20180625

Série de mensagens Uns aos Outros - Parte 10 - Derrotando o espírito de Caim - Parte 1. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/06/18


4 Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o Senhor de Abel e de sua oferta; 5 ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante. 6 Então, lhe disse o Senhor: Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante? 7 Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.

O primeiro homicídio

8 Disse Caim a Abel, seu irmão: Vamos ao campo. Estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou. 9 Disse o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão? Ele respondeu: Não sei; acaso, sou eu tutor de meu irmão? 10 E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue de teu irmão clama da terra a mim. 11 És agora, pois, maldito por sobre a terra, cuja boca se abriu para receber de tuas mãos o sangue de teu irmão. 12 Quando lavrares o solo, não te dará ele a sua força; serás fugitivo e errante pela terra. 13 Então, disse Caim ao Senhor: É tamanho o meu castigo, que já não posso suportá-lo. 14 Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua presença hei de esconder-me; serei fugitivo e errante pela terra; quem comigo se encontrar me matará. 15 O Senhor, porém, lhe disse: Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes. E pôs oSenhor um sinal em Caim para que o não ferisse de morte quem quer que o encontrasse. 16 Retirou-se Caim da presença doSenhor e habitou na terra de Node, ao oriente do Éden.

Descendentes de Caim

17 E coabitou Caim com sua mulher; ela concebeu e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade e lhe chamou Enoque, o nome de seu filho.

"Não sejamos como Caim, que pertencia ao Maligno e matou seu irmão. E por que o matou? Porque suas obras eram más e as de seu irmão eram justas."1 Jo 3:12

Introdução

Caim foi o primeiro homem de que se tem relato na Bíblia que praticou assassinato. Caim na verdade é a representação do espírito divisivo, invejoso e assassino dentro da igreja. Jesus nos ensina o caminho do amor ao próximo, o caminho do Reino, o caminho mais elevado. Ele diz: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei". Caim nos dá a direção oposta, a direção  do inferno, da traição, separação e morte. Caim diz: Sou eu porventura tutor, cuidador do meu irmão?

Por causa dessa expressão: acaso, sou eu tutor de meu irmão”, muitos estão prestando um desserviço para o Reino de Deus. Agindo de maneira egoísta, nós colocamos ã margem do mover de Deus e nos desligamos do plano e propósito de Deus.

Podemos dizer que hoje, a síndrome de Caim está mais presente no nosso meio do que em qualquer outro tempo. Jesus disse que nestes dias o amor de muitos se esfriaria e assim, a hostilidade, a competição, a rivalidade, a falta de perdão aumentaria.

O que é uma síndrome?

Síndrome não é doença, é uma condição médica. É o grupo ou agregado de sinais e sintomas associados a uma mesma patologia e que em seu conjunto definem o diagnóstico e o quadro clínico de uma condição médica.

Baseado no comportamento de Caim, eu gostaria de compartilhar 7 sintomas que podem denunciar a Síndrome de Caim, a indisposição para praticar o estilo de vida Uns aos Outros.

A má atitude do coração de Caim afetou seu presente e compro­meteu seu futuro. Veja alguns dos sintomas que dominaram seu coração, a ponto de endurecê-lo impedindo-o de amar seu irmão.

1.       Incapacidade de assumir responsabilidades. Gn 4:5

ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante.” Gn 4:5

Boa parte dos comentaristas bíblicos afirma que, além da ati­tude ruim de Caim, "sua oferta também não era adequada, pois [ela] foi isenta de sangue. Voluntariosamente, Caim apresenta o produto de suas próprias mãos, desconsiderando o princípio da expiação vicária, que, mais tarde, teria cumprimento total na cru­cificação". Veja como o coração de Caim se revela ao apresentar a oferta. Ele não assume responsabilidades. Em vez de reconhecer seu erro ao ofertar de qualquer maneira, Caim irrita-se e rebela-se. Em vez de agir (atitude), ele reage!

Diz numa outra versão:

"Mas não aceitou Caim e sua oferta. Por isso Caim se enfureceu e o seu rosto se transtornou. O Senhor disse a Caim: 'Por que você está furioso? Por que se transtornou o seu rosto? Se você fizer o bem, não será aceito?'" Gn 4:5-6b

"O coração do problema é o problema do coração decaído, adoecido e impotente para modificar-se a si próprio”.

O que Caim precisava fazer era primeiro admitir que agira de forma incorreta e depois voltar a apresentar sua oferta com a motivação adequada e do jeito certo. Mas sua atitude de não admitir erros e de não assu­mir responsabilidades por seus atos o destrói.

Assuma a responsabilidade pelos seus erros com a mesma coragem que você teve para cometê-los.

O que fazemos quando somos confrontados?

Muitos de nós sempre reagimos quando somos confrontados, temos sempre uma argumentação em “legítima defesa”, ou justificativa. Vivemos sempre na defesa, na retranca, sempre prontos para o contra ataque. A síndrome de Caim ainda se faz presente em nossos dias, quando nos imaginamos perfeitos e irrepreensíveis.

