20160727

Ore até que algo aconteça! Is 62:6-7. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/07/16

“6 Sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas, que todo o dia e toda a noite jamais se calarão; vós, os que fareis lembrado o Senhor, não descanseis, 7 nem deis a ele descanso até que restabeleça Jerusalém e a ponha por objeto de louvor na terra.”  Is 62:6,7

Introdução

Toda ação sobrenatural de Deus é precedida de oração. As chuvas de bênçãos não caem sem que antes nossos joelhos se dobrem. Deus não sarará a nossa terra sem que primeiro seu povo se humilhe e ore fervorosa e perseverantemente. (2Cro 7:14)

Jonathan Edwards, o clássico teólogo do avivamento disse: “Quando Deus tem algo muito grande para realizar em favor da igreja, o desejo dele é que esse seu ato seja precedido por orações extraordinárias do seu povo.”

Muitos cristãos estão vivendo tempos de estiagem e sequidão, porque não oram. Alguém me disse: Pastor Edenir, em minha igreja a reunião de oração está em estado de coma, está na UTI prestes a morrer. Os irmãos andam muito ocupados para ocupar-se com Deus em oração.

Não podemos deixar de orar por que a oração é um grande privilégio que Deus nos dá!
Quão maravilhosa é a oportunidade que nos é dada, todos os dias, de orar e ter comunhão com Deus, experimentando de Sua maravilhosa graça, presença e bênçãos sem medidas. É de fato estonteante pensar na grandeza de um Deus que sendo criador de todo universo se inclina em seu trono de glória para ouvir a oração de minúsculos homens como eu e você somos.
Em nossos aconselhamentos geralmente descobrimos que as pessoas não oram, pelo menos não como deveriam orar.
Orar deve ser a primeira reação de um cristão, em vez de ser o seu último recurso.
A falta de oração é um sintoma evidente de frieza espiritual, é ausência de amor e temor a Deus. Quando nós oramos, somos transformados, nossa vida ganha novo fôlego e vigor, e maravilhas começam a acontecer.

Em Lucas, nós podemos ler que quando Jesus orou no Jordão...

1.      O céu se abriu
2.      O Espírito Santo desceu
3.      O Pai falou

“21 E aconteceu que, ao ser todo o povo batizado, também o foi Jesus; e, estando ele a orar, o céu se abriu, 22 e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea como pomba; e ouviu-se uma voz do céu: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.” Lc 3:21-22

Deus quis se mover, na sua soberania, cumprindo os seus sábios propósitos na história através das orações dos santos. A oração defere as bênçãos de Deus; libera o que Deus tem planejado. Ausência de oração, porém, priva-nos de bênçãos que são nossas. “Nada tendes, porque não pedis.” (Tg 4:2).

Jesus ensina-nos: “Pedi, e dar-se-vos-à: buscai, e achareis. batei, e abrir-se-vos-a.” (Mt 7:7).

Deus ordena-nos: “Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei cousas grandes e ocultas, que não sabes.” (Jr 33:3).

Como devemos orar por um grande mover?

Mas como devemos orar por um grande mover? O que caracteriza esse tipo de oração prevalecente? Não quero dizer que há um padrão absoluto sobre como orar, mas o profeta Isaias nos fornece uma diretriz de oração que produz milagres. (Is 62:6,7)

1. É uma oração perseverante.

“... todo o dia e toda a noite jamais se calarão...” (v. 6)

A dificuldade dos crentes não é orar, mas perseverar em oração. Temos entusiasmo para começar uma reunião ou projeto de oração, mas desistimos com muita facilidade. Jesus falou da importância de orar sem nunca esmorecer (Lc 18:1). Paulo orava sem cessar (Cl 1:9) e recomendou-nos o mesmo: “Oral sem cessar”. (1 Ts 5:17). Elias não desistiu de orar, até que na sétima vez viu uma nuvem no céu, prenunciando uma chuva torrencial. Se ele tivesse desistido na sexta vez, jamais teria tido a experiência gloriosa de ver as comportas do céu se abrirem e as chuvas de Deus descerem para regar a terra ressequida de Israel.

Isaías fala de orar ininterruptamente, dia e noite. A igreja primitiva orou com perseverança durante 10 dias, unanimemente, até que o Espírito Santo foi derramado (At 1:14; 2:1-4). Alguém disse que aqueles 120 crentes oraram 10 dias, Pedro pregou 10 minutos e 3000 se converteram. Hoje, nós oramos 10 minutos, pregamos 10 dias, e 3 pessoas se convertem.

2. É uma oração com vigilância e expectativa.

“Sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas...” (v. 6)

Orar é também vigiar, aguardar, estar de olhos sempre abertos como um soldado desembaraçado, na expectativa de alguma surpresa como um ataque súbito do inimigo. Orar é ficar de prontidão para resistir o ataque inimigo.

