire

Geralmente a falta de tempo para a igreja é compensada com a ocupação do tempo com outras atividades. Não ter tempo para a celebração ou célula é na verdade não quero estar na célula ou celebração. Como podemos dizer que a nossa vida pertence ao Senhor, se não temos tempo para Ele? A vida de um homem se resume no traço entre a data de seu nascimento e a data do falecimento. Esse tempo (cronos) é a nossa vida. A sua vida diária são as 24 horas do dia. Sua vida semanal está compreendida nas 168 horas da semana. Quanto desse tempo você está destinando à igreja. Dizer que você não tem tempo é estratégia do diabo para te afastar da igreja. Ex 5:6-9

Existem moveres que são individuais e geralmente tratam das questões interiores. Por isso Jesus disse que podemos orar em secreto no nosso quarto que o Pai nos ouvirá. Mas acredite na Bíblia, as reuniões da igreja são liberações poderosas de unção e glória. As mais significantes experiências que homens tiveram no Novo Testamento, foram coletivas, em meio a muitas pessoas.

4.      Quando não investimos na igreja.

“32 Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. 33 Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. 34 Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo- as, traziam os valores correspondentes 35 e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade.” At 4:32-35

A ordem de prioridades do cristão, segundo o que aprendemos no passado era:

Deus – Família – Trabalho – Igreja. Será que isso é certo? ERRADO!!!
Deus – Igreja – Família – Trabalho. CERTO!!! 

Diga-se com ênfase a palavra “investir”. Pois tudo o que semeamos na igreja é um investimento. Não existe uma aplicação mais segura e rentável do que a obra de Deus.


É relevante destacarmos e discernir esse aspecto do Corpo do Senhor. O corpo de Jesus quando viveu como homem entre os homens, foi investido e o Corpo de Cristo (igreja) também precisa de investimento. Isto nos ajudará a entendermos um paralelo espiritual de grande importância. A nossa ênfase quando falamos de investir é no cuidado, ou na manutenção do Corpo de Cristo.

20170307

O poder explosivo de uma igreja unida. Sl 133:1-3, Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 05/03/17

O poder explosivo de uma igreja unida
                                                                                                                                                                                                                1 Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! 2 É como o óleo precioso sobre a cabeça, o qual desce para a barba, a barba de Arão, e desce para a gola de suas vestes. 3 É como o orvalho do Hermom, que desce sobre os montes de Sião. Ali, ordena o SENHOR a sua bênção e a vida para sempre. Sl 133:1

Testemunho da quinta feira quando eu e a Sil visitamos este lugar.
“Existem muitas coisas que explicam o sucesso e o crescimen¬to de uma igreja, mas certamente o fator principal é a unidade”

Desde sempre, Lúcifer trabalhou para promover a separação e divisão.

Rompeu o relacionamento dele com Deus
Rompeu o relacionamento do homem com Deus
Trabalha arduamente para dividir casais e famílias, igrejas, empresas, etc.

Tudo o que o diabo faz visa destruir a unidade entre nós. Se perdermos a unidade, a expressão da Igreja estaria arruinada e não teremos impacto algum no mundo espiritual.

O inimigo sabe que a única forma de ele prevalecer contra a igreja é produzindo divisão do corpo. Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: “Todo reino dividido, contra si ficará deserto, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. (Mt 12:25)

No Livro de Gênesis, vemos um exemplo do poder da unidade. O povo, ímpio e rebelde a Deus, resolveu construir a torre de Babel. Eles eram malignos e estavam construindo algo para afrontar a Deus, mas ainda assim o Senhor disse que havia algo poderoso entre eles:
“e o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm a mesma linguagem. Isto é apenas o começo; agora não haverá restrição para tudo que intentam fazer.” Gn 11:6
Paulo ensina três Princípios de uma Igreja Unida 1CO 1:10

"Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma coisa e que não haja entre vós divisões; antes, sejais inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer."

Na igreja de Corinto havia muitos tipos de problemas: havia problema de carnalidade, problemas de entendimento doutrinário, questões sobre casamento, questões sobre os dons, co¬mida consagrada a idolos e muito mais.

Mas, de todos, o que Paulo tratou em primeiro lugar foi o problema da divisão.