Não assumimos responsabili­dades e erros. Somos daqueles que sempre arrumam uma maneira de responsabilizar mais alguém pelos infortúnios e fracassos pes­soais. Queremos sempre culpar alguém pelos nossos fracassos.

Nem mesmo os antepassados são poupados. Dominados pela síndrome de Caim, culpamos nossos pais, avós, Deus etc. É mais fácil arrumar uma desculpa hereditária para transferir nossa culpa do que assumir as devidas responsabilidades por nossos atos, por nos­sos erros, a fim de mudar o foco da nossa existência. A autocomiseração e o melindre nestes casos são parceiros do orgulho e da arrogância.

A síndrome de Caim, essa soma de sentimentos luciferianos nos transforma em pessoas muito mais inclinadas a reagir do que em pessoas dispostas a agir.

Em vez de agir na direção indicada por Deus, optamos por emburrar a nós mesmos ao receber o seu não. Ignoramos a proteção do seu não pela incapacidade de assumirmos nossas responsabilidades. Quando alguém nos chama a atenção por algo que fazemos, neste contexto significa que este alguém está preocupado conosco.

Reconhecer que é pecador e falho é o primeiro passo para a restauração.

2.       Viver a vida como se fosse uma competição. Gn 4:5b

Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante.” Gn 4:5b

Ao perceber que a oferta de Abel fora aceita, em vez de ficar feliz com seu irmão, Caim se amargura, fica desgostoso.

Atente para a orientação do Apóstolo Paulo aos Romanos. “Alegrai-vos com os que se alegram...”. Rm 12:15

Muitas vezes nos sentimos desfavorecidos quando vemos Deus operando millagres na vida do nosso próximo. Pensamos: Porque está acontecendo na vida dele e não na minha? A vida se torna uma competição. Por isso Caim se enfureceu e o seu rosto se transtornou”

Caim vê a vida como uma competição

No mínimo, ele precisa empatar com os que vivem a seu lado. Sua oferta precisa ser, pelo menos, aceita como foi a de Abel. Caim anseia pela igualdade. Considera que é merecedor do mesmo tratamento que Deus dá a seu irmão. O ciúme e a inveja aparecem no coração de Caim. Ele se esque­ce de que é um ser único para Deus e que, por isso, precisa ser tratado de forma diferenciada. Para Deus, a oferta de Caim não era uma questão de vitória ou derrota, ganhar ou perder, e sim de adoração, de culto. Não era uma competição, era um sacrifício de louvor. Mas sua atitude interior fez disso uma batalha. Olhe a síndrome aí!

O mesmo ocorre quando filhos pensam: “Porque será que meus pais são mais carinhosos com meu irmão?” ou “Porque sou tão menosprezado pelas pessoas?”.

Quantas famílias e pessoas são destruídas por essa atitude er­rada. Patrões, empregados, cônjuges, pais, filhos, amigos que se arrebentam por enxergar a vida dessa forma, uma verdadeira e contínua competição! Um lugar onde se deve sempre ter um vence­dor e um derrotado. Não consideram a possibilidade de apenas aproveitar oportunidades para alegrarem-se pelo sucesso dos que convivem a seu lado, apenas adorando a Deus de todo o coração. São dominados pela síndrome de Caim! “Se você fizer o bem, não será aceito?” Gn 4:6b


Continua...

20180622

Série de mensagens Uns aos Outros - Parte 9 - Orem uns pelos outros, em todo o tempo, até que algo aconteça. Tiago 5:16. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 17/06/18


Tiago escreveu sua epístola enquanto pastoreava a igreja de Jesus em Jerusalém. Dentre os assuntos abordados por Tiago estão os seguintes:

·         Fé durante as provações – Tg 1:2-4
·         Importância de praticar a palavra – Tg 1:19-27
·         Acepção de pessoas dentro da igreja – Tg 2:1-13
·         Fé sem obras – Tg 2:14-26
·         Domínio da língua – Tg 3
·         O poder da oração – Tg 4 e 5

Porém, o fim da epístola de Tiago é com ênfase na oração porque todas as nossas necessidades podem ser supridas pelo poder da oração.

"13 Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. Está alguém alegre? Cante louvores. 14 Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. 15 E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. 16 Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo. 17 Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos, e orou, com instância, para que não chovesse sobre a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu. 18 E orou, de novo, e o céu deu chuva, e a terra fez germinar seus frutos." Tg 5:13-18

Por que será que é tão difícil separar um tempo de qualidade para orarmos?

·         Você talvez tenha dito que por falta de tempo?
·         Por não saber como orar?
·         Ou porque o próprio diabo está te resistindo.