“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.” Mt 26:41

Orar é também buscar reforço e ajuda naquele que é o Senhor dos Exércitos.

Vigie também tendo expectativa em Deus

“Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro.” Sl 40:1

Oração sem expectativa não é oração. Oração que não aguarda a resposta não é verdadeira. Quem ora, faz como Habacuque; sobe à torre de vigia e espera a resposta de Deus (Hc 2:1). Quem ora age como Jacó agarrando-se ao Senhor e não largando até receber a bênção (Gn 32:26). Quem ora, espera grandes coisas do Deus que é grande, por isso se mantém sempre na expectativa.

3. É uma oração ousada.

“... fareis lembrados o Senhor...” (v. 6)

Oração por milagres é a oração que lembra a Deus as suas promessas. Orar eficazmente é pronunciar a Palavra de Deus. Orar vitoriosamente é orar segundo a vontade de Deus (1Jo 5:14). Orar poderosamente é falar a Deus o que Deus falou-nos em sua Palavra; e a Palavra de Deus não pode falhar. Deus tem zelo pela sua Palavra para a cumprir. Os céus e a terra podem passar, mas a Palavra de Deus não passará. Tudo o que Deus falou, ele cumprirá. Todas as promessas de Deus têm o seu sim e o amém. Portanto, a oração que prevalece é a que fazemos com base nas promessas de Deus, fundamentados no que Deus nos prometeu e na aliança que ele firmou conosco.

4. É uma oração ininterrupta.

“... não descanseis...”. (v. 6)

Devemos orar sem descanso. Devemos orar com denodo, com suor, com lágrimas, como Jesus orou no Getsêmani. Com gemidos inexprimíveis como o Espírito Santo ora por nós e em nós. Como David Brainerd, que suava de molhar a camisa, nas noites geladas no meio da selva, até que Deus derramou do seu Espírito e salvou 08 índios peles vermelhas. Como Mônica, mãe de Agostinho, que lutou trinta anos com Deus até ver o filho salvo. Disse o historiador Ambrósio mais tarde: "Um filho, alvo de tantas lágrimas, jamais poderia perder-se." Devemos orar como Ana, que derramou sua alma aflita diante de Deus, até que o Senhor lhe deu um filho. Devemos orar como aquele amigo que bateu à porta do seu vizinho à meia-noite e recusou ir embora sem os três pães que pedira (Lc 11.5-8). Se queremos avivamento, temos de orar assim.

5. É uma oração importuna.

“... nem deis a ele descanso...”. (v. 7)

Se desejamos de fato uma manifestação do Espírito Santo, que venha trazer vigor para os salvos e salvação para os perdidos, temos de bombardear o céu “importunar” a Deus com as nossas orações, insistindo como fez Jacó: “Não te deixarei ir, se me não abençoares.” (Gn 32:26). Ou clamando como Moisés: “Agora, pois, perdoa-lhe o pecado; ou, se não, risca-me, peço-te, do livro que escreveste.” (Êx 32:32). Orar com santa ousadia, ser importunos como aquela viúva que batia à porta do juiz iníquo até que ele julgou a sua causa (Lc 18:1-8). Importunar a Deus como fez Abraão em favor de Ló e sua família. É dessa forma que temos orado por um grande mover?

6. É uma oração que não abre mão da resposta.

É orar “... até que...”. (v. 7)

Oração por milagres não é oração rasa, oscilante, covarde e medrosa, que desiste no meio do caminho. É orar “até que” Deus restabeleça a nossa condição e nos coloque como objeto de louvor na terra. Por quanto tempo, não importa. Só parar de orar depois de receber a bênção. George Müller “até que” teve mais de três mil orações respondidas. Todavia, dois amigos pelos quais ele orou a vida toda, até o dia da sua morte, continuaram com o coração endurecido. Um converteu-se no dia da sua morte; o outro, no dia do seu sepultamento.

O profeta Oséias diz: “... é tempo de buscar ao Senhor, até que” ele venha e chova a justiça sobre vós”. (10:12). Jesus disse aos discípulos, antes de ser assunto aos céus: “Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.” (Lc 24:49). E eles, em obediência à Palavra de Cristo “... perseveravam unânimes em oração...” (At 1:14), “até que” o Espírito foi derramado sobre todos. “Ao cumprir-se o dia de Pentecoste. estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo, e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.” (At 2:1-4)

O avivamento na África do Sul demorou doze anos desde que começaram a orar por ele. Não podemos desistir. Deus não age segundo o nosso cronograma. Ele não obedece à nossa agenda. Ele é soberano e livre. Nosso dever é orar “até que...”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário