Total de visualizações de página

Acesse o site da GERAÇÃO DE ADORADORES IGREJA DE VENCEDORES

20110523

Sou cristão ou discípulo de Cristo? Mt 5:14-16 - Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 22/05/11

14 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; 15 nem os que acendem uma candeia a colocam debaixo do alqueire, mas no velador, e assim ilumina a todos que estão na casa. 16 Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.

Li em um livro o seguinte comentário: “Temos cada vez mais gente nos bancos da igreja, mas sucessivamente menos discípulos verdadeiros de Cristo.”

Pouco antes de fisicamente deixar o mundo, Jesus reuniu seus amigos mais íntimos e deu-lhes uma última tarefa: “Vão e façam discípulos de todas as nações... ensinando-os a obedecer a tudo o que lhes ordenei” (Mt 28:18-20).

Hoje conhecemos essa ordem final de Jesus de trás para a frente e de frente para trás, e a chamamos de “a grande comissão”. Para uns ela constitui uma estratégia de se fazer esforços evangelísticos e missionários. Para outras pessoas, esse mandamento parece ser a missão de levar a salvação para os que se encontram perdidos e o subseqüente crescimento do número daqueles que povoarão os céus. Outros ainda pensam que o “ir e Fazer discípulos” passou a significar “contabilizar conversões”.

A verdade é que “a grande comissão” de Cristo tornou-se “a grande omissão” dos cristãos.

Eu concordo que devemos pregar a salvação da alma dos perdidos, mas esse deve ser o primeiro dos muitos passos que devemos dar na direção de Deus. Para os crentes que seguem a Jesus. Fazer discípulo é parte subseqüente do processo.

A palavra “discípulo” aparece 269 vezes no Novo Testamento, enquanto o vocábulo “cristão” é usado apenas três vezes, duas vezes em Atos dos apóstolos e uma vez na primeira epístola universal de Pedro. Discípulo ou Discipulado fala de um estilo de vida, enquanto que cristão ou cristianismo no conceito mais razo ou popular da palavra fala apenas de uma religião.

Em todo momento Jesus priorizava a importância da vida vivida em harmonia com os propósitos de Deus. O próprio Cristo demonstrou em seus atos e em suas palavras o que significa levar uma vida consagrada, e intencionalmente mostrou àqueles à sua volta como viver de modo íntegro, com o objetivo explícito de ser imitado e seguido.

“Porque eu vos dei exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.” Jo 13:15

A salvação é a necessidade do perdido, mas depois de alcançada, a santificação é a suprema ambição do cristão.

Lembremo-nos de que a aprovação tem de ser o alvo do crente.

A autoridade na vida do crente, vem de uma vida de obras aprovadas por Deus. O poder está em Jesus e seu nome, mas a autoridade vem como conseqüência de uma vida consagrada. Jesus disse: "Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra.” Mt 28:18

Como pode ser isso? Jesus sempre foi Deus, e como agora ele diz que recebeu poder e autoridade no céu e na terra???

Para entender melhor vamos ler Filipenses 2:7-11:

7 mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens;

8 e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.

9 Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome;

10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,

11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

Poder é uma conseqüência do nome de Jesus, da presença do Espírito Santo (At 1:8), mas a autoridade constante e permanente é uma consequência de uma vida de discípulo.

Jesus teve uma vida de obras que glorificaram a Deus, e por essa razão foi investido de toda a autoridade nos céus e na terra.

O êxito na vida de Paulo e dos tantos grandes homens que serviram a Deus cumprindo seu propósito, estava na disposição interior de servirem a Cristo de uma maneira pratica.

“Sede meus imitadores como eu sou de Cristo.” 1Co 11:1

“O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz será convosco.” Fp 4:9

Se desejamos converter o perdido, devemos começar com a nossa própria vida. Trata-se de algo que, com a ajuda divina, pode ser realizado com clareza e eficácia, uma vez que entendemos a natureza e o funcionamento do discipulado de Jesus. Em momento algum nosso Mestre ordenou que convertêssemos o mundo ou reformássemos quaisquer organizações religiosas. Mas ele nos disse que, quando estivéssemos repletos dele, daríamos testemunho a seu respeito “até os confins da terra” (Atos 1:8). Testemunhas são pessoas por meio das quais outros ficam sabendo de algo. Elas testemunham, atestam, evidenciam. Apesar de não serem manipuladoras — não precisam manipular —, aquilo que fazem (fé e obras) tem o poder de realizar transformações radicais nas pessoas.

esus disse aos discípulos: “façam discípulos”. Essa foi a única incumbência que recebemos dele e, para cumpri-la, devemos ser discípulos de Cristo colocando todo o resto de lado.

Cristãos vampiros???

Alguém usou a expressão "cristão vampiro" para aqueles que querem a salvação, mas não querem obedecer a santificação. Na verdade, o que muitos estão dizendo a Jesus é: "Gostaria de receber um pouco de sangue, mas não quero ser seu aprendiz nem ter seu caráter. Com licença, mas agora vou prosseguir com minha vida. Vejo você no céu". Mas será que podemos imaginar que Jesus considera essa abordagem aceitável?

Como temos expressado a nossa fé diante das pessoas com quem nos relacionamos? Que tipo de influência o nosso comportamento produz?

10 Tu, porém, tens observado a minha doutrina, procedimento, intenção, fé, longanimidade, amor, perseverança,

11 as minhas perseguições e aflições, quais as que sofri em Antioquia, em Icônio, em Listra; quantas perseguições suportei! e de todas o Senhor me livrou.12 E na verdade todos os que querem viver piamente em Cristo Jesus padecerão perseguições.13 Mas os homens maus e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados.14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido,15 e que desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus.16 Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; 17 para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra. 2Tm 3:10-17

Esse não é o estilo de vida da maioria dos crentes porque na nossa mente, viver uma vida de obediência plena é prejuízo. Ter de dedicar tempo para a igreja, célula, MDA, Casa de Paz, encontro, isso tudo parece muito pesado, cansativo. Devemos ser equilibrados, comedidos, é o que a maioria diz.

Mas veja o que Jesus disse: Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mt 6:33

E desde os dias de João, o Batista, até agora, o reino dos céus é tomado a força, e os violentos o tomam de assalto.” Mt 11:12

Quem serve a Deus sendo discípulo e discipulando, trabalha para Jesus e terá recompensa.

Veja no exemplo dos 70 homens enviados de dois em dois: “Não leveis bolsa, nem alforge, nem alparcas”. Lc 10:4

Jesus disse que aqueles que o obedecem trabalhando para ele serão bem pagos e não terão falta de nada.

Veja nesse texto que Jesus não fala sobre buscar o paraíso, mas o reino. O paraíso fala de salvação da alma, e a maioria das pessoas crentes que conheço, receberam a Cristo, não porque buscaram a salvação ou o céu, mas a salvação veio de maneira gratuita, sem esforço, ela nos foi enviada. Estávamos no caminho de Damasco e a salvação nos apareceu e nos conquistou. Deus nos deu a salvação sem mesmo nós a termos desejado.