Deixe-me dizer: Você encontra tanta dificuldade para orar por que a oração é uma ação espiritual e poderosa segundo o que disse Tiago. Assim, há uma forte resistência, e não é da parte do diabo, mas de você mesmo. Por isso Jesus disse que aquele que quiser vir após Ele, deve renunciar-se a sim mesmo. Então, pare de colocar a culpa em terceiros por você não orar como deve. Você precisa vencer a sua carne e orar.

Paulo disse que a carne milita contra o espírito. A sua e a minha carne está lutando para não orarmos. Todavia, nós vamos orar, e orar até que algo aconteça. Eu sei que tem muita gente, com muitas estratégias por ai, porém, a oração sempre precedeu os milagres e os grandes moveres de Deus. 

“16 Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. 17 Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.” Gl 5:16-117

Orando e esperando a resposta

"Quando atiramos uma flecha, ficamos olhando onde ela cairá; quando enviamos um navio ao mar, esperamos seu retorno; e quando lançamos uma semente, esperamos a colheita; assim também, quando semeamos nossas orações no coração de Deus, não devemos esperar uma resposta?". Richard Sibbes

A oração do justo é poderosa e eficaz

“Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo”. Tg 5:16

Oração deve ser a nossa principal marca.

“Todos estes, perseveravam unânimes em oração, juntamente com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele.” At 1:4
Se você já leu o livro de Atos, deve ter percebido que uma grande marca da Igreja Primitiva era a oração. Esta era sua marca, ou sua chave para tudo que aconteceu. Eles entenderam a importância da oração. Creio que o que mais nos diferencia dessa Igreja é nossa vida de oração. Acredito que muita coisa não acontece simplesmente porque não oramos, ou como diz Tiago, pedimos mas pedimos mal, para nossos próprios deleites”.

Deus está esperando um comando do seu povo!

Quando Deus deseja fazer uma grande obra, Ele primeiro coloca seu povo a orar. C. H. Spurgeon.

“Assim diz o Senhor Deus: Ainda nisto permitirei que seja eu solicitado pela casa de Israel, que lhe multiplique eu os homens como rebanho.” Ez 36:37

Deus queria fazer, mas esperava ser solicitado, esperava um comando. Deus, em Atos 12:5 , queria livrar Pedro do cárcere, mas para isso levou seu povo a orar. Em Êxodo vemos Moisés orando pelo povo Hebreu. Abraão orou por Ló e por Sodoma e Gomorra. Jó orou pelos seus amigos. Elias foi alguém que moveu os céus por conta de sua oração. Jesus orou, e orou muito. Os discípulos oraram, a igreja orou e nós precisamos orar.

Quando orarmos, coisas grandes acontecem.

Deus é assim. Existem coisas que só acontecem se o povo de Deus orar. É óbvio que Deus faz coisas mesmo sem oração, mas acredito que deixamos de receber muitas coisas por falta de oração, falta de buscar em Deus aquilo que Ele quer nos dar.

Muita oração muito poder, pouca oração pouco poder, nenhuma oração nenhum poder. Acredito nisso e não acho que seja um chavão ou uma frase de efeito. Ao contrário, acho essa frase uma verdade que a igreja de Atos vivia. Ela viveu coisas poderosas porque os cristãos oravam, e oravam muito. Por isso, se não crescermos em oração, individual e conjunta, não acredito que nos tornaremos como essa igreja. Assim, um encargo de cada cristão, pastor ou líder é levar os irmãos a um nível mais profundo de oração.

A oração é de fato o nosso primeiro e último recurso e a igreja de Atos sabia disso. Você pode ver que eles não tinham armas, mas lutavam com suas orações; eles não tinham poderes humanos, eles não tinham influência na política, mas eles tinham um Deus vivo e estavam continuamente orando a Ele. Por isso, Deus quer nos lembrar da urgência de aprendermos a orar e a urgência em nos disciplinarmos a orar. A oração é uma questão de disciplina, ninguém acorda com muita vontade de orar, mas sim pessoas se disciplinam a ter um horário para gastar em oração buscando ao Senhor. Nós devemos aprender a orar como convém (v. Romanos 8:26). E quando não sabemos, o Espírito intercede por nós até com gemidos inexprimíveis.

E Deus quer nos ensinar a orar, por isso Ele nos pressiona. A pressão tem um grande poder - até para sair os melhores vinhos, as uvas têm de ser bem espremidas, assim com o óleo e o azeite. A mesma coisa acontece conosco: Deus nos pressiona para corrermos para Ele, porque Ele deseja extrair o melhor de nós. Porque passamos por dificuldades? Para realmente irmos a Ele através da oração. Dessa maneira, quando nos disciplinarmos teremos menos problemas.

Contudo, existem princípios para aprendermos a orar e termos as orações respondidas. Vamos ver isso agora, porque creio que a igreja de Atos sabia orar e também sabia sua posição em Deus e, por isso, orava.

A chave para a oração.

O que busca encontra” (Mt 7:8).

Nós devemos tocar a Deus com nossa oração e não simplesmente pedir, pedir e pedir. Nós devemos aprender a tocar ao Senhor com nossa oração. Veremos exemplos bíblicos de pessoas que tocaram a Deus através da oração, pois essa é a chave para nos aproximarmos de Deus.
Nós temos, também, que saber a maneira certa de se achegar a Deus em oração. Quantas vezes pedimos e não recebemos porque pedimos mal, é o que diz a palavra de Deus. Pedimos apenas o que nos interessa, somos egoístas.
Paulo fala a importância da oração

“10 Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. 11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; 12 porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.
13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. 14 Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. 15 Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; 16 embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. 17 Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; 18 com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos 19 e também por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mistério do evangelho, 20 pelo qual sou embaixador em cadeias, para que, em Cristo, eu seja ousado para falar, como me cumpre fazê-lo.” Ef 6:10-20

Se preparar para as lutas sendo cheios de poder e revestidos do Senhor é necessário para vencê-las, é a mensagem de Paulo aos Efésios.

Tomemos uma posição nos revestindo de toda armadura de Deus com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos.” Ef 6:18

20180613

Série de mensagens Uns aos Outros - Parte 8 - Ofensa retida, a pior de todas as armadilhas. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 10/06/18

Qualquer caçador que tenha preparado uma armadilha para capturar animais, sabe que uma armadilha precisa de duas coisas para ter êxito. Ela precisa estar escondida para que o animal tropece nela e seja apanhado. E também precisa precisa ter uma isca para atrair o animal para as suas garras mortais.

Satanás é o inimigo das nossas almas, é um caçador implacável dos homens. Ele sempre prepara sua armadilha para destruir os homens. Sua armadilha está escondida e sua isca preparada. Podemos dizer com certeza que existem muitas iscas para fazer o homem cair em pecado, porém uma das iscas mais destrutivas e malditas é a ofensa. A ofensa em sí não é mortal, no entanto,  quando ela entra e se aloja no coração do homem, um escândalo é provocado. OS frutos da ofensa são: Mágoa, tristeza, ira, ultraje, ciúme, inveja, ressentimento, discórdia, amargura e ódio.

Muitos cristãos estão presos pela ofensa retida e impedidos de experimentarem algo além da parte de Deus. Essas mesmas pessoas estão incapacitadas e impedidas de cumprirem o seu potencial.

Pessoas ofendidas ofendem outras pessoas.

Pessoas curadas curam pessoas, pessoas amadas amam pessoas, pessoas transformadas transformam pessoas, pessoas santificadas santificam pessoas, pessoas alegres alegram pessoas. Na contra-mão disso, podemos dizer que pessoas tristes entristecem pessoas, pessoas feridas ferem pessoas, pessoas amarguradas amarguram pessoas, pessoas ofendidas ofendem pessoas. Que eu sou interfere diretamente naqueles que estão ao meu redor.      

Deus é amor, e o amor não se ofende!

A ofensa é algo com o qual nós vamos ter que lidar durante toda a nossa vida até Jesus voltar. O próprio Jesus diz que: (RA)

“1 Disse Jesus a seus discípulos: É inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vêm! 2 Melhor fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e fosse atirado no mar, do que fazer tropeçar a um destes pequeninos. 3 Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. 4 Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe.” Lc17:1-4

Neste texto, o escândalo é provocado por uma ofensa. A expressão escândalos nas versões de língua inglesa aparece como offenses, palavra que pode ser traduzida como escândalo ou ofensa. Lucas 17 se refere a ofensas que alguém pode cometer contra nós, bem como ofensas em geral, as quais geram escândalos. Observe que nos versículos seguintes Jesus fala sobre a importância de perdoar nosso irmão, tenha ele pecado contra nós ou contra qualquer pessoa, gerando escândalos.

A ofensa é a mais poderosa isca de satanás para os cristãos

Mas se a pegarmos e ficamos ofendidos, então ela alimentará seu coração e você ficará escandalizado e ofendido. As pessoas que se sentem ofendidas sequer percebem que caíram em uma armadilha. Elas estão tão concentradas no mal que alguém lhe fez e nem percebem que isso mudou o seu coração.

Quanto a ofensa, Jesus ensina que tanto a pessoa que se deixa ofender como aquele que ofende, estão ambos agindo de maneira errada. O que se deixa ofender ficou amarrado pelo diabo, e aquele que ofende fez o papel do verdugo ou carrasco do diabo.

As ofensas constituem umas das poucas certezas na vida.

Alguém disse que a morte e os impostos são duas certezas na vida. Eu quero aumentar essa lista e dizer que, a morte, os impostos e as ofensas são certezas nesta vida. As ofensas fazem parte da vida de todo homem, e a questão não é se eu fui ofendido ou se não fui ofendido, se uns foram mais ou menos ofendidos que outros, a questão não está ai, a questão é: O que é que eu vou fazer numa situação dessas?

Lembrando o que disse Paul Jean Satre: “Mais importante do que o que acontece com você, é o que acontece em você”. O importante no dia da ofensa é como você reagirá.