Ao tratar dessa questão, ele colocou três princípios que precisamos guardar na vida de nossa igreja:

Devemos falar a mesma coisa (v. 10)
Devemos ter uma mesma disposição mental (v. 10)
Devemos ter um mesmo parecer (v. 10)

O diabo e os demônios sabem do poder da unidade e por essa razão ele sempre trabalha para nos dividir.




Por isso em sua ultima oração chamada sacerdotal Jesus roga pela unidade de seus discípulos ao dizer:

"Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra;
21 a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste. 22 Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado, para que sejam um, como nós o somos; 23eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim." Jo 17:20-23

Perseverando unânimes

“Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.” Atos 2:46-47

A Bíblia diz que a Igreja Primitiva perseverava unânime, que no original, pode significar uma paixão incomum. Segundo o dicionário, a palavra unânime quer dizer também harmonia. Os cristãos tinham as mesmas paixões e viviam em harmonia; eles perseveram de casa em casa, não tinham que fazer vários eventos para se encontrar, e tinham prazer dessa vida em comunidade. Eles também não reclamavam de ter que se encontrar todos os dias. Às vezes, ouvimos que a Igreja em Célula tem muitas reuniões, pois sempre tem que estar com o povo da Igreja; contudo, a Igreja de Atos se reunia ainda mais.

20170209

Vivendo além da aparência produzindo frutos duradouros. Mc 11:12-14. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 05/02/17

Os psicólogos estudaram e descobriram um fenômeno chamado acomodação. A ideia é que toda vez que um novo objeto ou estímulo entra no nosso ambiente, ficamos intensamente atentos a ele, mais a atenção enfraquece com o tempo. Assim, por exemplo, quando usamos um relógio de pulso pela primeira vez, percebemos o relógio o tempo todo, mas depois de algum tempo nem sequer notamos que ele está ali.

Isso é acomodação. O pastor John Ortberg disse que “A acomodação espiritual é em alguns casos pior do que a depravação espiritual”. Isso procede de fato porque a acomodação espiritual gera aparência apenas.

Uma dos maiores desafios da vida é lutar contra o que pode ser chamado de aparência espiritual.

12 No dia seguinte, quando estavam saindo de Betânia, Jesus teve fome. 13 Vendo à distância uma figueira com folhas, foi ver se encontraria nela algum fruto. Aproximando-se dela, nada encontrou, a não ser folhas, porque não era tempo de figos.14 Então lhe disse: ‘Ninguém mais coma de seu fruto’. E os seus discípulos ouviram-no dizer isso.” Mc 11:12-14

Existem somente três registros nos Evangelhos que apresentam Jesus com fome. O primeiro foi depois dos 40 dias de jejum e oração no deserto, “Depois de jejuar por quarenta dias e quarenta noites, teve fome.” Mt 4:1. O segundo, quando ele disse aos discípulos: uma comida tenho para comer que vós não conheceis.” Jo 4:32, e o terceiro quando voltava de Betânia para Jerusalém. “No dia seguinte, quando eles estavam saindo de Betânia, Jesus teve fome.” Mc 11:12

Na primeira vez que Jesus teve fome, Ele foi servido pelos anjos (Mt 4:11). Na segunda a vontade do Pai o alimentou, pois ele mesmo disse “A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e concluir a sua obra”, Jo 4:34, podemos imaginar que banquete foi aquele. Mas aqui em Betânia, Jesus queria um lanche rápido, algo do tipo Drive thru, um breakfast, só pra forrar o estômago.

Daí, como providência divina, no seu caminho estava aquela bela figueira, e a Bíblia diz no relato de Mateus, que ela estava “à beira do caminho”.

Tente imaginar que combinação extraordinária. O Mestre do Universo, o Criador de todos os seres vivos, o divino Agricultor com fome, e no caminho d’Ele, uma figueira, cheia de folhas verdinhas, promissora, bem à mão, como que dizendo: “Chegue mais perto, faça o seu pedido, pegue o que precisa, mate a sua fome.”

De repente, o inesperado acontece. Jesus se aproxima da figueira, olha de um lado, olha de outro, bate num galho aqui, noutro acolá e ai... Nada! Nada acontece, Ele não acha nadanenhum fruto.

