20171226

Os sinais do Natal. Is 9:6. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/12/2017

Todas as vezes que você pensar no Natal lembre-se disso, ele é o sinal do céu de que Deus o ama. Cada dor do seu coração, cada decepção, cada lágrima derramada, o Senhor conhece e se importa.

O Senhor Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida!” O ladrão vem para matar, roubar e destruir. O que tem destruído sua família, seus relacionamentos, sua paz interior, sua saúde e sua prosperidade não vem de Deus, procede do maligno. Mas o Filho de Deus se manifestou para desfazer as obras do diabo. 1Jo 3:8

Nós ainda vivemos em um mundo caído. Deus nunca planejou que sofrêssemos com tsunamis, furacões e terremotos; ele nunca desejou que houvesse doenças e epidemias.

Quando Adão foi criado Deus o colocou no paraíso onde não havia nenhuma dessas calamidades. O primeiro homem vivia em perfeita felicidade. E tudo o que Deus lhe disse foi: todas as árvores do jardim são para você. Pode comer livremente de todas elas, mas para mostrar que você me honra e reconhece que eu sou a fonte de todas as coisas em sua vida, não coma dessa única árvore, chamada árvore do conhecimento do bem e do mal.

Você certamente conhece a história, o diabo veio para matar roubar e destruir, ele tentou a mulher e eles caíram no pecado. De um casal o pecado se espalhou para toda a humanidade.

Deus odeia o pecado, mas amou o homem. É como uma pessoa amada que sofre com câncer. Você ama seu amigo, mas odeia o câncer que o está matando. O quanto você odeia o câncer depende do quanto você ama a pessoa. A solução de Deus foi o natal. O Pai enviou o seu único filho para morrer por nós na cruz. Na cruz Deus separou você do seu pecado.

No Velho Testamento se você pecasse deveria trazer um cordeiro até o Templo. Esse cordeiro deveria ser sem defeito para tipificar o Salvador que viria sem pecado. Você deveria impor as mãos sobre o Cordeiro de maneira que os seus pecados eram transferidos para o animal e a inocência do cordeiro passava para você. Depois disso o cordeiro era morto e você era perdoado dos seus pecados.

No dia em que João Batista viu a Jesus nas margens do rio Jordão ele disse: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!” Ele foi o sacrifício final que encerrou todos os sacrifícios. Não precisamos mais fazer penitências ou boas obras para impressionar a Deus, pois o Filho foi imolado como Cordeiro na cruz por nossos pecados. Toda punição que merecíamos por nossos pecados foi colocada sobre ele.

Hoje quando você coloca a sua confiança em Cristo, a troca do Calvário se consuma em sua vida. Ele levou todos os seus pecados para que você receba a justiça que era dele. Ao receber essa justiça somos feitos justos aos olhos de Deus e, portanto, aptos a receber todas as suas bênçãos nesse mundo e, no futuro estar com ele pela eternidade.

Você pode estar seguro que receberá todas as bênçãos de Deus não porque você é bom, mas porque ele é bom. Essa é a graça de Deus, é o seu favor imerecido sobre nós. Nós podemos esperar receber as bênçãos que não merecemos.

Hoje gostaria de compartilhar com você dois sinais do Natal. O primeiro deles é o sinal da manjedoura.

1.      O sinal da manjedoura

Havia pastores guardando os seus rebanhos durante a noite de ataques de lobos e outros predadores. Subitamente a glória do Senhor brilhou ao redor deles. Onde há presença do Senhor nunca há trevas. Então o anjo do Senhor apareceu e lhes disse essa palavra:
O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura. Lc. 2:10-12
O anjo anunciou o nascimento do Salvador, não o de um juíz ou do doador de uma nova lei. Um salvador não nos ensina como ser salvos, mas ele mesmo nos salva. Alguns pensam que ele apenas nos salva do inferno e nos leva para o céu, mas é muito que isso. Ele trabalha nos salvando constantemente. Ele nos salva da enfermidade, nos salva da pobreza, nos salva de um casamento ruim, nos salva do lamaçal do pecado. Não precisamos de um livro de instruções, regras e leis, nós precisamos de um salvador.

Não precisamos de mais moralismo para nos salvar. Nenhum de nós pode ser bom o suficiente para merecer a bênção de Deus. Quando estávamos afundando rumo ao inferno ele nos salvou. Não precisamos fazer coisa alguma, apenas consentir em sermos salvos. A única coisa que Deus não pode fazer é forçar o homem a ser salvo ou ser abençoado.

O anjo disse que os pastores encontrariam uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura. Uma manjedoura é o que nós chamamos hoje de cocho, o lugar onde se coloca a comida para o gado. Nos dias de Jesus era feita de pedra. O Senhor nasceu para ser o alimento para o rebanho. Ele é o pão que desceu do céu.