“Porque eu vos dei exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Jo 13:15

Uma mudança de comportamento é necessária para que os homens vejam e glorifiquem a Deus.

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus

O conselho do Salmista para bem aventurança do crente está no Salmo 1:1:

1 Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.” Sl 1:1

Aqui neste texto estão três bem-aventuranças, mas quero enfatizar apenas uma: Não se deter nos caminhos dos pecadores. (Não seguir o exemplo de comportamento)

Se o ímpio não perdoa, o crente perdoa, se o ímpio amaldiçoa, o crente abençoa, se o ímpio alimenta seu ego, o crente renuncia-se a si mesmo.

Muitos crentes se detem nos caminhos dos ímpios porque estão se comportando de maneira sensual, pois o comportamento mundano os corromperam. Qual é a nossa reação quando somos flertados, ou que resposta a irmã dará ao assédio de um canalha qualquer. Qual é a sua resposta?

Outros irmãos estão se detendo no caminhos dos ímpios porque são agressivos, nervosos, pavio curto. Estão a beira de um ataque de nervos, prestes a explodir. São como uma bomba que precisa ser desarmada.

Outros se detem nos caminhos de impiedade porque são egoístas, não querem liderar. Dizem presunçosamente: “Isso não é pra mim”, “esse não é o meu chamado”, “isso é coisa pra pastor”, “é melhor cada um cuidar da sua vida”. Deus nos chamou e nos designou: “domine” Gn 1:22-28, “Te porei por cabeça e não por calda.” Dt 28:13, “Ide e fazei discípulos...” Mt 28:19

Outros se detem nos caminhos dos ímpios porque são desistentes.

Você pode dizer: “Mas pastor o ímpio muitas vezes é persistente e não desistente.” Concordo com seu pensamento, mas quando o crente desiste ele está se detendo no caminho dos ímpios pois se não estão no centro da vontade de Deus, estão caminhando por um caminho de impiedade. Estão fora da posição, fora do centro da vontade de Deus.

36 Porque necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa.37 Pois ainda em bem pouco tempo aquele que há de vir virá, e não tardará. 38 Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. 39 Nós, porém, não somos daqueles que recuam para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma. Hb 10:36-39

“Bem-aventurado o homem que suporta a provação; porque, depois de aprovado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu aos que o amam.” Tg 1:12

20110515

De casa em casa. At 20:17-21 - Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 14/05/11

17 De Mileto, Paulo mandou chamar os presbíteros da igreja de Éfeso. 18 Quando chegaram, ele lhes disse: Vocês sabem como vivi todo o tempo em que estive com vocês, desde o primeiro dia em que cheguei à província da Ásia. 19 Servi ao Senhor com toda a humildade e com lágrimas, sendo severamente provado pelas conspirações dos judeus. 20 Vocês sabem que não deixei de pregar-lhes nada que fosse proveitoso, mas ensinei-lhes tudo publicamente e de casa em casa. 21 Testifiquei, tanto a judeus como a gregos, que eles precisam converter-se a Deus com arrependimento e fé em nosso Senhor Jesus.

Aqui neste texto o Apóstolo Paulo está se despedindo dos líderes espirituais na Asia, mais precisamente na cidade de Mileto. O relatório de Paulo consistia em que ele havia pregado todo o conselho de Deus publicamente e “de casa em casa”.

Eu quero sublinhar o termo “de casa em casa”, porque esta foi uma marca dos primeiros cristãos, ter comunhão e pregar o evangelho de casa em casa. Os doze apóstolos ou discípulos viveram dessa forma, tendo comunhão e pregando de casa em casa. Os cristãos que vieram depois, fizeram o mesmo, tinham comunhão e pregaram o evangelho de casa em casa. Fazendo uma panorâmica do livro de Atos no tocante ao estilo de vida dos crentes daquela época, e isso envolve: 1. Culto a Deus - 2. Relacionamento com os irmãos - 3. Evangelismo

...percebemos que a igreja que funcionava de casa em casa atendia plenamente esse objetivo. A casa era o local onde essas três necessidades dos crentes do primeiro século eram atendidas. Se alguém naquela época a procura de uma igreja cristã perguntasse onde havia uma igreja, a resposta seria: Na casa de João, na casa do Pedro, na casa de Maria. Vejamos então no livro de Atos, algumas citações da igreja cristã funcionando nas casas.

Atos capítulo 2 nos mostra a igreja recebendo o batismo no Espírito Santo, reunida em uma casa. Eles estavam em uma casa e não em um prédio ou templo. De repente veio do céu um som, como de um vento muito forte, e encheu toda a casa na qual estavam assentados.” At 2:2 Jesus escolheu uma casa para ser o marco zero do agir do Espírito Santo. A igreja não nasceu no dia do Pentecoste, mas teve seu “start” no Espírito Santo para alcançar o mundo a partir deste dia, em uma casa.

Atos 2:46 nos fala dos cristãos perseverando na fé, “Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração.” At 2:46

Em Atos 8:3 Saulo de Tarso ainda servindo a Roma, perseguindo a igreja, “entrando pelas casas”, porque os crentes estavam fazendo igreja em casa, os encerravam na prisão. “Saulo, por sua vez, devastava a igreja. Indo de casa em casa, arrastava homens e mulheres e os lançava na prisão.” At 8:3

Atos 9:3-11 fala sobre o encontro de Saulo de Tarso com Jesus, na estrada que conduzia a Damasco. Logo após o encontro, Saulo vai para a casa de Judas e fica lá durante três dias, ele não vai para um templo ou prédio, ou centro de reabilitação. Nesta mesma casa, Saulo aguarda a até Ananias ir visitá-lo e orar por ele.

Em Atos 11, Pedro estando em Jope, é chamado por Cornélio para ir a sua casa. Já na casa de Cornélio, Pedro começa a falar e o Espírito Santo desce sobre aqueles homens, “desceu sobre eles o Espírito Santo, como também sobre nós no princípio.” At 11:15

At 12:12 diz que depois de Pedro ser milagrosamente livre da prisão por um anjo, este vai a casa de Maria mãe de João marcos, onde muitos irmãos estavam orando. O texto diz Depois de assim refletir foi à casa de Maria, mãe de João, que tem por sobrenome Marcos, onde muitas pessoas estavam reunidas e oravam.” At 12:12

At 16:14-16 Quando Paulo e seus companheiros de viagem estão nos arredores de Filipos, encontram Lidia que depois de ser batizada pede para Paulo entrar em sua casa. Paulo é constrangido e entra na casa daquela mulher. 14 E certa mulher chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que temia a Deus, nos escutava e o Senhor lhe abriu o coração para atender às coisas que Paulo dizia. 15 Depois que foi batizada, ela e a sua casa, rogou-nos, dizendo: Se haveis julgado que eu sou fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso. 16 Ora, aconteceu que quando íamos ao lugar de oração (casa de Lidia), nos veio ao encontro uma jovem que tinha um espírito adivinhador, e que, adivinhando, dava grande lucro a seus senhores.