Jesus reage com justa e legítima indignação, e ali mesmo pronuncia o seu julgamento: “Que nunca mais ninguém coma de seu fruto!O mesmo relato em Mateus diz que “imediatamente a figueira secou”Mas há um detalhe importante, o evangelista Marcos disse que: “não era tempo de figos”.

Será que Jesus se enganou? Certamente Ele não se enganou! Ora, então por que Jesus foi tão radical com aquela pobre figueira? Por que procurar figos fora de época? Será então que ele não gostava de figueiras? Também não era isso.

O problema dessa figueira não era o de não ter figos, mas dar a aparência de tê-los.

Ela atraía pessoas com uma imagem bonita, folhas verdes, parecia uma árvore saudável, mas o que era uma promessa acabou numa frustraçãoTodos os nutrientes extraídos da terra, deveriam terminar em frutos, mas aquela figueira se alimentava para manter sua beleza exterior, porque aquela figueira só tinha aparência e era uma figueira sem frutos Jesus a amaldiçoou.

Durante muito tempo a mídia veiculou um comercial que procurava nos convencer dizendo: “Cara de remédio, cheiro de remédio, embalagem de remédio, mas não era remédio.” Era um shampoo. “Parece, mas não é”. Esta frase ganhou vida própria e a população incorporou a expressão como forma de dizer que nem sempre o que se vê corresponde à realidade. As aparências enganam.

Infelizmente a cultura da aparência tomou conta das pessoas, e principalmente no nosso meio cristão evangélico. Vivemos numa sociedade que alimenta e idolatra a cultura da aparência, onde a imagem é tudo. Este é o nosso mundo, o MUNDO DA IMAGEM, O MUNDO DAS APARÊNCIAS. O importante é parecer ser. Muitas vezes olhamos para alguém que comprou um carro zero e logo pensamos: “O fulano tá podendo”. Entretanto, muitas vezes se formos analisar o caso mais de perto, chegaremos a conclusão de que ele tem um carro zero e atrás de tudo isso uma dívida imensa, e ele está fazendo uma força enorme para poder pagar. Mas, o que vale é a aparência, a imagem.

Saiba meu amado irmão, ter aparência e não ter um comportamento santo, não ter frutos, diante de Deus é pecado!

Paulo não viveu de aparência, ele foi uma árvore frutífera!

Veja que o apóstolo Paulo, preocupou-se em ser uma árvore frutífera quando disse:

“Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão (renúncia Mt 16:24 e serviço), para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha, de alguma maneira, a ficar reprovado (não ter fruto).” 1Co 9:27

Jesus se manifestou no nosso meio produzindo muitos frutos

Estamos querendo nos parecer com o Senhor, queremos ser segundo a imagem e semelhança de Deus, mas nos esquecemos que nosso comportamento fala mais de quem somos do que as palavras que saem da nossa boca.

Lembre-se de que Jesus é o verbo que se fez carne, Ele era e é a palavra, mas se manifestou de maneira prática entre nós.

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” João 1:1

Jesus é a Palavra, mas se fez carne e habitou entre nós! Se manifestou não ficando somente na palavra.

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.” João 1:14

Jesus foi o grão de trigo lançado na terra que depois de morrer produziu e produz muito fruto. Gerou muitos filhos para Deus. Precisamos nos seus passos, no seu encalço, também produzir muitos frutos.

Em outra de suas cartas, Paulo fala de não somente pregar um evangelho verbal, mas de produzir frutos.

“Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas, também, em poder (Dunamis), e no Espírito Santo (Fogo), e em muita certeza (fé, convicção), como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós.” 1Ts 1:5

Paulo tinha o “dunamis” que significa poder explosivo e gerador. O apóstolo usou este poder para gerar muitos filhos para Deus, legitimando seu ministério pelos muitos frutos que produziu.

Voltando ao texto de Marcos 11:12-14 - Uma curiosidade sobre a figueira

Uma curiosidade sobre a figueira nos permite entender porque tal árvore foi utilizada por Jesus como exemplo do que o pecado provocou em Israel e pode provocar no crente.

1.      Ela produz o seu fruto antes das folhas, ao contrário das demais árvores. Ela simbolizava, assim, a necessidade de uma espiritualidade verdadeira (os frutos), antes de uma religiosidade aparente (as folhas).