Nenhuma outra instrução foi dada pelos anjos, no entanto os pastores saíram e foram diretamente ao lugar onde o Senhor tinha nascido. Havia centenas ou milhares de manjedouras em Belém, mas parece que os pastores sabiam exatamente sobre qual manjedoura o anjo tinha falado. Como eles souberam qual era a manjedoura?

Para compreendermos isso precisamos conhecer a profecia. O profeta Miqueias tinha profetizado 700 anos antes onde o Messias deveria nascer.
E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Mq. 5:2
Belém significa casa do pão e Efrata significa frutificação. Naquela cidade o verdadeiro pão do céu veio para nos nutrir a fim de que frutifiquemos para Deus.

A profecia diz claramente que aquele bebê na manjedoura não surgiu ali, mas já existia desde os dias da eternidade. Ele é Deus. É o verbo que se fez carne e veio habitar entre nós. Essa profecia diz qual seria a cidade, mas nada diz do lugar exato. Para entendermos isso temos de ver outra profecia de Miqueias
A ti, ó torre do rebanho, monte da filha de Sião, a ti virá; sim, virá o primeiro domínio, o reino da filha de Jerusalém. Mq. 4:8
A torre do rebanho é um lugar específico que em hebraico chama-se Migdal Eder. Primeiro ficamos sabendo que ele nasceria em Belém, agora descobrimos que deveria nascer num lugar chamado Torre do Rebanho (Migdal Eder). Migdal é torre de vigia em hebraico. Algumas vezes essas torres eram usadas para vigiar contra ataques de inimigo, mas outras vezes era usada por pastores para guardar o rebanho contra predadores. Eder em hebraico significa rebanho. Mas como sabemos que a torre do rebanho ficava em Belém? A torre do rebanho é mencionada duas vezes na Bíblia e a outra menção está em Gênesis quando Rachel, a esposa de Jacó, morreu e foi enterrada em Belém.
Assim, morreu Raquel e foi sepultada no caminho de Efrata, que é Belém. Sobre a sepultura de Raquel levantou Jacó uma coluna que existe até ao dia de hoje. Então, partiu Israel e armou a sua tenda além da torre de Éder. Gn. 35:19-21
Torre de Éder é precisamente a torre do rebanho só que aqui os tradutores mantiveram o nome em hebraico. E assim descobrimos que ela fica em Belém.

Alfred Edersheim um historiador judeu (The Life and Times of Jesus the Messiah) explica como eram os costumes judaicos na época de Jesus. Ele diz que havia um local em Belém chamado Migdal Eder e esse era o lugar onde todas as ovelhas que seriam sacrificadas no Templo eram criadas. As ovelhas nasciam e cresciam ali com o único propósito de serem sacrificadas no Templo.
Os sacerdotes traziam as ovelhas para darem à luz na Torre do Rebanho. E uma vez que o cordeiro nascia ele era envolto em panos para impedir que tivesse qualquer ferimento e assim fosse desqualificado para o sacrifício. Eles então colocavam esse cordeiro numa manjedoura. O Senhor Jesus foi o perfeito cumprimento da profecia.

Quando o anjo disse aos pastores que encontrariam o bebê envolto em faixas deitado numa manjedoura imediatamente eles souberam onde ele estava. Finalmente veio o sacrifício que iria finalizar todos os sacrifícios. O verdadeiro sacrifício do qual todos os cordeiros do passado eram apenas uma imagem tinha agora nascido em Migdal Eder, a Torre do Rebanho.

2.      O Sinal da virgem

Quando Adão caiu, o pecado contaminou o seu sangue e dessa forma o pecado foi passado aos seus descendentes. Consequentemente por causa do pecado de Adão todo homem nasce com o pecado no seu sangue.

Nós precisávamos de um salvador, mas não tínhamos como nos salvar a nós mesmos porque todo homem nasce com o sangue contaminado pelo pecado. Dessa forma todo homem é escravo e um escravo nunca pode liberar a si mesmo nem aos outros. Não importa quão boa uma pessoa é, o pecado está no seu sangue. O salvador tinha de ter o sangue sem pecado para poder pagar o preço da nossa libertação.

Isso nos introduz no segundo sinal. Esse sinal foi dado pelo profeta Isaías sete séculos antes de Cristo.
Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel. Is. 7:14
Esse sinal foi dado pelo próprio Deus, a virgem iria conceber. É um sinal extraordinário porque todos sabemos que se trata de uma impossibilidade. Mas existe uma explicação científica porque o Senhor Jesus deveria nascer de uma virgem.

Em 1900 um médico judeu chamado Karl Landsteiner descobriu os tipos sanguíneos. Ele postulou que existem quatro tipos sanguíneos: A, B, AB e O. Até então muitas pessoas morriam depois de fazerem transfusão porque não sabiam que certos tipos de sangue não se misturam. O tipo sanguíneo AB é chamado de receptor universal porque pode receber de todos os tipos e o tipo sanguíneo O é chamado de doador universal porque pode doar a todos, mas só recebe de outro do mesmo tipo.
Essa descoberta extraordinária aconteceu há pouco mais de cem anos atrás, mas a Bíblia já falava da vida no sangue há 3500 anos atrás.

