20090112

21 Dias de Jejum pela Unidade e Multiplicação da Igreja

Capítulo 7

A oposição maligna na unidade da Igreja Ne 1:1-9

Todos nós estamos envolvidos em uma batalha espiritual. Quer você queira, quer não; quer você saiba disso ou não, você está inserido nesta guerra, cuja principal estratégia do maligno consiste em destruir nossa unidade. Saiba que não há neutralidade no reino espiritual. Essa é umas das razões porque a Palavra de Deus diz que também somos um exército.
Se existe um lugar onde a unidade é fundamental, esse lugar é o exército. Se o batalhão já não segue as ordens do capitão, se o pelotão ignora o sargento, então a guerra está perdida. Por incrível que pareça, essa tem sido a realidade de muitas igrejas locais.

Não há neutralidade na guerra. Jesus disse: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha. Mt 12:30
Não há neutralidade no mundo espiritual. Estando inserido nessa guerra, você precisa aprender a discernir as ações de nosso inimigo, como ele age e quais são suas estratégias para impedir a edificação.

O livro de Neemias ilustra essa guerra

Neemias tipifica a edificação e a restauração dos muros de Jerusalém. Antes dele, Esdras foi levantado para restaurar o templo. O templo sempre vem primeiro. Uma vez que o Senhor restaura o templo então os muros ao derredor devem ser edificados. Vamos olhar hoje para a restauração dos muros de Jerusalém como tipificação dos nossos relacionamentos. Como Neemias, hoje, todos nós estamos envolvidos nessa obra de edificação da Igreja.
Em Neemias, aprendemos sobre as estratégias do diabo para nos fazer parar. Basicamente, foram seis espíritos que procuraram resistir à obra de Deus naqueles dias e que ainda hoje resistem à edificação da Igreja.

Havia um homem em Samaria, cujo nome era Sambalate, que tudo fez para resistir a Neemias e todo o povo no propósito da reconstrução. Sambalate simboliza resistência e oposição espiritual.
Sambalate é um símbolo de satanás. O nome “satanás” significa adversário. Ele é responsável por toda oposição a Deus e Seus servos, mas devemos saber que ele é um inimigo derrotado:

“Maior é aquele que está em nós, do que aquele que está no mundo” 1Jo 4:4

Tão logo Sambalate toma conhecimento da chegada de Neemias, começa a reação:

“Disto ficaram sabendo Sambalate, o horonita, e Tobias, o servo amonita; e muito lhes desagradou que alguém viesse a procurar o bem dos filhos de Israel.” Ne 2:10

Ele sabe que, com os muros restaurados e as portas em seu devido lugar, ele já não terá condições de conservar as vidas em suas prisões. Envolver-se na edificação da igreja é entrar em um confronto aberto contra as forças invisíveis das trevas. Haverá pressões para nos cansar, nos desgastar, esmorecer e desistir, com o objetivo de que as almas continuem sob controle inimigo. A luta terá vários estágios. Deus usará esses conflitos para gerar em nós uma identidade de guerreiros que não depõem as armas até a vitória completa.
Isso fará que o inimigo nos respeite e recue, sabendo que estamos determinados a forçá-lo a sair do caminho. E o faremos, pois sabemos o que queremos e para onde vamos e não haverá nada que nos fará parar no meio da luta. A qualquer preço a obra de Deus será feita.

6 Espíritos que resistem à edificação da igreja

1º Espírito de zombaria

“Tendo Sambalate ouvido que edificávamos o muro, ardeu em ira, e se indignou muito, e escarneceu dos judeus. Então, falou na presença de seus irmãos e do exército de Samaria e disse: Que fazem estes fracos judeus? Permitir-se-lhes-á isso? Sacrificarão? Darão cabo da obra num só dia? Renascerão, acaso, dos montões de pó as pedras que foram queimadas?” Ne 4:1-2

Observe a indignação do inimigo, uma vez que a sua obra produzirá indignação no mundo espiritual. Aqueles que ficam indignados com o que Deus tem feito entre nós trazem o mesmo espírito. A primeira investida de satanás e seus demônios será a zombaria. Eles disseram:

“Ainda que edifiquem, vindo uma raposa derrubará o seu muro de pedra.” Ne 4:3

A voz de escárnio nos vem daqueles que nos cercam ou através de pensamentos, mas sua origem é sempre o adversário. Outro dia, ouvi de um pregador famoso uma crítica irônica contra as células. Ele dizia que os líderes eram como soldadinhos de chumbo. Precisamos discernir quando vem a zombaria, pois é sinal de que estamos realmente edificando e o inimigo está indignado.
Quando você começa a investir na obra de Deus, logo virão as vozes de pessoas bem próximas para dizerem: “O quê? Você está brincando! Você vai liderar uma célula? Não acredito!”. Essa é a voz do diabo. Talvez ainda digam: “Quem vai querer participar da sua célula?”. Entenda que é a voz do inimigo tentando atingir sua mente para produzir desânimo. Não dê ouvidos àqueles que dizem que você não está apto a participar dessa grande obra, desse projeto extraordinário. Querem até convencê-lo de que é muita pretensão desejar ser um líder.