2.      Veja que a folha de figueira aparece pela primeira vez na Bíblia como uma maneira de esconder o pecado, ou de encobertar uma realidade, produzindo apenas uma aparência de concerto. (Gênesis 3). A figueira coberta de folhas aponta para o homem escondido, coberto de aparência apenas.

Na carta de Judas, há várias figuras que ilustram esse comportamento. Ali, o Apóstolo fala de rochas submersas, nuvens sem água, árvores secas, Ondas de espuma, estrelas errantes, movimentos produzindo apenas aparência, sem nenhum fruto, etc.

“São nuvens sem água, impelidas pelo vento; árvores de outono, sem frutos, duas vezes mortas, arrancadas pela raiz. 13 São ondas bravias do mar, espumando seus próprios atos vergonhosos; estrelas errantes, para as quais estão reservadas para sempre as mais densas trevas.” Jd 12b-13 (NVI)

Por isso Jesus proferiu a sentença: Ninguém mais coma de seu fruto.”

É triste saber que algumas pessoas não fazem diferença alguma na vida de outras pessoas.

A figueira enganou Jesus? Como já disse, a Ele não. Jesus sabe todas as coisas. Mas havia um princípio que Jesus queria ensinar aos seus discípulos.

O princípio é esse:

Você não precisa ser o que não é; não precisa dar o que não tem, mas também não pode mostrar a outros o que você não é, não pode prometer o que não pode cumprir.

Todos foram chamados para a frutificação!

O que aconteceu àquela figueira é um alerta a cada um de nós, porque Deus nos criou para que sejamos frutíferos como Cristo foi. Logo no início da história de Deus com o homem, essa fertilidade para frutificação foi determinada ao homem. Gênesis 1:28 diz: “Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra...” Gn 1:28

“Frutificai” ou “sede fecundos”, no hebraico é “Parah”, uma raiz primitiva; 1) dar fruto, ser frutífero, dar ramo, mostrar-se com frutos.

A primeira palavra que sai da boca de Deus em direção ao homem é: FRUTIFICA!

Eu sei que muitas pessoas dizem: “Eu estou produzindo o fruto do Espírito Santo mencionado em Gálatas 5:22 e 23, mas será esse o fruto que Jesus quer de nós? Aliás, esse fruto não é nosso, é do Espírito.

“22 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.” Gálatas 5:22

O fruto que Deus ordena que produzamos são pessoas!

Agora perceba que de alguma forma, todos nós somos frutíferos. Estamos sempre vivendo para reproduzir em outros o que somos. Se você é um profissional em vendas, está sempre influenciando indiretamente ou treinando diretamente as pessoas para que se tornem vendedores.

O próprio texto de Gênesis 1:28 deixa claro que esse fruto são pessoas. Porque cada espécie gera segundo a sua espécie. Deus disse que deveríamos gerar muitos homens semelhantes a Ele e encher a Terra.

DEUS espera de nós frutos dignos do sacrifício de Jesus, dignos do investimento que Ele fez em nossas vidas.

Regra da primeira menção

Com relação ao assunto frutificação e sua importância, vemos o seguinta na regra da primeira menção.

1ª Palavra de Deus para o homem: Frutificai - Gn 1:28  
1ª Bênção de Deus sobre o homem: Ser frutífero - Gn 1:28
1ª Característica do homem Bem aventurado segundo o Salmo de número 1: Árvore frutífera - Sl 1:1-3
1ª Manifestação do Espírito Santo no crente salvo: Fruto - Gl 5:22
1º Sinal de reprovação na vida do crente: Falta de fruto - Jo 15:2

A ênfase de Deus na frutificação, crescimento e multiplicação foi tão grande que a promessa ao nosso pai na fé Abraão foi a seguinte: “Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar...” Gn 22:17 

A revelação aqui é que noite e dia Deus está nos mostrando e falando sobre o seu desejo para o homem. 

Essas verdades nos fazem concluir que servir a Deus no cumprimento de Sua vontade é frutificar.  