Portanto, a vida de toda carne é o seu sangue; por isso, tenho dito aos filhos de Israel: não comereis o sangue de nenhuma carne, porque a vida de toda carne é o seu sangue; qualquer que o comer será eliminado. Lv. 17:14

Nunca houve nenhuma descoberta científica que colocasse em cheque a Palavra de Deus. Existem teorias, mas não há nenhuma descoberta comprovada que negue a veracidade da Bíblia. O livro de Jó, que é o mais antigo da Bíblia, já falava da redondeza da terra que só foi descoberta há 500 anos atrás (Jó 37:12).

Duzentos anos atrás médicos ainda faziam sangria e algumas vezes matavam seus pacientes porque não entendiam que a vida está no sangue. Hoje já é um fato científico que o bebê não recebe nenhuma única gota de sangue da mãe. Por meio da placenta o bebê recebe da mãe nutrição, proteínas e carboidratos, mas nenhuma gota de sangue. Depois a placenta purifica o sangue do bebê e transfere as impurezas para o sangue da mãe de onde depois é expelida.

Por que isso é importante? Porque se Jesus tivesse recebido do sangue de Maria ele teria recebido a semente do pecado presente em Maria. Se tivesse tido um pai humano teria recebido da mesma semente por meio do sêmen do pai. Toda criança nascida desde Adão nasceu com a semente do pecado, mas ainda assim Jesus precisava ser filho de Adão, todavia não podia ter o pecado de Adão. Na sua sabedoria Deus providenciou que a virgem ficasse grávida e hoje sabemos cientificamente que nenhum sangue de Maria passou para Jesus.

Todo o sangue do bebê é produzido pelo seu próprio organismo. Todo o sangue de Jesus veio do próprio Deus. Não houve participação de José e nem de Maria. Todos os bebês nascem para viver, mas um dia na manjedoura de Belém, em Migdal Eder nasceu um bebê que veio para morrer. Na cruz do Calvário quando derramou o seu sangue sem pecado todos os nossos pecados foram perdoados. Não existe pecado tão grande nem tão sujo que ele não possa purificar. Não há principado nem potestade que o sangue não possa derrubar. O sangue de Jesus é a coisa mais poderosa em todo o universo.

20171219

Desfrutando do fardo leve e suave. Mt 11:25-30. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 17/12/2017

Desfrutando do fardo leve e suave. Mt 11:25-30

Toda obra de Deus é feita a partir da fé no descanso. Quando algo está pesaroso, penoso, difícil, chegando ao ponto de nos desgastar, isso é um sinal de que algo precisa ser mudado.

O chamado para a vida cristã é para o alívio. Não há fardos pesados quando se trata da vontade de Deus. Se há peso no casamento, trabalho, ministério, relacionamentos com os irmãos, isso é sinal de que Deus não está trabalhando.

Na graça há substituição. Na graça há favor, Na graça há alívio.

Descanso para os cansados

25 Por aquele tempo, exclamou Jesus: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. 26 Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. 27 Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 28 Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. 29 Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. 30 Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” Mt 11:25-29

Nosso maior encargo e responsabilidade deve ser para que não saiamos do descanso da fé.

Temamos, portanto, que, sendo-nos deixada a promessa de entrar no descanso de Deus, suceda parecer que algum de vós tenha falhado... Nós, porém, que cremos, entramos no descanso...” Hb 4:1-3a

“35 Não abandoneis, portanto, a vossa confiança; ela tem grande galardão. 36 Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa. 37 Porque, ainda dentro de pouco tempo, aquele que vem virá e não tardará;
38 todavia, o meu justo viverá pela fé; e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma.
39 Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma.” Hb 10:35-39

A obra de Deus em nós é toda feita pelo próprio Deus pelo nosso descanso na fé. Quando Deus decidiu criar o homem, primeiro Ele criou todas as coisas e depois plantou o jardim do Éden. Quando tudo já estava pronto, somente a partir dai, Adão foi criado. Depois da obra concluída e consumada, o homem é convidado a participar da obra de Deus entrando em seu descanso.

Toda obra feita no suor do rosto anula a graça. Suor na Bíblia aponta para o esforço próprio.

“17 E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. 18 Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. 19 No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” Gn 3:17-19

O suor do homem aponta para maldição
“16 Eles entrarão no meu santuário, e se chegarão à minha mesa, para me servirem, e cumprirão as minhas prescrições. 17 E será que, quando entrarem pelas portas do átrio interior, usarão vestes de linho; não se porá lã sobre eles, quando servirem nas portas do átrio interior, dentro do templo. 18 Tiaras de linho lhes estarão sobre a cabeça, e calções de linho sobre as coxas; não se cingirão a ponto de lhes vir suor.” Ez 44:16-18

Como Adão, nós apenas cultivamos o que Deus já plantou, apenas participamos do descanso de Deus. O homem foi criado no sexto dia. Isso indica que o primeiro dia do homem foi o sétimo de Deus, ou seja, o dia do descanso. Isso certamente aponta para o princípio espiritual de que toda a obra de Deus em nós depende de aprendermos a entrar no Seu descanso.