É certo que todas as pessoas sem exceção sofrem algum tipo de ataque. Ninguém está isento de enfrentar mal entendidos. Encontrar pessoas com as emoções feridas é mais comum do que se pensa. Você mesmo, que agora me ouve, pode estar passando por uma crise emocional, ferido interiormente por alguma ofensa sofrida. Isso acontece com todas as pessoas, todavia a questão é: O que é que você vai fazer agora? Sua atitude fará a diferença entre a vitória e o fracasso, entre ficar amargurado ou ficar livre das ataduras de satanás, porque a ofensa é uma armadilha de satanás para nos amarrar.

Quando a ofensa alcança o nosso coração, as nossas emoções são feridas, e a ofensa é retida.

A locomotiva da desgraça e maldição

A ofensa retida é uma locomotiva que puxa os vagões da desgraça e da maldição. Quando ela se manifesta no coração do homem, traz consigo a sua trupe. Rancor, mágoa, tristeza, amargura, ressentimento e murmuração, estão sempre presentes no coração da pessoa que reteve a ofensa. Mas o pior destes sinais do inferno é a murmuração. Porque a pessoa ofendida não fica calada; a pessoa que retém a ofensa, perde o controle da sua língua e facilmente se tornará um instrumento útil para os desígnios das trevas.

Pessoas ofendidas não perdoaram e estão impedidas de experimentarem perdão.

A pessoa ofendida vencida pela amargurada, fica privada da graça de Deus; a pessoa ofendida fica impedida de receber de Deus e é neste lugar de derrota que o diabo a quer colocar. A pessoa ofendida geralmente é uma pessoa que ainda não perdoou. E se ainda não perdoou não está na condição de receber perdão, não está em posição de receber de Deus.

“Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; 15 se, porém, não perdoardes aos homens [as suas ofensas], tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas.” Mt 6:14-15

Somos seres espirituais (Jo 3), e racionais (Rm 12), mas principalmente emocionais. Temos grande facilidade de reagir na região da alma e geralmente nos sentimos ofendidos e ficamos feridos quando somos tocados no nosso ego. Guarde essa verdade: Nos sentimos ofendidos quando somos confrontados no nosso ego. Existem muitas situações que nos ofendem ou nos fazem sentir ofendidos. Uma delas é quando somos exortados. Um exemplo disso é o que nos escreve o escritor aos Hebreus.

“Na verdade, nenhuma correção parece no momento ser motivo de gozo, porém de tristeza...” Hb 12:11ª

Outra situação é quando somos caluniados, difamados, perseguidos. Quanto a essas situações, Jesus disse que elas devem nos alegrar, pois nos servem para o nosso crescimento.

A falta de reconhecimento, também nos soa como ofensa. Às vezes pensamos: “Porque minha esposa não me comunicou sobre tal decisão?”, ou, “Como ele pode decidir sem falar nada comigo?”, “depois de tudo o que eu fiz...”. Independente das razões que você tenha, não é bom guardar a ofensa em seu coração. Ficar ofendido é pecado!

Cultura americana

Na cultura americana, é ensinado que é sempre melhor abrir mão da ofensa do que retê-la. Nos Estados Unidos é uma virtude muito grande perdoar e não ficar ofendido. No meio dos americanos ficar ofendido é uma atitude reprovada, e os que assim se comportam são vistos como pessoas imaturas. Aqui no Brasil parece que é ao contrário, as pessoas enxergam como uma virtude a ação de ficar ofendido. Os adeptos do “ofendismo” dizem: “Eu não posso aceitar isso!”, “Isso não vai ficar assim!”, “Não levo desaforo para casa!”.

Precisamos aprender que a cultura certa é a cultura Bíblica, e ela diz que DEVEMOS PERDOAR TODA OFENSA COMETIDA CONTRA NÓS!

Outras razões porque as pessoas se ofendem?

·   Por não serem ouvidas;
·   Por não serem reconhecidas;
·   Por não serem participadas;
·   Por se sentirem injustiçadas;
·   Por se sentirem humilhadas;
·   Por serem traídas;
·   Por não serem valorizadas;
·   Por não serem consultadas;

A ingratidão alimenta a ofensa

Diante de todas as razões para se ofenderem a principal causa da ofensa geralmente é a ingratidão. Deixe-me explicar melhor sobre isso. Se você for ofendido por um estranho, isso vai te deixar triste? Dificilmente. Quando alguém com quem você não tem relação, alguém desconhecido te calunia, você fica chateado? Claro que não. Agora veja que as pessoas que nos conseguem chatear e ofender são os mais íntimos, geralmente são as pessoas com quem convivemos em família ou caminhamos no ministério ou trabalho. Agora veja bem; quantas alegrias essa pessoa já te proporcionou? Quantos momentos felizes você já viveu com essa pessoa? É importante você considerar as boas experiências que teve com o seu ofensor, pois os praticantes do “ofendismo” são ingratos e apagam tudo de bom que já aconteceu.
 Apague as ofensas escrevendo-as na areia

Precisamos aprender com Jesus a lidar com a ofensa. A história a seguir pode ilustrar bem o que eu quero dizer.