Jesus quer mudar a natureza do homem de figueira seca para ramos de videira cheia de frutos, porque a Videira Verdadeira representa Jesus e a sua Igreja Fiel, uma Igreja comprometida com Deus. E para os ramos frutíferos que somos nós, Ele diz:

“Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi, e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo o que em meu nome pedirdes ao Pai ele vos conceda.” João 15:16

Em 1968 um cientista descobriu um colar de sementes de 600 anos de idade numa sepultura indígena. Plantou uma dessas sementes, que brotou e cresceu. Adormecida por 600 anos, o potencial de vida ainda estava lá. Talvez você tenha sido cristão há anos, e esteve espiritualmente adormecido a maior parte do tempo. Mas agora gostaria de ser produtivo. Tenho boas notícias para você: Não é tarde demais. (Rick Warren, em "Poder Para Ser Vitorioso", pg 199 - Ed Vida).

20161226

O poder da gratidão. Salmo 103:1-5. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 25/12/16

“1 Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. 2 Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios. 3 Ele é quem perdoa todas as tuas iniquidades; quem sara todas as tuas enfermidades; 4 quem da cova redime a tua vida e te coroa de graça e misericórdia; 5 quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia.” Sl 103:1-5

Introdução

Jesus é o nosso maior referencial de comportamento. Hb 12:1-2; 1Co 11:1.

Ele com seu estilo de vida santo deve ser imitado em tudo, por que em tudo ele jamais pecou. A gratidão sempre foi uma das marcas mais evidentes em Jesus enquanto viveu como homem. Jesus era grato e, com o próprio exemplo, nos ensina que devemos ser agradecidos em todo o tempo.

Muitos milagres que Jesus operou, foram precedido pela uma manifestação de gratidão.

A multiplicação dos pães e peixes. Mt 14
A ressurreição de Lázaro. Jo 11

Um provérbio Rabínico diz que:

“Deus um dia cobrará de nós por todas as coisas que Ele criou para o nosso deleite e nós nos recusamos a desfrutar”.

Quando não somos gratos, rejeitamos as obras do criador.

No texto do Salmo 103 nós vemos que o perdão, a saúde, a vida de Deus, o favor, a misericórdia, a prosperidade, a disposição da mocidade estão intimamente ligadas a prática da gratidão.

Não é só uma questão de reconhecimento por algo que nos trás benefício, mas de decisão interior. 

Wayne Cordeiro, pastor da maior igreja do Havai, diz crer, que...

Deus está mais preocupado com o fato de sermos gratos do que com qualquer outra coisa”.

Por que devemos ser gratos?

1. A gratidão tem o poder de alegrar o coração do pai

Nada agrada mais a Deus do que a gratidão. A vontade de Deus é que, em meio a todas as circunstâncias, demos graças (1Ts 5:18). “Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.”

As ações de graças talvez sejam o tipo de oração mais negli­genciado pelos crentes.

Possivelmente, muitos pensam que elas não são orações poderosas para mudar as circunstâncias da vida ou para tocar o coração de Deus, mas esse é um tremendo equívoco.

No Salmo 100:4 somos exortados a entrar na presença de Deus com ações de graças continuamente.

“Entrem pelos portões do Templo com ações de graças, entrem nos seus pátios com louvor. Louvem a Deus e sejam agradecidos a ele. Pois o Senhor é bom; o seu amor dura para sempre, e a sua fidelidade não tem fim.”

Pode não parecer algo razoável dar graças por cada problema por que passa­mos. Mas é essa exatamente a vontade de Deus.

“Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.” Ef 5:20

O coração agradecido é aquele que recebe com uma sincera demonstração de gratidão da pessoa a quem ajudou. Não há quem não se sinta muito bem, feliz mesmo, quando constata que a sua ajuda foi devidamente reconhecida pela pessoa que a recebeu.

Quantos aqui ficam felizes por terem ajudado alguém e depois está pessoa o agradece pelo bem feito?

2. A gratidão tem o poder de mudar as circunstancias.

A única maneira de sermos gratos por tudo é reconhecendo o Senhor em nossas circunstâncias. Se nós O reconhecermos em nossos caminhos, Ele endireitará as nossas veredas.” Pv 3:6

Se formos capazes de ver a mão de Deus nas circunstâncias, seremos capazes de ser gratos pela obra que Ele faz em nós.