Quando Deus livrou o povo de Israel da escravidão do Egito e os conduziu a Canaã, ele fez questão de mencionar que o povo não teria de fazer coisa alguma. Eles entrariam em casas que não tinham construído, poços que não tinham cavado e plantações que não tinham semeado. Eles iriam participar da bênção da obra completa de Deus, da obra consumada. (Dt 6:10-11)

“10 Havendo-te, pois, o SENHOR, teu Deus, introduzido na terra que, sob juramento, prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades, que tu não edificaste; 11 e casas cheias de tudo o que é bom, casas que não encheste; e poços abertos, que não abriste; vinhais e olivais, que não plantaste; e, quando comeres e te fartares,
12 guarda-te, para que não esqueças o SENHOR, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão.” Dt 6:10:12

O mesmo princípio se aplica à obra de Cristo. Se Adão já recebeu o jardim do Édem pronto e o povo de Israel herdou uma nação pronta, nós também recebemos uma salvação completa. Temos salvação quando descansamos no que Deus já fez por meio de Cristo. A maior de todas as bênçãos que recebemos é a salvação e ela é recebida quando descansamos. Pela fé!

Se a salvação é recebida assim, por que as outras bênçãos nos seriam dadas de outra forma? Todas as bênçãos são recebidas pelo descanso da fé. Deus deseja que vivamos no descanso porque a fé é o descanso. Por isso nos é dito que sem fé é impossível agradar a Deus! Hb 11:6

Em Colossenses 2:6, Paulo diz: “Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele”. (Cl 2:6). Como recebemos Cristo? Não foi pelo descanso da fé? Será que precisamos nos esforçar para guardar os mandamentos da lei para sermos salvos? Não! Será que tivemos de fazer penitências e procurar agradá-lO com boas obras? Certamente não! Nós tivemos apenas de crer com o coração e confessar com a boca que Ele é o Senhor. Paulo, então, diz que precisamos andar em Cristo da mesma forma que o recebemos, ou seja, crendo e entrando no seu descanso.

Todas as bênçãos são recebidas do mesmo modo que recebemos a salvação. É a ausência dessa simplicidade que nos leva a perder a bênção voltando para a justificação pelo esforço próprio. Não tivemos de fazer nada para ajudar o Senhor a fim de sermos salvos. Hoje, participamos da obra completa do Senhor. O jardim já estava pronto para o homem, Canaã foi entregue com tudo pronto e hoje desfrutamos de uma vida cristã que já está pronta. Nós participamos da obra completa do Senhor que foi concluída há muito tempo.

Fomos chamados para viver a vida cristã no descanso pois... “Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” Rm 8:32

Veja que o Senhor diz ao profeta que a vitória não será por força e nem por poder humano. O poder de Deus é liberado quando entramos no descanso. O descanso é a expressão mais poderosa de fé, “Porque assim diz o SENHOR Deus, o Santo de Israel: Em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação; na tranqüilidade e na confiança, a vossa força, mas não o quisestes.” Is 30:15

A orientação de Pedro para não perdermos a fé (descanso) é sempre lançar as nossas ansiedades sobre o Senhor. 1Pe 5:6-7

Jesus Cristo disse instantes antes de morrer na cruz: Está consumado! Creia nisso! Tudo já está pronto. Já somos mais que vencedores no descanso da fé! 

Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos.” Fl 4:4


Deus te abençoe e agracie sempre em nome de Jesus!

20171212

2018 O ano da bondade. Sl 65:11. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 10/12/2017

Coroas o ano da tua bondade; as tuas pegadas destilam fartura. Sl. 65:11
Nesse final de ano quero fazer uma declaração profética sobre o próximo ano. Não é uma declaração baseada em algo que nós mesmo faremos, mas é a visão de Deus para nós. Esse será o ano coroado com a bondade do Senhor e, nessa bondade caminharemos pelas veredas que destilam fartura e abundância.

Há três palavras chaves nesse texto: coroar, bondade e fartura. Vamos entender o sentido delas no original hebraico e entender como desfrutamos de um ano coroado da bondade de Deus.

A palavra “atar” (Coroar)
A palavra coroar no hebraico é “atar” que significa cercar, rodear. Então a coroa aqui não é necessariamente algo que se coloca na cabeça, mas algo que nos cerca ao derredor. Ser coroado de bondade significa ser cercado e envolvido com a bondade de Deus.