At 16:34 conta que Paulo e Silas logo que sairam da prisão, foram convidados pelo carcereiro a irem para a sua casa terem comunhão. Então os fez subir para sua casa, pôs-lhes a mesa e alegrou-se muito com toda a sua casa, por ter crido em Deus.” At 16:34

At 18:7 Fala de Paulo indo na casa de Tito ou Tício o justo que morava ao lado de uma sinagoga.

At 20:20 como já lemos, Paulo está em Mileto falando sobre como evangelizou e fortaleceu a fé dos irmãos em Éfeso de casa em casa. 20 “Vocês sabem que não deixei de pregar-lhes nada que fosse proveitoso, mas ensinei-lhes tudo publicamente e de casa em casa.” At 20:20

At 21:8-9 Paulo vai a casa de Filipe e encontra suas filhas profetizas e nesta casa está estabelecida uma igreja. 8 Partindo no dia seguinte, fomos a Cesaréia; e entrando em casa de Felipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele. 9 Tinha este quatro filhas virgens que profetizavam.” At 21:8-9 O texto não diz que essas filhas eram profetizas, mas que estavam profetizando, e profetizando naquela casa.

Em sua saudação aos Romanos, Paulo escreve no capítulo16 verso 5, Saudai também a igreja que está na casa deles (Áquila e Priscila). Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Ásia para Cristo.”

Já na saudação aos Corintios, Áquila e Priscila aparecem novamente com uma igreja em sua casa. As igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos afetuosamente no Senhor Áquila e Priscila, com a igreja que está em sua casa.” 1Co 16:19

Cl 4:14-15 Paulo está saudando a igreja que está em Colossos, “14 Saúda-vos Lucas, o médico amado, e Demas. 15 Saudai aos irmãos que estão em Laodicéia, e a Ninfas e a igreja que está em sua casa.” Cl 4:15

Fl 1:2 Paulo saúda Filemom, Áfia e Arquipo e a igreja que está em sua casa. “1 Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, nosso companheiro de trabalho,2 e à nossa irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa...”

Fica claro no ministério do apóstolo Paulo, Pedro e dos tantos crentes dos primeiros três séculos que o ponto focal da comunhão e evangelismo eram as casas e não os templos ou os grandes ajuntamentos. As casas eram as igrejas onde a unção e o poder de Deus se manifestava. Até o terceiro século a igreja não se reunia em templos, somente nas casas em grupos pequenos. Esse período foi onde a igreja mais cresceu.

Mas esse mover começou a ser paralisado por ocasião da conversão de um imperador chamado Constantino no ano de 325 DC, a igreja passou a se reunir em grandes templos. A idéia deste imperador que de bobo não tinha nada, pelo que dizem alguns estudiosos foi a seguinte: “Já que eu não consigo conter o crescimento dos cristãos, vou me ‘converter’ e promover a religião cristã como a religião oficial do império.”

Durante 300 anos a igreja avançou de maneira sobrenatural de casa em casa, mas a partir de Constantino, a igreja de Jesus que se reunia de casa em casa, ao redor da mesa, passou a ser realizada em grandes templos, com púlpito, palco, objetos sagrados, sacerdotes etc. Neste tempo o cristianismo se desviou do foco que estava em cultuar a Deus, tendo comunhão com os irmãos evangelizando os perdidos, e se misturou com práticas pagãs. Os cristãos começam a reunirem-se também nos cemitérios junto aos túmulos dos mártires cristãos, cultuando aos mortos. Depois de algum tempo esses mártires foram chamados de santos mártires, e por fim reconhecidos como santos. Fizeram altares para esses “santos”. A partir daí começaram as disputas e predileções. Então vão se estabelecendo a hierarquia de devoção e predileção. O que no início era algo simples e singelo, de casa em casa, agora tornou-se algo complexo e difícil de ser praticado.

Voltemos aos primórdios da fé cristã que praticavam igreja de casa em casa e vejamos que a igreja estabelecida por Jesus está bem definida em 1Co 14:26. Paulo escreveu: “Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.”1Co 14:26

Essa igreja não tinha palco, não tinha púlpito, não tinha luzes, não tinha banda, não tinha dança, não tinha salas de aula, não tinha departamentos, não tinha encontros com Deus (evento), não tinha clero, não tinha teologia, não tinha endereço fixo, era a igreja que funcionava de casa em casa, onde dois ou três estavam reunidos.

Nesses últimos dias Deus esta tendo uma conversa séria conosco para nos corrigir, porque no reino de Deus as coisas não terminam em pizza.

Estranhamente perdemos o foco de casa em casa e nos confinamos nos “prédios” ou “templos” e alguns dos muitos irmãos que conheço ao invés de viverem a igreja de casa em casa estão de templo em templo. Isso conspira contra o espírito da nossa fé em Jesus Cristo que diz que onde estão dois ou três reunidos em nome de Jesus ele se faz presente.

O que estamos fazendo aqui agora não é o melhor para nós, pode ser bom, mas não é o melhor. O lugar da igreja é para ser nas casas ao redor da mesa e da ceia como foi na época de Jesus e como foi na época dos primeiros discípulos. No templo somos uma somatória de indivíduos que adoram individualmente no mesmo lugar que é diferente de uma comunhão de pessoas que se conhecem umas às outras e tem comunhão íntima nas casas ao redor da mesa.

Glória Deus porque estamos nos corrigindo para estabelecer nossa confissão de missão e visão na prática. De casa em casa os crentes funcionavam, de casa em casa os crentes cresciam, de casa em casa a igreja se parece mais com Cristo. No templo os crentes foram paralisados, no templo os crentes não crescem, no templo os crentes viram religiosos.

Lc 10:1 diz que Jesus deu a ordem aos seus discípulos para que estes fossem às cidades e aldeias entrar nas casas. 35 equipes de dois em dois deveriam ir pelas cidades e aldeias e entrar nas casas e fazer igrejas naquelas casas.

Jesus está dizendo para nós Ide, e na maioria das vezes nos estamos dizendo para as pessoas: Venham! A igreja que foi criada para ir de casa em casa, hoje vive insistindo na contra mão dizendo venham. Você e eu fomos designados para ir, apenas ir e nada mais do que ir e ir de casa em casa.

Quero fazer menção de dois textos que nos remetem ao coração de Deus no tocante a vida prática da igreja. Primeiro podemos ler o que diz Jo 4:19-24: “19 Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta. 20 Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar. 21 Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me, a hora vem, em que nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. 22 Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos; porque a salvação vem dos judeus. 23 Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. 24 Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” Jo 4:19-24

Veja a pergunta dessa mulher: Onde devemos adorar, no monte ou em Jerusalém??? Jesus então responde com muita objetividade: Devemos adorar em espírito e em verdade, porque Deus é Espírito e importa que o adoremos no espírito.

A outra passagem que gostaria de compartilhar é a Jo 13:34-35: “34 Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros. 35 Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros.” Jo 13:34-35

No texto acima, na ocasião da última ceia Jesus está dizendo que nós seremos reconhecidos como uma autêntica igreja Cristã, quando manifestarmos amor uns pelos outros. A pergunta que deixo a você é a seguinte:

Em qual estrutura e espaço, dinâmica de atividade, condição de auditório, fica mais fácil a prática de cultuar a Deus, amar e ter comunhão com os irmãos e evangelizar os perdidos???