Jesus nosso exemplo de gratidão na multiplicação dos pães

Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam.” Jo 6:11

Essa é a descrição de como o Senhor multiplicou os pães. Se fôssemos nós a orar pela multiplicação dos pães, talvez não usásse­mos a oração de ações de graças. Em nosso conceito, seria mais apropriada uma oração de fé. Mas Jesus apenas deu graças para nos ensinar o poder de um coração grato e contente diante de Deus.

Senhor! Ensina-me a ser grato em qualquer circunstância.

3. A gratidão tem o poder de trazer o contentamento.

Se não há contentamento pelo que Deus tem dado, Ele não pode multiplicar. Seria incoerente com a natureza de Deus Ele conti­nuar nos dando algo que não desejamos receber ou pelo que não somos gratos. O descontente deprecia a bênção do céu. Mas o con­tentamento, que vem pela gratidão, dá ao Senhor ocasião para nos dar porção ainda maior. A gratidão tem o poder da multiplicação.

Paulo era agradecido em todas as situações

“11 Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. 12 Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; 13 tudo posso naquele que me fortalece.”

O exemplo na cadeia de Filipos

Cada um de nós deveria se esforçar para ser parecido com Matthew Henry, que viveu no século XVIII. Quando ele foi roubado, es­creveu o seguinte em seu diário: “Deixe-me agradecer primeiro porque nunca fui roubado antes. Segundo, embora eles tenham levado minha bolsa, não levaram minha vida; Terceiro, porque eles levaram tudo que tinha em minha bolsa, mas não foi muito, e, Quarto, porque foi quem fui roubado, e por não ser a pessoa que roubou.”

4. A gratidão tem o poder de trazer vida onde existe morte.

Na ressurreição de lázaro Jesus fez o mesmo que na multipli­cação dos pães. Ele apenas agradeceu a Deus e depois chamou a lázaro da morte para a vida.

“E Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou porque me ouviste. E, tendo dito isto, clamou em alta voz: Lázaro vem para fora!” Jo 11:41-43

Eu creio que Ele rendeu graças para nos ensinar que ações de graças dão sabor à uma vida morta. A gratidão coloca vida em nossas vidas. Por que Deus se interessa tanto pela nossa gratidão? Porque ações de graças mudam a nossa atitude diante da vida. Ações de graças produzem contentamento. A vontade de Deus é que tenhamos um coração grato que produza contentamento. A gratidão é a medicina para todo o ser, e nada pode fazer melhor ao coração.  E podemos, em Cristo, nos existencializar na gratidão e no contentamento.

5. A gratidão tem poder quando ela é expressada de todo o coração.

“11 De caminho para Jerusalém, passava Jesus pelo meio de Samaria e da Galiléia. 12 Ao entrar numa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos, 13 que ficaram de longe e lhe gritaram, dizendo: Jesus, Mestre, compadece-te de nós! 14 Ao vê-los, disse-lhes Jesus: Ide e mostrai-vos aos sacerdotes. Aconteceu que, indo eles, foram purificados. 15 Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glória a Deus em alta voz, 16 e prostrou-lse com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; e este era samaritano. 17 Então, Jesus lhe perguntou: Não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove? 18 Não houve, porventura, quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro? 19 E disse-lhe: Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.” Lc 17:11-19

Eu creio que os dez leprosos se alegraram com a cura, mas a gratidão só foi demonstrada no retorno e adoração do ex-leproso. Como recomnpensa ele recebeu a aprovação de Jesus.

“A gratidão silenciosa não é útil a ninguém.”

Isso é muito verdadeiro. É por isso que trabalho para cultivar um coração de gratidão e me esforço para expressar a gratidão conti­nuamente. Tento ser grato até pelas pequenas coisas. E pelas grandes também, e, às vezes, tenho que fazer algo altamente intencional para expressar minha gratidão.

Não confie em seu coração, mas decida ser grato.

Todos os dias eu me assusto com o volume das fantasias e projeções que procedem do coração humano e rouba deles toda gratidão. Quem, porém, ama a soberania de Deus só enxerga gratidão.

Comece a agradecer pela vida que você tem, e não murmure pela que você não tem. Celebre diante de Deus a vida hoje, como ela é, e não se preocupe com o amanhã. Hoje é o dia da gratidão.