A palavra atar também pode significar proteção. Seremos rodeados pela bondade de Deus para proteção. Nesse ano você será marcado por Deus para proteção.
Pois tu, SENHOR, abençoas o justo e, como escudo, o cercas da tua benevolência. Sl. 5:12
Nesse versículo do livro de Salmos a palavra cercar é “atar” no hebraico. Veja que aqui ela é traduzida como cerca de proteção porque somos protegidos como que por um escudo. Benevolência poderia ser traduzido como favor. Ter o ano coroado de bondade significa desfrutar da proteção de Deus por causa do seu favor.

A palavra “tov” (Bondade)
A palavra bondade é a “tov” no hebraico. “Tov” significa bom ou bondade.

Esse ano será coroado por Deus e cada dia, cada semana e cada mês serão coroados de bondade. Davi disse que a bondade e a misericórdia nos seguiriam todos os dias da sua vida.

Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre. Sl. 23.6

Você precisa estar consciente dessa bondade. Estar consciente de algo é ter completa certeza. Se Você tem uma certa quantia de dinheiro na sua conta você sabe disso e está consciente disso, por isso conta como certo. Esteja consciente da bondade de Deus a cada dia e então veja o que ela fará por você.

Como podemos desfrutar dessa bondade?

No verso 4 lemos sobre como pode nos posicionar debaixo dessa bondade.

Bem-aventurado aquele a quem escolhes e aproximas de ti, para que assista nos teus átrios; ficaremos satisfeitos com a bondade de tua casa—o teu santo templo. Sl. 65:4

A bondade é encontrada na casa de Deus. O Senhor vai coroar o ano da sua bondade, mas essa bondade fluirá da vida da Igreja. Invista tempo para vir adorar, receber a palavra e contribuir para o crescimento da Casa de Deus.

A palavra “deshen” (Fartura)

O sentido primário da palavra “deshen” é abundância, gordura, fartura e fertilidade. A bondade de Deus será prosperidade e abundância na sua vida.

Cinzas

Mas a palavra “deshen” também tem um outro significado muito interessante, significa cinzas. Os dois sentidos parecem não ter nenhuma relação um com o outro, mas eu creio que há uma ligação espiritual.

Na oferta pelo pecado o animal era queimado fora do arraial até as cinzas.

Mas o couro do novilho, toda a sua carne, a cabeça, as pernas, as entranhas e o excremento, a saber, o novilho todo, levá-lo-á fora do arraial, a um lugar limpo, onde se lança a cinza, e o queimará sobre a lenha; será queimado onde se lança a cinza. Lv. 4:11-12
O que significam as cinzas? É o resultado de queimarmos uma substância até que ela não possa mais ser queimada. Significa que o julgamento veio sobre ele e esse julgamento foi exaurido, não havendo mais nada para ser julgado e condenado pelo fogo. A cinza fala de um uma obra completa, totalmente consumada.

O fogo morre quando a substância se transforma em cinzas. As cinzas representam o fim, a consumação. As cinzas são a lembrança do que o Senhor declarou na cruz: “Está consumado!” Ele recebeu todo o juízo. Não há mais nada para ser julgado.

Creio que a relação entre fartura e as cinzas da obra consumada são claras. II Coríntios 8:9 lemos que o Senhor se fez pobre na cruz para que pela sua pobreza nos tornássemos ricos.
Pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos. II Cor.8:9

A base da prosperidade é a grande troca do Calvário.

Quando entendo o sentido das cinzas eu desfruto do perfeito suprimento de Deus.

Por fim lemos que são as pegadas do Senhor que destilam fartura. Se ele deixou pegadas é porque ele está adiante de nós, ele vai à frente. O Senhor quer que sigamos as suas pegadas. E se as suas pegadas destilam prosperidade, então coloque os seus pés ali.
Há um texto na Palavra de Deus onde as palavras “tov” e “deshen” aparecem justas. Está em Isaías 55:2
Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o vosso suor, naquilo que não satisfaz? Ouvi-me atentamente, comei o que é bom e vos deleitareis com finos manjares. Is.55:2
Quando comemos o que é bom (tov) nós nos deleitaremos com finos manjares (deshen). Sempre que provamos da bondade o resultado é fartura e prosperidade.

Mas isso só acontece quando ouvimos atentamente. Invista tempo ouvindo a palavra pregada a cada semana. Não ouça apenas uma vez, continue ouvindo para que a fé flua no seu coração. A ordem do Senhor é apenas essa: “ouça atentamente!” Quando ouvimos provamos a bondade e o resultado é prosperidade e fartura.


O ano de 2018 será coroado o ano da tua bondade; e as pegadas do Senhor vão destilar fartura.