Dois amigos viajavam pelo deserto e, em um determinado ponto da viagem, discutiram e um deu uma bofetada no outro. O outro, ofendido, sem nada poder fazer, escreveu na areia: "Hoje, meu melhor amigo me deu uma bofetada no rosto." Seguiram adiante, e chegaram a um oásis onde resolveram banhar-se. O que havia sido esbofeteado e ofendido começou a afogar-se, sendo salvo pelo amigo. Ao recuperar-se, pegou um canivete e escreveu em uma pedra: "Hoje, meu melhor amigo salvou minha vida." Intrigado, o amigo perguntou: Por que, depois que te ofendi, escreveu na areia, e agora, que te salvei, escreve na pedra? Sorrindo, o amigo respondeu: Quando um grande amigo nos ofende, devemos escrever onde o vento do esquecimento e o perdão se encarreguem de apagar. Quando nos acontece algo grandioso, devemos gravar isso na pedra da memória do coração onde vento nenhum, em todo o mundo, poderá sequer borrá-lo. Onde você tem gravado as suas frases?

As agressões ou ofensas dos outros não devem ficar retidas em nosso coração. Toda ofensa retida faz se esvair o vigor e prazer na vida. Se estiver procurando ocasiões para ficar ofendido, você as encontrará a cada oportunidade. Este é o seu ego operando, convencendo-o de que o mundo não deveria ser assim. Como ensinou William Shakespeare: Quem alimenta a ofensa, come veneno esperando que o outro morra.

Ofensa retida é ira amanhecida, e contamina outros!

Quando nos sentimos ofendidos, é natural querer levar essa ofensa a mais alguém compartilhando a nossa dor e sofrimento. Fazemos isso na tentativa de buscar ajuda. Queremos que os outros sejam solidários com o nosso ponto de vista. Ainda que de maneira involuntária, procuramos agregar adeptos ao “ofendismo”, associados que nos defendam, que nos dêem as pancadinhas nas costas e digam: “Pois é, realmente o outro foi injusto, malvado... você é que tem razão..., você não merece isso!”. Preste bastante atenção: As pancadinhas nas costas e a concordância dos outros com a nossa ofensa não curam as nossas feridas!

É muito importante compartilhar suas dores para oração e cura, mas publicar isso com espírito de melindre a autocomiseração é uma grande armadilha. Leia com atenção o texto a seguir:
“O que encobre a transgressão adquire amor, mas o que traz o assunto à baila separa os maiores amigos.” Pv 17:9

Quem decide ficar ofendido, decide construir uma prisão para si mesmo.

Diz uma história que certo criador de pássaros tinha duas gaiolas. Em uma das gaiolas, ele tinha uma pássaro preso que cantava e ao lado um alçapão (gaiola menor que serve de armadilha para pegar outros pássaros). O pássaro preso estava sempre a cantar e os outros livres que estavam nas redondezas ouviam o canto deste e se aproximavam. Então, cantando o pássaro preso dizia: “Olha só o que fizeram comigo! Veja bem onde me colocaram! Todos querem o meu mal”. O pássaro que estava livre, então toma as dores e diz: “Espera ai que eu já vou te ajudar! Deixe chegar mais pertinho de você, deixe-me dar um ombro amigo”. Simpático a causa alheia, aproximava-se do alçapão para dar ouvidos ao pobrezinho do pássaro. Coitado do pássaro que ouviu os lamentos de seu semelhante preso, quando menos esperava, já estava ele também preso.

É assim também conosco quando paramos para ouvir e tomamos para nós os lamentos de pessoas ofendidas.

Não quero dizer com isso que devemos ignorar as pessoas ofendidas não lhes dando atenção. Não é isso! Devemos sim, ouvi-las e ampará-las em amor, porém, não devemos ser coniventes com o sentimento de melindre e autocomiseração. Devemos conduzir a pessoa pelo caminho do perdão e reconciliação. É isso que fomos chamados para fazer (Mt 5:9).


20180605

Série de mensagens Uns aos Outros - Parte 7 - Espírito Santo, o espírito da mutualidade. Jo 13:34-35. Pr.Edenir Araujo - Culto de Celebração - 03/06/18


“34 Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. 35 Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.” Jo 13:34-35

Durante quase dois meses nós estamos falando sobre os mandamentos da mutualidade, os mandamentos da reciprocidade, os mandamentos uns aos outros. Estamos dando muita ênfase nesse assunto porque Jesus, e os escritores do Novo Testamento trataram de maneira exaustiva sobre a importância da mutualidade cristã.

Mas afinal de contas, o que é mutualidade cristã?