No templo ou nas casas???

Jesus visitou várias casas durante seu ministério por vários motivos: A casa de Zaqueu para trazer salvação; a casa de Simão Pedro para curar sua sogra;; na casa em Caná da Galiléia para levar alegria; na casa de Marta e Maria, para repousar e ser adorado, nesta casa foi cuidado em sua essência humana e honrado em sua essência divina. Na casa de Jairo para trazer vida à sua filha.

De casa em casa faremos cumprir a grande comissão edificando igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela...” Mt 16:18

20110508

Vá, pelo amor de Deus!!! Lc 10:1 - Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 08/05/11

E depois disto designou o Senhor ainda outros setenta, e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir. E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara. Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos. Não leveis bolsa, nem alforje, nem alparcas; e a ninguém saudeis pelo caminho. E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa. E, se ali houver algum filho de paz, repousará sobre ele a vossa paz; e, se não, voltará para vós. E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa.” Lc 10:1-7

“E voltaram os setenta com alegria, dizendo: Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam.” Lc 10:17

Verdadeiramente quando alguém descobre o propósito de Deus para a sua vida, experimenta um liberar de felicidade e realização. Quem não descobre isso não vive a vida e sim a vida vive a pessoa. Não tira o melhor da vida, mas a vida suga o seu melhor. Seu tempo, sua saúde, seus talentos, seus dons.

Quando eu paro para meditar na palavra que está queimando nos nossos corações há alguns dias, lembro-me também de uma linda promessa de Deus nos fez: “Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei.” Is 55:11

Deus fará o que Ele se propôs a fazer!!! Com ou sem você, o plano de Deus se cumprirá. Lembre-se da expressão: “Depois disto o Senhor designou outros setenta...” E se Deus vai cumprir este plano, que seja com a minha participação.

Existem muitas pessoas se gloriando nas suas conquistas de bens, outros na sua inteligência, outros ainda por tantas outras realizações, “Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o SENHOR, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR.” Jr 9:24

Este foi o propósito de Cristo, gloriar-se em seu Pai. Nessa terra, Ele decidiu morrer por nós. O sucesso da missão de Jesus foi obedecer a Deus. Satanás não se contentou com a vida de Jesus. Satanás o tentou no deserto para que ele desistisse de cumprir o propósito. Satanás ofereceu a Ele glória, fama e poder, mas o Senhor optou por se diminuir. Fl 2:8 diz que estando ele na condição de homem, humilhou-se e obedeceu até a morte, e morte de cruz.

Agora, veja que o que satanás não conseguiu fazer com Jesus, ele está conseguindo fazer com muitos homens. O enganador está dizendo que sua vida é para ser aproveitada neste mundo, com as coisas deste mundo. Ele está dizendo para muitos crentes que a vida cristã, consiste em ir aos cultos ou às células e ponto. E muitos estão acreditando nisso. Na verdade a serpente está dizendo para os homens: Para quê se envolver mais???

Essa é a razão porque muitos estão paralisados no tocante ao propósito de Deus. Quando o plano de Deus paralisa na sua vida, a vida extrai de você o seu melhor. Suas habilidades, dons, talentos, são gastos na sua profissão, nas artes que você desenvolve, na música que você compõe e canta, nos seus relacionamentos de amizade. Mas tudo isso de fato é um gasto que pode ser proveitoso para a sua vida física e natural, mas não é um investimento para a eternidade.

Jesus disse que a prioridade na vida do crente é o reino.

“Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mt 6:33

Na oração modelo, logo após a introdução desta mesma oração, Jesus expressa seu propósito: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu...”

Invertemos os valores e passamos a viver em função de nós mesmos. Primeiro o pão, depois o reino. Primeiro o que vestir, depois o reino. Primeiro onde morar, depois o reino. Muito se sentem vencedores por estarem bem de saúde ou prosperando materialmente. Estes dizem: eu estou desfrutando da abundância do reino de Deus. Não é assim!!!

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. Porque quem nisto serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens.” Rm 14:17-18

O texto de Lucas 10 nos fala de uma estratégia de evangelismo desenvolvida por Jesus para o cumprimento do propósito da igreja do Senhor. Precisamos enxergar a igreja com os olhos de Cristo, e entender que somos uma força invasora, uma força enviada. A igreja não é uma força contida, reservada, estática, ela sempre está indo adiante. A maior parte dos irmãos que conheço, estão presos em suas congregações, estagnados, esperando que as vitórias venham.

Veja que na grande comissão, bem como neste texto compartilhado, a ordem é: vá!

Sair dos limites físicos, da zona de conforto que nos traz segurança é sempre desconfortável. Queremos sempre que as conquistas venham, mas Deus está na contramão dizendo: vá! Boa parte das igrejas que conheço, gastam seu tempo na TV dizendo: Venham para a campanha dos milagres, venham visitar uma de nossas igrejas. A propaganda é: Venha, venha, venha. Mas Jesus disse: Ide! Parafraseando, Jesus diz para cada um de nós: Vá! Sai andando! Se mexa! Acorda!!!

No Egito, Deus disse: Vá me adorar no deserto. No deserto Deus disse: vá habitar em Canaã.

Para Abrão, Deus disse: Sai de tua casa, do meio da tua parentela, e vá para uma terra que eu te mostrarei.

Em Mateus 28:19, Jesus disse Ide!

Depois do derramamento do Espírito Santo, Ele disse: Vá para a Judéia, Samaria, confins da terra.

No Novo Testamento, a única ordem de Deus para permanecermos é na fé. Sendo assim, continue crendo sem cessar, pois Deus recompensará os que perseverarem até fim.

Sair de onde estamos e ir para a seara é o chamado universal para todos os crentes!

As portas do inferno estão fechadas para o evangelho, mas não prevalecerão contra a igreja, foi o que Jesus disse! Mt 16:18

(Acho que a maior parte dos cristãos evangélicos deveriam se declarar como fazem a maior parte dos católicos. Eles dizem: Sou católico não praticante. O fato é que a maior parte dos crentes deveriam também dizer: Sou evangélico não praticante.)

Há uma inspiração em Lc 10 para irmos em busca do que nos foi proposto! Quando Jesus envia setenta de seus discípulos para precedê-lo, encontrando casas que estivessem abertas para receber a paz de Deus. A primeira coisa a compreender é que estamos sendo enviados pelo Senhor. O versículo 1 nos diz que Jesus designou aqueles discípulos, ou seja, lhes incumbiu de uma missão. Você está acostumado a pensar que só os que tem título de missionário devem cumprir este chamado. Talvez você pense que só as pessoas especiais, superdotadas espiritualmente, podem cumprir este propósito. Mas o que vemos nesse texto não é bem isso. Estes homens não tinham até então nenhuma experiência em pregar o evangelho, mas agora estavam ordenados e respaldados pelo Senhor para saírem em busca dos “filhos da paz”, entrar em suas casas e estabelecer ali uma base do reino de Deus.

Hoje temos um comando do céu para fazer o mesmo. O Senhor está nos comissionando para esta tarefa. Fomos escolhidos e designados para dar frutos (Jo 15:16) e não podemos nos esquivar desse privilégio e responsabilidade.