20171205

21 Marcas do Espírito Santo. Parte 1. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 03/12/2017

21 Marcas do Espírito Santo

“Sem o Espírito de Deus, não podemos fazer nada de proveitoso, a não ser acrescentar pecado sobre pecado”. John Wesley

“16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, 17 o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. 18 Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros. 19 Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis; porque eu vivo, vós também vivereis.” João 14:16-19

“25 Isto vos tenho dito, estando ainda convosco; 26 mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.” João 14:25-26

“26 Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim; 27 e vós também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio.” João 15:26-27

Relacionar com as pessoas que Deus tem colocado no nosso caminho tem sido um grande desafio, mas relacionar com Deus através do Espírito Santo é que nos tornará bem sucedidos em todos os outros relacionamentos. Certamente muito pode ser aprendido com a leitura deste livro, mas uma experiência relacional diária com o Espírito Santo será imprescindível para o êxito em todas as áreas das nossas vidas. Devemos considerar como primeira regra da vida cristã, o fato de que, quanto mais tempo passarmos com Deus, mais glorificaremos o Senhor Jesus, e mais preparados estaremos para conviver com o nosso próximo.

O Espírito Santo deve ser para o cristão, a primeira pessoa motivadora que o fortalecerá nas crises relacionais. Ele é quem nos levará pelos caminhos do amor e perdão incondicionais. Antes de mandar a igreja para o mundo, Cristo mandou seu Espírito para a igreja. Essa ordem deve ser seguida; antes de me relacionar com os homens, devo me relacionar com Deus através do Espírito Santo. O apóstolo Paulo disse que só podemos expressar o senhorio de Jesus Cristo pelo Espírito Santo. Sem Ele, não poderemos fazer nada. O homem desprovido da influência do Espírito está sentenciado à frustração. Será impossível ao crente, amar, perdoar, suportar, encorajar, acreditar em seu próximo se o Espírito não estiver atuante nele. Ele torna a fé dinâmica e nos dá compreensão exata da vontade de Deus. A luz só poderá brilhar e iluminar nossa compreensão acerca das coisas espirituais através do Espírito Santo. Como disse John Wesley, “Sem o Espírito de Deus não podemos fazer nada, a não ser acrescentar pecado sobre pecado”.

A aceitação de Jesus Cristo como Salvador e Senhor se dá apenas pela ação do Espírito Santo (Jo 16:18). Na hora da tristeza e da angústia o conforto que invade o nosso coração é uma ação direta do Espírito Santo (Rm 5:5). A vida que flui nas palavras que pronunciamos aos aflitos, nos vem soprada pelo Espírito Santo, segundo a promessa de Jesus (Lc 12:12). O arrependimento que envolve nossos corações e nos leva a confessar pecados, é ação do Espírito Santo. Ele é quem nos convence do pecado, da justiça e juízo (Jo16:8). Ele intercede por nós com gemidos inexprimíveis (Rm 8:26). O Espírito Santo é o marco zero do agir de Deus. Ele deve ser tudo para nós. Precisamos do Espírito Santo, tanto quanto nossos pulmões precisam de ar. Aleluia!

As evidências decorrentes dos ensinos bíblicos mostram que o Espírito Santo não é uma força impessoal. Ele é Deus, a terceira e não menos importante pessoa da trindade. Não há vida cristã autêntica e abundante sem o auxílio do Espírito Santo. O salmista diz que podemos ser como árvores frutíferas (Sl 1), e Jesus disse que somos ramos da Videira que é o próprio Senhor, disse também, que devemos frutificar. Mas o que é o fruto? Podemos dizer que o fruto é algo que vem de dentro. É produto da vida que vem do solo, da seiva, que passando pela raiz, tronco, galhos e folhas manifesta o seu fruto. Essa vida de Deus que nos fará frutificar em amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, fidelidade, mansidão e domínio próprio, está no Espírito que habita em nós. É o relacionamento diário com este ente querido que nos fará canalizar e expressar a vida de Deus em nossos relacionamentos.

Quero concluir essa introdução citando a “benção apostólica” tão anunciada em nossas congregações: “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.” 2 Coríntios 13:13

A graça, o amor e a comunhão, são promessas para todos os cristãos. É fato que já experimentamos o amor de Deus quando fomos atraídos e perdoados por Ele. A sua graça nos alcançou, e diariamente somos garantidos para a eternidade por seu sacrifício. Minha pergunta é: Temos também experimentado a comunhão do Espírito Santo?

Não podemos rejeitar absolutamente nada que venha do alto. Cada uma das três pessoas da trindade tem seu meio de agir. Deus Pai nos amou, Deus Filho nos deu sua graça e o Deus Espírito nos oferece comunhão.

Os cientistas descobriram recentemente que uma semente, por menor que seja, ao germinar produz calor. Esse calor interno de uma pequena semente não é perceptível ao toque humano, mas é real. Essa fonte de calor é a combustão de certas matérias carboníferas da semente. Parafraseando, há uma “fogueirinha” em cada planta ou flor que nasce. O homem precisa dessa combustão interior que só o Espírito Santo de Deus pode produzir. Isso fará germinar a semente da palavra produzindo calor para transformar nossos relacionamentos. Tenha um tempo diário com o Espírito Santo, aprenda d’Ele e seja feliz.