Mutualidade é a relação de uns aos outros. São os mandamentos da mutualidade como regra de vida relacional horizontal. “Mutualidade cristã é Deus sendo amado no meu próximo.” Caio Fábio

Comunhão e mutualidade

Na semana passada nós falamos sobre a importância da comunhão na igreja. Sl 133. Aprendemos que não pode haver comunhão legítima sem mutualidade. Eu não sei dizer se comunhão produz mutualidade ou mutualidade produz comunhão. O que sei dizer é que a relação entre comunhão e mutualidade é uma relação de causa e efeito. Onde existe a comunhão, existe mutualidade; onde existe mutualidade a comunhão é evidenciada, existe mover uns aos outros. A comunhão só pode ser manifestada por meio da mutualidade.

Uma igreja, congregação, comunidade ou grupo de relacionamento que não está manifestando a mutualidade ou reciprocidade, precisa examinar a si mesma, para verificar se ela está ou não, em íntima comunhão com o Senhor Jesus. A mutualidade constitui um aspecto tão importante na vida da igreja, que ela não deve ser deixada ao acaso.

Como e quando poderemos alcançar esse nível de mutualidade, de amor uns aos outros? A resposta é que isso não será fácil.

Primeiro, por que Jesus ensinou que a mutualidade é uma questão de renúncia. Mateus 16:24. Em segundo lugar, por que esse processo é paulatino e custoso. Por ser uma questão relacional, isso vai requerer disposição para o aprendizado. Necessitaremos de muita perseverança para formar o hábito do amor uns aos outros como Cristo nos amou.

“A mutualidade não é uma erva que cresce rápido, mas um carvalho que cresce devagar, e cresce principalmente por conta dos ventos fortes e contrários.” Edenir Araujo

Alguns irmãos estão tendo dificuldades para viver os mandamentos da mutualidade.

É justamente por conta dessa dificuldade, que alguns irmãos depois de me ouvirem pregando e ensinando sobre os mandamentos da mutualidade por quase dois meses, estão dizendo: “Eu não consigo dar conta de praticar os mandamentos da mutualidade. Eu jamais vou conseguir amar como Cristo amou, afinal de contas Ele é Deus. Eu não tenho forças para isso...”. Quanto a isso, eu preciso dizer que nós não conseguiremos por nós mesmos viver os mandamentos da mutualidade, e creio que os discípulos pensaram a mesma coisa quando ouviram Jesus dizendo "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei". Eu creio que os discípulos pensaram e até questionaram: “Como poderemos nós fazer isso?”.

Veja bem, é importante dizer que Jesus deu esse novo mandamento em João 13, e logo em seguida, no capítulo 14, ele promete o Espírito Santo.

“16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, 17 o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. 18 Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros. 19 Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis; porque eu vivo, vós também vivereis.” Jo 14:16-19
“Isto vos tenho dito, estando ainda convosco; 26 mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.” Jo 14:25-26
“Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim; 27 e vós também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio.” Jo 15:26-27

O Espírito Santo é o nosso Ajudador. Ele é quem nos ensina e fortalece para expressarmos o desejo e vontade de Deus uns para com os outros.

Espírito Santo, o espírito da mutualidade!

O Espírito Santo deve ser para nós cristãos, a primeira pessoa motivadora que nos fortalecerá nas nossas relações, e principalmente nas nossas crises relacionais. Devemos considerar como primeira regra da vida cristã, o fato de que, quanto mais tempo passarmos com o Espírito Santo, mais glorificaremos o nome de Jesus, e mais preparados estaremos para conviver com o nosso próximo.

Quando Deus nos pede algo, ele mesmo prove os recursos para cumprirmos a Sua vontade. O Espírito Santo é a nossa força, é o nosso ajudador, é aquele que nos capacita a amar, perdoar, suportar, sujeitar, edificar, ensinar, carregar os fardos uns dos outros, orar uns pelos outros.
“Sem o Espírito de Deus habitando em nós, e agindo por meio de nós, não poderemos fazer nada, a não ser acrescentar pecado sobre pecado”. John Wesley

Obedecer a vontade de Deus e cumprir as ordenanças de Jesus, será impossível sem a capacitação do Espírito. Paulo, escreveu aos Coríntios dizendo: “Ninguém pode chamar Jesus de Senhor se não for pelo Espírito.” 1Co 12:3

“Quando confiamos na organização, obtemos o que a organização pode fazer. Quando confiamos na educação, obtemos o que a educação pode realizar. Quando confiamos na eloqüência, obtemos o que a eloqüência pode conseguir. Mas quando confiamos no Espírito Santo, obtemos o que só Deus pode proporcionar.” - A. C. Dixon

O fruto do Espírito

O Espírito Santo é uma pessoa perfeita habitando em nós. Devemos aprender com ele como nos relacionar com nosso próximo.