É interessante que o texto começa dizendo que “depois disto Jesus enviou outros setenta” (Lc 10:1). Isso faz uma conexão com um fato anterior, relatado no final do capítulo 9. Ali nós vemos pessoas que tiveram a oportunidade de servir a Jesus e serem enviadas por Ele, mas não foram porque demonstraram um coração errado. Ao olhar para a resposta que o Senhor deu para cada um, podemos saber por que há gente que não avança.

57 E aconteceu que, indo eles pelo caminho, lhe disse um: Senhor, seguir-te-ei para onde quer que fores. 58 E disse-lhe Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça. 59 E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá a enterrar meu pai. 60 Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus. 61 Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa. 62 E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.

Estamos falando de um princípio cujo contexto é o evangelismo, mas você pode aplicar este mesmo princípio para sua necessidade.

Porque existem pessoas que não vencem?

1. Algumas pessoas não estão dispostas a abrir mão do conforto e comodidade (Lc 9:57-58).

57 E aconteceu que, indo eles pelo caminho, lhe disse um: Senhor, seguir-te-ei para onde quer que fores. 58 E disse-lhe Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.

Embora tivesse um discurso entusiasmado, não queria pagar o preço que os demais estavam pagando, seguindo Jesus muitas vezes sem ter nem onde reclinar a cabeça para descansar. Num momento como o que estamos vivendo, debaixo de uma unção de envio e conquista e desafiados a entrar em novas portas com o evangelho, não podemos pensar em nossa comodidade. É hora de fazer um grande esforço para ver a conquista que glorifique ao nosso Deus!

2. Algumas pessoas não estão dispostas a tratar o chamado com a prioridade e a urgência que ele exigia (Lc 9:59-60).

59 E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá a enterrar meu pai. 60 Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus.

Ele queria primeiro enterrar seu pai... Entenda, não é que seu pai houvesse morrido e ele pedira ao Senhor para terminar seu funeral. Se fosse isso, certamente Jesus teria permitido. Entretanto, esse homem usou o cuidado de seu pai como uma desculpa par não servir naquele momento. Em outras palavras, ele estava dizendo:

· Senhor, eu estou muito ocupado.

· Senhor, eu não tenho tempo.

· Senhor, eu preciso descansar.

Em outras palavras, “um dia, quando meu pai morrer e eu não tiver mais que me preocupar com ele, te servirei...”

Muitas pessoas hoje vivem assim, estão envolvidas com obras mortas, dando desculpas de uma vida ocupada para não se envolverem no ministério. Têm outras prioridades que não as do Senhor. Não entenderam ainda a expressão:

“buscai em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”Mt 6:33

E por isso, essas pessoas vivem correndo atrás das coisas deste mundo, sem nunca se saciarem.

3. Algumas pessoas estão indispostas e não querem perseverar até o fim (Lc 9:61-62).

61 Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa. 62 E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.

Ao dizer que lançar mão do arado e olhar para trás é um atestado de indignidade, o Senhor denuncia este coração que não é capaz de ir até o fim num trabalho. Este tipo de alma não serve a Deus. Por isso Jesus mandou outros setenta. A pergunta é: E hoje, você está disposto a ser enviado para estabelecer uma “casa de paz” e perseverar nessa missão até o fim? Ou vai se esquivar por não estar a fim de pagar o preço, dando desculpas de que não tem tempo e está ocupado com muitas coisas em sua vida? Será que você está disposto a pegar nesse arado e ir até o fim dessa missão? O mestre pode contar com sua vida?

Uma vez que Jesus viu com quem realmente podia contar, enviou-os de dois em dois (Lc 10:1). Aqui está um segredo para a nossa estratégia. A meta é que cada duas pessoas de nossa igreja estabeleça uma “Casa de Paz” a partir do próximo mês. É melhor serem dois do que um (Ec 4:9-12). Jesus nunca enviou ninguém sozinho. Já nessa semana, os líderes de célula devem compartilhar este propósito e organizar seus discípulos em duplas para orarem juntos e começarem a fazer uma lista de pessoas que serão abordadas com a proposta de que abram suas casas para receber a paz de Deus. Todo mundo que está firme na fé e não quer ser achado entre os infiéis deve participar. Obviamente vamos dar todo o suporte e cobertura. Cada um receberá o material para ministrar nas “Casas de Paz”, o apoio logístico e espiritual para conquistar seus objetivos e a unção para esta aventura de fé.

Tenho certeza que o fim será semelhante ao dos discípulos que Jesus enviou: “Voltaram os setenta cheios de alegria, dizendo: Senhor, até os demônios se nos submetem em teu nome”. Lc 10:17

20110505

Obrigado, Google!