O Espírito Santo nos capacita a chamar Jesus de Senhor. 1Co 12:3
O Espírito Santo nos capacita a experimentar o poder sobrenatural dos dons. 1Co 12:4-11
O Espírito Santo nos convence do pecado, da justiça e do juízo. Jo 16:8
O Espírito Santo e a noiva dizem vem. Ap 22:17 

1ª Marca do Espírito Santo: Saudação

“39 Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá,
40 entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. 41 Ouvindo esta a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre; então, Isabel ficou possuída do Espírito Santo. 42 E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre! 43 E de onde me provém que me venha visitar a mãe do meu Senhor? 44 Pois, logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro de mim. 45 Bem-aventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor.” Lc 1:39-45

Pelo contexto do capítulo, sabemos que o anjo acabara de aparecer a Maria, informando-lhe sobre a graça que viria sobre ela de gerar e conceber Jesus, O Salvador da humanidade. Na verdade, Maria foi cheia do Espírito Santo naquele momento, ao receber a semente dele. A natureza do Espírito Santo estava dentro dela.

Maria, talvez eufórica por encontrar Isabel e lhe contar a grande notícia do nascimento de Jesus, ao chegar a casa da prima, saudou-lhe. E sua saudação foi poderosa, pois ao ouvi-la, “a criança lhe estremeceu no ventre , então Isabel ficou possuída do Espírito Santo”. E em uma reação igualmente eufórica, Isabel exclamou em alta voz: “Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do vosso ventre”!

Veja que o que fez Isabel ser cheia do Espírito Santo foi a saudação de Maria.

Nós temos algo que o mundo não tem. Temos o Espírito Santo habitando em nós, e precisamos liberá-lo para que outras pessoas tenham a mesma experiência de Isabel. Nós somos recipientes cheios da graça e poder de Deus, e as pessoas com quem relacionamos precisam receber esse amor e graça.

Que tal agora saudar alguém com poder e graça?

2ª Marca do Espírito Santo: Enchei-vos

“18 E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, 19 falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais...” Ef 5:18-19

O Espírito Santo é o próprio Deus. Ser cheio do Espírito Santo é ser cheio do próprio Deus.

No texto citado, o apóstolo Paulo faz um contraste entre uma pessoa que é cheia de vinho com uma pessoa que é cheia do Espírito Santo. Há uma semelhança nessas duas situações. Alguém cheio de bebida é controlado pelo álcool. As emoções, a fala, as ações e reações e escolhas da pessoa passam a ser controladas pelo vinho. Há pessoas que até se esquecem do que fazem enquanto se embriagam. Assim deve ser em relação ao Espírito Santo. Paulo quis dizer exatamente isso. Você é controlado pelo que você está cheio. Se você está cheio de rancor, isso é o que te controla. Se você está cheio de sensualidade, isso é o que te controla. Se você está cheio de avareza, isso é o que te controla. Se você está cheio de adultério, isso é o que te controla. Se você está cheio de rivalidade, isso é o que te controla. Se você está cheio de ofensa, isso é o que te controla. Se você está cheio de medo, isso é o que te controla. Agora, Se você está cheio do Espírito Santo, Ele é quem te controla.

 Segredo para ser feliz com Deus andando nos caminhos dele, é sermos cheios do Espírito Santo constantemente. No texto, o verbo “enchei” nos dá um sentido de abundância e de constância, como um copo totalmente cheio, preenchido até o topo. Portanto não devemos ser cheios uma vez apenas, ou de vez em quando em uma conferência ou em algum evento especial. Devemos ser cheios sempre!

Você está cheio do Espírito Santo?

Que tal ser cheio do Espírito Santo até o fim deste culto?

3ª Marca do Espírito Santo: Koinonia

“A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.” 2 Co 13:13

Mais uma vez temos aqui um versículo que nos revela a trindade divina. O Apóstolo Paulo encerra a segunda carta aos coríntios  falando do amor do Pai, a graça de Jesus, e a comunhão do Espírito Santo, e ressalta o que se destaca em cada pessoa da divindade.

Deus Pai está relacionado com amor, Deus Filho está relacionado com a graça, e Deus Espírito Santo está relacionado a comunhão. A palavra comunhão no original é Koinonia, que pode ser definida como companheirismo, parceria, amizade e intimidade.

O Espírito Santo é o nosso companheiro de todas as horas.

Devemos e precisamos buscar relação íntima com o Espírito Santo durante todo o tempo.

Já falou com o Espírito Santo hoje? Vamos fazer isso agora?

4ª Marca do Espírito Santo: Liberdade

“O Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade.” 2Co 3:17

O Espírito Santo é o próprio Deus de liberdade. Não há lugar algum em que possamos escapar de Sua presença. Deus te faz livre em qualquer lugar onde você esteja. Mas precisamos perguntar honestamente: Se o Espírito Santo é onipresente e está em todos os lugares, há liberdade em todos os lugares? Há liberdade nos bares, nas prisões, nos lares e hospitais? Infelizmente não! É triste, mas nem mesmo em algumas igrejas há liberdade do Espírito.