Portanto, seja grato pelo que você tem e não se queixe de nada, pois aquilo que hoje pode estar sendo a sua dor amanhã poderá ser a sua salvação. Por isso, ande em gratidão!

Como posso colocar o poder da gratidão em ação?

1. Separe um tempo de qualidade para descansar e cativar sua mente e coração no Senhor.

“1 Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. 2 Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. 3 Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido.” Sl 1:1-3

O que dá vigor para o crente é o tempo de descanso em Deus.

O homem foi criado para contemplar a criação.

Deus criou o homem para o descanso contemplativo. Nos sexto dia Deus criou o homem e no sétimo Ele descansou.

“1 Assim, pois, foram acabados os céus e a terra e todo o seu exército. 2 E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. 3 E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.” Gn 2:1-3

Deus descansou no sétimo dia porque tinha terminado seu trabalho de criação. Deus não descansou porque estava cansado. O descanso de Deus serve de exemplo para nós, que também devemos descansar um dia por semana.

O descanso é uma poderosa chave para ativar a gratidão
Todas as pessoas que viajam para Israel podem desfrutar de uma ótima alimentação com frutas e legumes da melhor qualidade. As melhores frutas e legumes do mundo são produzidos em Israel. Até hoje eles preservam o costume de descansarem a terra no sétimo ano. Qualquer agricultor pode testificar o quanto é importante descansar a terra.
Segundo a lei, Israel tinha que descansar o solo no sétimo ano, pois no sexto ano, eles colheriam o suficiente.
Pesquisadores dizem que o solo que descansa no sétimo ano produz 60% mais nutrientes do que o solo que não descansa. As terras que não passam pelo descanso causam prejuízo, pois também é comprovado que alguns vegetais que comemos não tem os mesmos nutrientes que tinham décadas atrás. Isso porque o solo que não descansa enfraquece.
Israel hoje é um dos maiores e melhores produtores de frutas de qualidade que abastece a Europa, e a chave para a prosperidade é que aprenderam a descansar a terra.
Deus ama o princípio do descanso, e quando planejou a nossa casa terrestre (corpo humano), criou o coração para trabalhar descansando. A medicina comprova cientificamente que o coração descansa mais do que trabalha. Assim Deus programou seu coração para trabalhar enquanto descansa. Quando você entra no descanso, você se torna grato e faz muito mais em menos tempo.

2.  Enxergue todas as coisas com bons olhos.

Estou convicto de que a gratidão é uma decisão nossa. Temos em nós mesmos o poder de optar por sermos gratos ou não. Em Mateus 6:22-23 podemos ler:

“22 São os olhos a lâmpada do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; 23 se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!” Mt 6:22-23

Eu gosto muito de uma frase que sempre ouço do nosso querido pastor Aluízio: “Tudo é puro para os puros, da mesma maneira que tudo é impuro para os impuros.”

Jesus está falando sobre como podemos ler a vida, sobre como podemos perceber a vida.

50 tons de cinza

Há quem pinte tudo escuro, enquanto outros pintam tudo em cores claras e vivas. A nossa opção pela gratidão define as cores da nossa paleta. Há quem só tenha “50 tons de cinza”, há quem só enxerga a vida com um olhar pessimista e Crítico. Há porém, aqueles que decidiram optar por serem sempre gratos.

A gratidão sempre pinta a vida com cores esplendorosas.

Um pincel especial que nos permite pintar a vida com cores sempre vivas e contagiantes é o pincel da fé. Fé em Deus, na justificação de Jesus, no poder do Espírito Santo, na certeza de que somos mais que vencedores.
Comecemos agora a demonstrar a gratidão contando todas as maravilhas que Deus tem feito. Sl 9:1

Conclusão

Agora, celebre com gratidão a sua vida, cada pessoa, cada encontro, cada dor, cada carinho, cada amor, cada perda, cada equivoco, cada desperdício, cada engano, cada susto, cada amigo, cada inimigo, por cada nascido e por cada sepultado.

Celebre com gratidão a graça e o amor de Deus que é a vida de Jesus que está em nós.

Isto será o início da gratidão.



Senhor Cara Legal - Evangelismo com o livrete 11ª Questão

O poder da oração no Espírito