Josué Ebenézer de Sousa Soares
Publicado em 01.09.2009

O que é o Google? Uma ferramenta de pesquisa para Internet. Muito útil, mas que, se incorretamente utilizada, pode ser um caos para a educação moderna. A quantidade de estudantes e pesquisadores que se utiliza desta e de outras ferramentas disponíveis é quase que incalculável.
Ouvi de um pregador num auditório onde haviam várias igrejas representadas, a história de um seminarista que na formatura levantou uma faixa com os dizeres em epígrafe. Erro do seminarista. Erro do orador, que contou o causo em tom de chacota. Vivemos na era da superficialidade. Do enaltecimento do erro e do desvio; da busca das coisas fáceis e da apropriação das idéias alheias sem dar os devidos créditos.
Os tempos modernos engendram uma cultura da farsa, da máscara. Estudantes que acessam a Internet com o intento de sugar o já feito, apropriar-se do suor do outro, daquele que já pensou, já refletiu, já elaborou conceitos e idéias, não estão levando a sério a vida acadêmica e, conseqüentemente, não serão profissionais respeitáveis em suas áreas de trabalho.
Além disso, como justificar um comportamento como esse, proveniente de alguém que está sendo encaminhado para o ministério pastoral, onde valores e princípios devem ser buscados e preservados? É eticamente reprovável aceitar as facilidades da tecnologia cibernética moderna para galgar novas etapas, cumprir com facilidade obrigações estudantis e avançar para os passos seguintes, sem que isto represente um esforço próprio e signifique apropriação de conhecimentos.
Quero fazer três considerações básicas sobre a questão, que entendo serem úteis não só para estudantes que tenham princípios cristãos, mas para aqueles que de modo geral estão interessados em buscar um conhecimento sadio e honesto.
Primeiro, a cópia de conteúdos não gera conhecimentos. É ignorância basear-se na cópia de conteúdos para cumprir requisitos necessários à aprovação em disciplinas acadêmicas. Nos tempos anteriores à Internet, ainda se tinha o concurso da "cópia manuscrita/datilografada de conteúdos" que, somada à leitura dos mesmos para efetuar a tal cópia, expunha o conteúdo em dois momentos distintos para o copista. Com o advento da Internet basta o uso das teclas Ctrl + C e Ctrl + V para a impressão de conteúdos que sequer foram lidos. Conhecimento se constrói com leitura, reflexão e assimilação de conteúdos. A tecnologia internética é avessa ao conhecimento e emburrece a classe estudantil à medida que não leva o indivíduo a exercitar a leitura, a reflexão e o cruzamento de dados, processo tão importante ao conhecimento.
Segundo, os mestres não podem ser relapsos com seus alunos. No frenesi moderno, em que a educação brasileira se tornou um subemprego, professores precisam acumular contratos em várias instituições de ensino para reforçar o orçamento doméstico. Neste esquema, mal têm tempo para deslocar-se entre os estabelecimentos de ensino e não podem dar a devida atenção aos testes, trabalhos e pesquisas recomendados aos seus pupilos. Algumas escolas solicitam dos alunos uma "introdução" e uma "conclusão" aos trabalhos pedidos, criando, desta forma, um mecanismo de controle do conteúdo apresentado. Neste caso, ocorre a admissão de que o trabalho é originário da Internet, o que, por si só, já é um erro. O fato de o professor procurar na "introdução" e na "conclusão" a intervenção do aluno é pouco para o conhecimento pretendido. Dessa forma, o processo ensino-aprendizagem fica prejudicado e o aluno, por falta de leitura, ingressa no mercado de trabalho e na vida adulta sem a bagagem necessária para o enfrentamento das circunstâncias da vida. Entra-se, então, no círculo vicioso daquilo que já ouvi alhures: os professores fingem que ensinam, enquanto os alunos fingem que aprendem...
Terceiro, o pequeno desvio é o pai da grande fraude. Sem princípios e valores norteadores da vida; sem exemplos de vida dos gestores da educação; sem parâmetros adequados para se conduzir o processo de aprendizagem; nossos alunos ficam sujeitos a repetição de erros, criando-se uma normalidade altamente nociva para a educação brasileira. A sociedade, através dos meios de comunicação de massa, grita por maior moralidade na política nacional e tenta entender tanta corrupção, suborno e desvios entranhados na cultura nacional. Tudo começa, porém, nos pequenos delitos que a sociedade tampa os olhos para não ver, mas que vai inoculando a desgraça da corrupção nas veias morais da brasilidade. O brasileiro cresce acostumado a "levar vantagem em tudo". Não há a preocupação de se estabelecer princípios morais (até porque alguns mais "modernosos" os reputam por antiquados) e o caos se torna cada vez mais grave. O incremento da violência, do consumo de drogas, da banalização do sexo (com conseqüente aumento dos casos de assédio sexual, gravidez na adolescência, pedofilia e toda sorte de crime sexual), do aborto, da ilegalidade e da crise de autoridade tem a ver com os pequenos desvios (como o caso da "cópia" escolar) que não são devidamente disciplinados e que, entranhados no inconsciente coletivo nacional, constroem uma sociedade corrupta que se prepara para a grande fraude da vida:
- Existir é uma hipocrisia! Às "cucuias" com a educação...

Obrigado, Google, por expor as entranhas da moralidade brasileira e o que se vê não é nada animador.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o sitewww.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

20110502

Chamados a Gerar. A visão do Gerar. Gn 1:26-28; Mt 28:18-20


Nestes dias estamos muito preocupados com o que Deus está fazendo, onde Ele está movendo; mas devemos nos preocupar com o que Deus deseja que façamos, porque o que importa é cumprirmos a sua vontade.

Embora Deus seja criador de todas as coisas, Ele quer usar o homem para conquistar algo que Ele deseja. E só o homem pode cooperar para realizar este sonho que está no coração de Deus.

Como pode ser isto?

Deus desejar algo que Ele ainda não tem? O criador do universo O Deus Todo Poderoso deseja Ter os filhos que ele ainda não tem!

Os anjos não podem fazer isso para Deus, pois foi ao homem que Deus deu a ordem “Frutificai e multiplicai-vos”. Pois somos cooperadores nesta obra maravilhosa que consiste na edificação da igreja de Senhor. Nós só temos uma vida para agradar a Deus, e é tão pouco comparado com a eternidade. Temos pouco tempo para cumprir o propósito para o qual fomos criados. Portanto hoje, precisamos lutar para fazer com que a vontade de Deus se realize. É nessa vida que nós precisamos responder a Deus.

Infelizmente a maioria de nós, os evangélicos, saímos do propósito original de Deus. Fomos criados para servir ao criador, mas hoje a mentalidade que se tem é de consumismo e então fazemos da igreja um grande centro de consumo. Estamos na igreja por que queremos receber alguma coisa, e nos esquecemos que fomos criados para servir e oferecer nossas vidas a Deus. Como é difícil pregar isso neste dias!

O que precisamos fazer para servir a Deus? A princípio precisamos descobrir a sua vontade, para isso vamos ler as primeiras palavras que saíram da boca de Deus para o homem logo após a sua criação:

“Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra, e sujeitai-a.” (Gn 1:28)

Gn 1:28 compreende toda a vontade de Deus para o homem! A vontade de Deus para o homem é que este seja frutífero!!!

Existe uma regra na hermenêutica que chamamos de regra da primeira menção, veja como isso funciona:

1ª Palavra de Deus para o homem: Frutificai

1ª Bênção de Deus sobre o homem: Ser frutífero

1ª Característica do homem Bem aventurado segundo o Salmo de número 1: Árvore frutífera

1ª Manifestação do Espírito Santo no crente salvo: Fruto. Gl 5:22

1º Sinal de reprovação na vida do crente: Falta de fruto. Jo 15:2

Nas primeiras palavras de Deus para o homem segundo Gn 1:28, vemos o desejo que esta no coração de Deus. Frutificar e multiplicar.

A ênfase de Deus na frutificação, crescimento e multiplicação foi tão grande, que nos três começos de Deus o que se ouve é: Frutificai e multplicai-vos!

Com Adão e Eva foi assim, “Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra, e sujeitai-a.” (Gn 1:28). Adão comeu da árvore do conhecimento do bem e do mal e recebeu uma natureza diabólica. Os planos de Deus foram interrompidos momentaneamente. Os homens se desviaram e Deus destruiu os homens com as águas do dilúvio. No segundo começo, já com Noé, Deus renova sua aliança com o homem. Gênesis 9:1diz: “E abençoou Deus a Nóe e a seus filhos e disse-lhes: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra”. O mesmo que fez com Adão no começo fez agora com Noé. Deus não mudou. Seus propósitos e desígnios se mantêm de eternidade em eternidade. Mas a geração de Noé também não respondeu a Deus. Ao acompanhar a geração de Noé chegaremos até a construção da torre de babel. Gênesis 11:4 diz: “E disseram: “Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo topo chegue até aos céus e tornemos celebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra”.

Babel é o oposto da vontade de Deus. Eles queriam ser reconhecidos, e queriam ficar juntos no mesmo local, sendo que Deus pediu que se espalhassem e enchessem a terra. Podemos ver que novamente o homem falhou e novamente Deus interfere no processo separando aqueles homens.