22 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. 24 E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.” Gl 5:22-24

Veja que a palavra diz “Fruto do Espírito”. O que é o fruto? O fruto é um produto de uma semente que germinou, brotou, cresceu, tornou-se uma árvore, e somente após esse processo frutificou. Antes de manifestarmos o fruto do Espírito Santo, precisamos nascer de novo e seguir o caminho do crescimento e amadurecimento. Isso só pode ser possível se decidirmos relacionar diariamente com o Espírito santo.

Precisamos relacionar com o Espírito Santo, ter comunhão com Ele.

O Espírito Santo é o Espírito da mutualidade. O Espírito Santo deve ser para nós cristãos, como um professor (e Ele vos ensinará...) a primeira pessoa motivadora que nos fortalecerá nas crises relacionais. Ele é quem nos levará pelos caminhos do amor e perdão incondicionais, da mutualidade. Antes de mandar a igreja para o mundo, Cristo mandou seu Espírito para a igreja. Essa ordem deve ser seguida; antes de me relacionar com os homens, devo me relacionar com o Espírito Santo. O Espírito Santo torna a fé dinâmica e nos dá compreensão exata da vontade de Deus.

Bênção Apostólica

Atentemos para a bênção apostólica tão anunciada em nossas congregações:

“A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.” 2Co 13:13

A graça, o amor e a comunhão, são promessas para todos os cristãos. É fato que já experimentamos o amor de Deus quando fomos atraídos e perdoados por Ele. A sua graça nos alcançou, e diariamente somos garantidos para a eternidade por seu sacrifício. Minha pergunta é: Temos também experimentado comunhão diária com o Espírito Santo? Não podemos rejeitar absolutamente nada que venha do alto. Cada uma das três pessoas da trindade tem seu meio de agir. Deus Pai nos amou, Deus Filho nos deu sua graça e o Deus Espírito nos oferece comunhão. Desfrute diariamente da doce e maravilhosa comunhão do Espírito Santo, isso fará toda a diferença em sua vida.

Seja cheio do Espírito, cheio de amor, cheio de entusiasmo. Viva feliz e faça o seu próximo feliz!

·         O Espírito Santo nos capacita a chamar Jesus de Senhor. 1Co 12:3
·         O Espírito Santo nos capacita a experimentar o poder sobrenatural dos dons. 1Co 12:4-11
·         O Espírito Santo nos convence do pecado, da justiça e do juízo. Jo 16:8
·         O Espírito Santo e a noiva dizem vem. Ap 22:17 


Antes da igreja ir para o mundo, o Espírito santo deveria vir sobre a igreja.

Antes de mandar a igreja para o mundo, Cristo mandou seu Espírito para a igreja. Essa ordem deve ser seguida; antes de me relacionar com os homens, devo me relacionar com Deus através do Espírito Santo. A igreja ficou reunida durante 10 dias buscando o cumprimento da promessa de Jesus. Quando o Espírito foi derramado, a igreja se encheu com o poder do Espírito e só a partir disso, os discípulos deram um testemunho poderoso para o seu povo e para as nações.

Enchei-vos, a ordenança chave para vencermos em todas as áreas.

“18 E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, 19 falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais...” Ef 5:18-19

No texto citado, o apóstolo Paulo faz um contraste entre uma pessoa que é cheia de vinho com uma pessoa que é cheia do Espírito Santo. Há uma semelhança nessas duas situações. Alguém cheio de bebida é controlado pelo álcool. As emoções, a fala, as ações e reações e escolhas da pessoa passam a ser controladas pelo vinho. Há pessoas que até se esquecem do que fazem enquanto se embriagam. Assim deve ser em relação ao Espírito Santo. Paulo quis dizer exatamente isso. Você é controlado pelo que você está cheio. Se você está cheio de rancor, isso é o que te controla. Se você está cheio de sensualidade, isso é o que te controla. Se você está cheio de avareza, isso é o que te controla. Se você está cheio de adultério, isso é o que te controla. Se você está cheio de rivalidade, isso é o que te controla. Se você está cheio de ofensa, isso é o que te controla. Se você está cheio de medo, isso é o que te controla. Agora, Se você está cheio do Espírito Santo, Ele é quem te controla.

O Espírito Santo é o próprio Deus. Ser cheio do Espírito Santo é ser cheio do próprio Deus. Só poderemos desfrutar de um tempo mutualidade e reciprocidade quando formos aquecidos pelo calor do Espírito.

Segredo para ser feliz com Deus e com o seu próximo andando nos caminhos dele, é sermos cheios do Espírito Santo constantemente. No texto, o verbo “enchei” nos dá um sentido de abundância e de constância, como um copo totalmente cheio, preenchido até o topo. Portanto não devemos ser cheios uma vez apenas, ou de vez em quando em uma conferência ou em algum evento especial. Devemos ser cheios sempre!

Que tal ser cheio do Espírito Santo agora?

O poder explosivo de uma igreja unida. Jo 17:20-23. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 02/12/18

“Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra; 21 a fim de que todos sejam u...