O fato é que o versículo diz que “O Senhor é o Espírito”. Assim, talvez uma tradução mais correta seria: “Onde quer que o Espírito seja Senhor, aí haverá liberdade”.

A palavra traduzida por Senhor é Kyrios, cuja definição é “suprema autoridade”. Então, o problema é que não é permitido ao Espírito Santo ser autoridade na maioria dos bares, prisões, lares, hospitais e até em muitas igrejas. Todavia, onde lhe for permitido governar e tomar decisões, então haverá liberdade.

Deixe o Espírito Santo governar sua vida e permita que ele seja Senhor em sua casa, no seu casamento e nos seus negócios. Isso trará liberdade plena e duradoura.
Aleluia!!!

5ª Marca do Espírito Santo: A Pessoa

“16 Depois de batizado, Jesus saiu logo da água. E viu o céu se abrir e o Espírito de Deus* descer como uma pomba, vindo sobre ele. 17 E uma voz do céu disse: Este é o meu Filho amado, de quem me agrado.” Mt 3:16-17

Neste texto, vemos Jesus ser batizado por João Batista, o Espírito Santo descendo sobre Ele e o Pai falando: “Este é o meu filho amado em quem eu me comprazo”.

O Espírito Santo é uma pessoa, Ele é a terceira e não menos importante pessoa da trindade. Ele tem sentimentos, vontades e disposição para relacionar com os filhos de Deus. Ele não é apenas uma força, energia ou poder sobrenatural apenas. Ele é Deus em pessoa!

Quer experimentar mais de Jesus em sua vida? Busque o Espírito Santo e seja muito abençoado!

6ª Marca do Espírito Santo: O Gerar

“18 O nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava comprometida a casar-se com José. Mas, antes de se unirem, ela achou-se grávida pelo Espírito Santo. 19 José, seu marido, era um homem justo e não queria expô-la à desgraça pública. Por isso, decidiu separar-se* dela secretamente.” Mt 1:18-19

A história de Jesus é conhecida de quase todos os homens e é um verdadeiro milagre.

Maria era uma moça virgem, mas já estava comprometida com José. Eles estavam noivos, aguardando apenas o casamento, que se oficializaria no ato sexual. Porém algo sobrenatural aconteceu: Maria ficou grávida! A semente que gerou Jesus em Maria veio do próprio Espírito Santo, e por isso Jesus é Deus.

O DNA de Jesus é o DNA do Espírito Santo de Deus.

Dá pra imaginar a luta que Maria teve pra contar pra família que estava grávida sem ter se relacionado com seu parceiro?

2 pontos são importantes ára se destacar nessa história:

1.      O Espírito Santo é quem gera Cristo nas pessoas. Nosso papel é pregar a palavra, mas é o Espírito quem se encarrega de introduzir Jesus pra dentro do coração das pessoas. É ele qiuem gera revelação para que as pessoas se arrependam e convertam seus corações ao Senhor.
2.      É Ele também quem gera sonhos, projetos, expectativas e desejos dentro de nós. Quando buscamos o Senhor em oração, quando meditamos nas escrituras, estamos na verdade permitindo que o Espírito Santo gere em nós os seus desígnios.

Vamos permitir que hoje o espírito Santo gere Jesus e Sua vontade em nós!!!

7ª Marca do Espírito Santo: Deserto

“Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi guiado pelo mesmo Espírito, no deserto...” Lc 4:1
 
Após ter sido batizado nas águas e ter recebido o Espírito Santo, Jesus foi levado ao deserto pelo próprio Espírito para ser tentado e testado.

Na perspectiva de Deus a sequência é sempre esta: Unção e teste!

O deserto nos fala de um lugar árido seco e quente. É um lugar de provação e teste, e ele é inevitável em nossa vida e em nossa caminhada cristã. O deserto pode ser uma crise no casamento, uma crise financeira, uma situação constrangedora na família ou até mesmo a perda de alguém, que amamos.

É no deserto que precisamos dar respostas certas para Deus. É lá que enxergamos quem realmente somos, é lá que nossas motivações são testadas, nossa fé é checada e nosso amor é provado. Todos nós passamos por desertos e provações na vida e não tem como fugir disso.

Lembre-se: O Espírito é quem te leva e permite passar pelo deserto. Portanto, na vida cristã, se alguém passar pelo deserto sem estar cheio do Espírito Santo, não suportará a provação.

Jesus foi levado pelo Espírito Santo e foi venceu, porque estava cheio do Espírito.


Você está passando por alguma tribulação? Ore agora mesmo ao Espírito Santo que o ajude a passar por essa difícil fase como um vencedor.

Série de Mensagens O Valor da Igreja - A igreja precisa do seu investimento. 2Co 9:6-15. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 11/11/18

Eu quero falar sobre dinheiro hoje e fico bastante a vontade para tratar sobre isso. Em primeiro lugar eu fico a vontade pra tratar so...