Já em Gênesis 12, no terceiro começo, Deus chama a Abrão e renova mais uma vez a sua aliança com o homem. “De ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma benção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.” Gênesis 12:2-3

Deus disse a Abrão o mesmo dito a Adão e Noé, mas em outras palavras. Antes o Senhor disse: Eu os abençôo... mas desta vez Deus disse: Seja tu uma benção! Abraão entendeu que ser uma benção implicava em Ter, gerar filhos, pois o próprio nome Abrão significa “Pai exaltado” e o nome recebido depois, Abraão significa “Pai de multidões”. Alguém que é reconhecido como pai de multidões precisa Ter muitos filhos. O chamado de Abraão foi unicamente para ter muitos filhos.

Para que Abraão não perdesse a visão do gerar, Deus continua falando a ele: “Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar...” Gn 22:17

Só podemos ver estrelas a noite, como só podemos ver a areia do mar durante o dia. Isso nos ensina que dia e noite, Deus está nos dizendo: Eu quero filhos, muitos filhos!

Essas verdades nos fazem concluir que servir a Deus é frutificar, gerando muitos filhos para Ele.

A vontade de Deus está em que o homem se multiplique!!!

Isso de fato se cumpriu na vida de Abraão, pois somos todos seus filhos na fé.

Já no Novo Testamento, após Jesus ter cumprido o propósito de morrer no lugar do homem, Ele ressuscitou três dias depois, e passou 40 dias com seus discípulos ensinando coisas preciosas a respeito de seu reino. Na grande comissão ele disse:

Ide e fazei discípulos de todos os povos (frutificai por onde vocês forem), batizando-os em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo.” Mt 28:19

Jesus reproduziu o que Deus desde o começo tinha dito a Adão, Noé e Abraão. O Senhor não muda, e seu maior desejo é gerar filhos para Deus, produzir segundo a natureza de Deus.

Jesus com sua vida reta diante de Deus, cumpriu a vontade do Pai!

Num primeiro momento ao nascer neste mundo, Jesus foi chamado de único filho, “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.” João 1:14. Já num segundo momento, Paulo o chama de primogênito, o primeiro entre muitos irmãos. “...a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos...” Rm 8:29

Jesus cumpriu a obediência, cumpriu a vontade do Pai porque ele gerou filhos para Deus.

Agora quando nós olhamos para a igreja hoje, nós enxergamos dois tipos de mentalidade dentro da mesma. Uma mentalidade de fazer coisas, e a outra a do gerar filhos.

Talvez você esteja pensando: “Mas parece que não se fala em outra coisa neste lugar.” Deixe-me te dar alguns dados sobre esse assunto na Bíblia. Só no Livro de Gênesis, que é o primeiro livro da Bíblia, nós temos 50 capítulos. Estudando sistematicamente o assunto frutificação, multiplicação, crescimento, descobrimos que verbos do tipo, “frutificar, crescer, multiplicar, prosperar”, aparecem mais de cem vezes nestes cinqüenta capítulos. A Bíblia também fala de 8000 promessas de bênçãos reservadas ao homem. Dentre todas essas promessas, aproximadamente 5000 delas estão relacionadas com a expansão do reino de Deus através do crescimento e multiplicação de seus filhos na terra.

O que você tem feito com sua vida cristã???

O Paradigma do fazer e do Gerar

Deixe-me contar uma história para ilustrar isso. “Um irmão confeiteiro queria muito agradar a Jesus, e decidiu gastar seus dias fazendo um delicioso bolo de chocolate para Jesus. No dia de seu grande encontro com o Senhor, levou seu esplêndido bolo de chocolate. Quando entregou seu presente a Jesus ouviu do Senhor: Meu filho, não te disseram nada a respeito de meu gosto? Respondeu o homem: Não que eu saiba. Falou novamente o Senhor: Eu não gosto de bolo de chocolate, o que eu gosto mesmo é de bolo de baunilha, mas pode dar esse bolo pro Gabriel, pois ele adora chocolate.”

Essa história fala a respeito de muitos daqueles que estão querendo cumprir a vontade de Deus, mas não sabendo como, estão como o confeiteiro, de bom coração produzindo alguma coisa achando que estão fazendo a vontade de Deus.

Saiba de uma coisa, Deus não vai fazer cara de satisfeito para algo que não é a sua vontade. Nele não há sombra de variação. Quando ganhamos um presente que não nos agrada, não rejeitamos o presente, até por uma questão de cortesia e consideração à pessoa, mas com Deus não é assim, se ele não aprova sua atitude, logo te reprovará.

Deus quer que sejamos uma geração de crentes, mas ao invés de gerar almas passamos a fazer coisas. Queremos alcançar o coração de Deus fazendo. Babel Gn 11:4

Deus criou o homem e a mulher e os abençoou para serem fecundos e multiplicar. Deus liberou uma bênção sobre o homem para gerarem filhos para o Senhor.

A bênção de Gênesis 1:28 é a autorização de Deus para a frutificação e multiplicação.

O que Deus disse a Adão e Eva quando os criou, diz hoje para cada um de nós, Deus não mudou. O desejo de Deus é o mesmo, Ele só mudou a estratégia por causa do pecado.

Pois se Adão foi alma vivente, hoje nós temos o segundo Adão que é Jesus, Espírito vivificante com o mesmo poder de bênção para gerar filhos para Deus. Jesus aquele que foi unigênito em Jo 3:16, gerou muitos filhos para Deus e hoje é chamado de primogênito, o primeiro de muitos milhares.

“Porque, os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho; a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.” Rm 8:29

Fomos projetados por Deus para sermos frutíferos como seu filho Jesus!!! Em Jesus temos a Bênção da fecundidade!!!

Hoje muitos estão “fazendo” coisas para agradar a Deus (Babel), mas Deus deseja que sejamos frutíferos em gerar filhos para ele (Jo 15:16). Os dons que buscamos passarão (1Co 13:8), as muitas coisas que estamos juntando nessa terra passarão, mas as almas que conquistarmos permanecerão para sempre!

Fazer coisas em nossas atividades diárias é um sinal de ocupação, e talvez você esteja ocupado com tantos trabalhos da igreja ou vida pessoal. Mas a pergunta é:

Dentre todas as sua atividades, você está gerando filhos para Deus? Você está influenciando pessoas para a salvação, está treinando pessoas para entrarem no reino de Deus?

Gostaria de fazer uma observação sobre o nosso estilo de igreja.

Não há problema em fazer coisas desde que haja uma consciência sobre a necessidade do gerar filhos para Deus.

A princípio gostaria de dizer que não há problema em fazer coisas. Nós aqui na Geração de Adoradores fazemos muitas coisas. Reuniões todas as semanas, Treinamentos, Curso para Casais, Bazar, Tela Crente, Tendall Fest, Encontro com Deus, Maturidade no Espírito, CTLPC, Evento ponte, Evento de colheita, Células, etc. Tudo isso é necessário mas com um fim de manifestar a vontade de Deus que é gerar filhos.

Talvez o êxito em algumas igrejas esteja em honrar “aquele que faz”. Talvez alguém seja honrado porque se formou em um seminário teológico, ou porque foi o construtor do prédio da igreja. Muitos são honrados porque fizeram grandes ofertas na igreja. Glória a Deus por tudo isso! Mas é isso o que verdadeiramente importa? Este é o centro do coração de Deus?

Não há problema em fazer estas coisas, mas o importante é saber a motivação para tudo isso. Tudo isso é importante se for canalizado para o alvo de Deus que é gerar filhos semelhantes a Jesus!

O Paradigma do fazer e do gerar nas duas descendências de Adão

Para entender melhor vamos pintar um quadro da igreja lendo sobre as duas descendências de Adão em Gênesis. Uma que fez e outra que gerou. Lembremo-nos que a descendência de Adão deveria ser três, mas com a morte de Abel somente Caim e Sete, tiveram descendência. Vamos estudar sobre esses homens e seus descendentes porque eles representam a realidade da igreja nos dias de hoje.

A primeira é a descendência de Caim, uma descendência que fez.

Vamos ler o que diz Gênesis 4:17 ao 22:

17. E conheceu Caím a sua mulher, e ela concebeu, e teve a Enoque e ele (Caim) edificou uma cidade (engenheiro civil), e chamou o nome da cidade pelo nome do seu filho Enoque.

18. E a Enoque nasceu Irade, e Irad gerou Meujael, e Meujael gerou Metusael, e Metusael gerou Lameque.

19. E tomou Lameque para si duas mulheres: o nome de uma era Ada, e o nome da outra Zilá. (Bígamo)

20. E Ada teve Jabal: este foi o pai dos que habitam em tendas, e têm gado (pecuarista).

21. E o nome do seu irmão era Jubal; este foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta (Músico).

22. E Zila também teve Tubalcaim, mestre de toda a obra de cobre e de ferro (artes em ferro, metalúrgico); e a irmã de Tubalcaim foi Naamá.

Esta descendência poderia participar daquele comercial do extinto Banco Bamerindus, “Gente que Faz”. Sim, porque fizeram cidades, música, foram pecuaristas e metalúrgicos.

Esta descendência gastou seus esforços e vidas fazendo coisas, mas o interessante é que em nenhum momento você vê o quanto estes homens viveram. O texto só menciona o que eles fizeram e nada mais. Explicarei melhor isso adiante.

No capítulo 5 de Gênesis, a Bíblia fala da geração de Sete.

1. ESTE é o livro das gerações de Adão. No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez.

2. Macho e fêmea os criou; e os abençoou, e chamou o seu nome Adão, no dia em que foram criados.

3. E Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua semelhança, conforme à sua imagem, e chamou o seu nome Sete.

4. E foram os dias de Adão, depois que gerou Sete, oitocentos anos; e gerou filhos e filhas.

5. E foram todos os dias que Adão viveu, novecentos e trinta anos; e morreu.

6. E viveu Sete cento e cinco anos, e gerou Enos.

7. E viveu Sete, depois que gerou Enos, oitocentos e sete anos, e gerou filhos e filhas.

8. E foram todos os dias de Sete novecentos e doze anos; e morreu.

9. E viveu Enos noventa anos; e gerou Cainã.

10. E viveu Enos, depois que gerou Cainan, oitocentos e quinze anos; e gerou filhos e filhas.

11. E foram todos os dias de Enos novecentos e cinco anos; e morreu.

12. E viveu Cainã setenta anos; e gerou Maalalel.

13. E viveu Cainã, depois que gerou Maalalel, oitocentos e quarenta anos; e gerou filhos e filhas.

14. E foram todos os dias de Cainã novecentos e dez anos; e morreu.

15. E viveu Maalalel sessenta e cinco anos; e gerou Jarede.

16. E viveu Maalaleel, depois que gerou Jarede, oitocentos e trinta anos; e gerou filhos e filhas.

17. E foram todos os dias de Maalaleel oitocentos e noventa e cinco anos; e morreu.

18. E viveu Jarede cento e sessenta e dois anos; e gerou Enoque.

19. E viveu Jarede, depois que gerou Enoque, oitocentos anos; e gerou filhos e filhas.

20. E foram todos os dias de Jarede novecentos e sessenta e dois anos; e morreu.

21. E viveu Enoque sessenta e cinco anos; e gerou Matusalém.

22. E andou Enoque com Deus, depois que gerou Matusalém, trezentos anos; e gerou filhos e filhas.

23. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos.

24. E andou Enoque com Deus; e não se viu mais; porquanto Deus para si o tomou.

25. E viveu Matusalém cento e oitenta e sete anos; e gerou Lameque.

26. E viveu Matusalém, depois que gerou Lameque, setecentos e oitenta e dois anos; e gerou filhos e filhas.

27. E foram todos os dias de Matusalém novecentos e sessenta e nove anos; e morreu.

28. E viveu Lameque cento e oitenta e dois anos; e gerou um filho.

29. E chamou o seu nome Noé, dizendo: Este nos consolará acerca das nossas obras, e do trabalho das nossas mãos, por causa da terra que o Senhor amaldiçoou.

30. E viveu Lameque, depois que gerou Noé, quinhentos e noventa e cinco anos; e gerou filhos e filhas.

31. E foram todos os dias de Lameque setecentos e setenta e sete anos; e morreu.

32. E era Noé da idade de quinhentos anos; e gerou Noé a Sem, Cam, e Jafé.

Estes descendentes de Sete não fizeram coisas e nem foram reconhecidos artistas ou profissionais, eles somente geraram filhos para Deus. Tudo bem pastor, uns fizeram e outros geraram, sendo assim o que diferencia um do outro?

A diferença é que uma dessas descendências não existiu para Deus.

Veja que na descendência de Caim não há menção de dias vividos pelos homens. Deus não os enxergou, para Deus é como se eles não tivessem existidos. O fator tempo determina a existência de homens ou coisas. Deus não menciona o tempo de vida desta descendência porque eles não viveram para Deus, não geraram filhos no temor de Deus, não viveram para o cumprimento de seu propósito.

Por outro lado, olhando para a descendência de Sete, vemos que Deus contou os dias dessa geração, pois eles fizeram o que foi ordenado em Gênesis 1:28. É importante dizer que Moisés, Abraão e Cristo fazem parte da descendência de Sete.

Caim e sua descendência apenas fizeram coisas e não tiveram os seus dias contados por Deus, para Deus estes homens não existiram, tudo o que fizeram não atraiu os olhos do Senhor.

A descendência de Sete gerou filhos. Estes tiveram os seus dias contados pelo Senhor. Não podemos ser como Caim e sua descendência porque Deus quer contar os nossos dias! “Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios.” Sl 90:12

Aqueles que somente edificam cidades, fazem instrumentos, artes, não serão vistos, contados ou acompanhados pelo Senhor.

“Pois os olhos do Senhor passam por toda a terra para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito (alinhado com sua vontade) para com ele.” 2Cro 16:9

Conclusão:

Você pode Ter dons ou talentos, pode ser eloqüente ou carismático, mas se não tiver filhos, será vazio e sem razão para viver. Observe como os nossos filhos nos motivam a crescer. Por causa deles trabalhamos duro para sustentá-los. Ter muitos filhos significa Ter muitos motivos para prosseguir no chamado de Deus. Ide e fazei discípulos. Tenha muitos filhos!!!

Senhor Cara Legal - Evangelismo com o livrete 11ª Questão

O poder da oração no Espírito