Alguns enxergam o homem nessas situações. Não percebem o espírito que está por detrás. Nossa guerra não é contra carne e sangue. Nossos inimigos são espirituais. Sabemos que espíritos malignos podem influenciar pessoas para que nos falem coisas que são verdadeiras setas inflamadas. Tenha uma resposta espiritual a essas situações. O modo de enfrentar esse primeiro estágio de luta está na oração e em ter ânimo para o trabalho.

“Ouve, ó nosso Deus, pois estamos sendo desprezados; caia o seu opróbrio sobre a cabeça deles, e faze que sejam despojo numa terra de cativeiro. Não lhes encubras a iniqüidade, e não se risque de diante de ti o seu pecado, pois te provocaram à ira, na presença dos que edificavam. Assim, edificamos o muro, e todo o muro se fechou até a metade de sua altura; porque o povo tinha ânimo para trabalhar.” Ne 4:4-6

Aqueles que diminuem você estão, na verdade, diminuindo ao Senhor. Uma vez que o Senhor lhe mandou fazer algo, eles estão diminuindo e zombando aquele que o enviou. Simplesmente tape os ouvidos ao inimigo e concentre suas energias físicas, mentais e emocionais na edificação da obra. Se quisermos vencer, temos de tapar os ouvidos a todo comentário que instile desânimo, incredulidade e fracasso. Ouça apenas a voz do Espírito de Deus e permaneça com a mão na obra e ela prosperará.
Um dos grandes segredos da unção é o ânimo. A unção de Deus não vem sobre pessoas passivas. Não servimos a Deus apenas quando vem o calafrio e a empolgação. Nós somos daqueles que tiram água da pedra, que tiram ânimo do meio do cansaço, que se levantam no meio da prostração.
Alguns chegam e dizem “Não quero mais liderar, pois fulano disse que eu não tenho condições”. Mas quem é o fulano? Às vezes, fico pensando que não existe falta de fé, o que existe é fé na coisa errada. Esse irmão prefere crer no que o fulano diz em vez de crer no que o Senhor lhe diz.

O diabo disse para Moisés no deserto de Sim: É o fim! Deus disse: Moisés isso é apenas o começo, vou transforma-lo, fazer de você libertador do meu povo!O diabo disse para José do Egito no fundo daquela cisterna: É o fim! Deus disse: Creia José pois te farei a segunda maior autoridade do Egito!O diabo disse para Davi, quando estava frente ao gigante Golias: É o fim! Deus disse: Davi não temas isso é apenas o começo, farei de você o primeiro de muitos matadores de gigantes! O diabo disse Sadraque, Mesaque e Abedenego na fornalha de fogo ardente: É o fim! Deus disse: Meus servos isso é apenas o começo, farei de vocês príncipes neste lugar!O diabo disse a Daniel na cova dos leões: É o fim! Deus disse: É apenas o começo Daniel, levantarei você como uma voz profética em meu nome, para libertar meu povo de toda idolatria! O diabo disse para os discípulos em meio a tempestade: É o fim! Deus disse: Isso é apenas o começo, vou transformar vocês em embaixadores do meu evangelho! O diabo disse a Jesus na Cruz: É o fim! Deus disse: É só o começo assentar-te-ei no mais alto trono e farei de ti O Todo Poderoso!Se você ouviu do diabo que é o seu fim, eu quero dizer que o Deus da ressurreição está dizendo: É apenas o começo, pois o que para o homem é o fim, para Deus é a chance de um recomeço!
Se você ouviu do diabo que é o seu fim, eu quero dizer o Deus da ressurreição está dizendo:

Tenha bom ânimo. Tenha ânimo para o trabalho. Não se feche na melancolia e na prostração porque a luta veio. Não se lambuze na autopiedade, não espere a compaixão dos outros por causa de sua luta. Levante a cabeça, olhe para o céu e tenha ânimo.

Antes de começarmos com as nossa primeira célula em agosto de 2005, muitas vezes eu pensava: “Quem vai querer participar disso? Mas, na mesma hora, a voz suave do Espírito Santo falava ao meu coração dizendo: “eu vou participar disso, não ouça vozes estranhas, pois eu sou contigo ”.
O inimigo quer produzir desânimo, mas nós podemos escolher que voz ouviremos. Hoje, depois de ouvir a voz do Espírito, já multiplicamos dezenas de células. Quando você ouve a Deus, o Golias fica pequeno; mas, quando ouve a voz do diabo, você se vê como gafanhoto.

2º Espírito de confusão

“Mas, ouvindo Sambalate e Tobias, os arábios, os amonitas e os asdoditas que a reparação dos muros de Jerusalém ia avante e que já se começavam a fechar-lhe as brechas, ficaram sobremodo irados. Ajuntaram-se todos de comum acordo para virem atacar Jerusalém e suscitar confusão ali.” Ne 4:7-8

Quando a obra começar a tornar-se visível, Satanás envolverá seus príncipes e demônios para virem contra nós. Haverá uma grande conspiração. A sua estratégia agora será a confusão. Repentinamente, parece que você não sabe mais qual direção tomar. Pessoas começam a questionar e duvidar das motivações dos líderes. O espírito de confusão se estabelece quando a unidade é atingida. Quando a unidade se vai, a confusão reina. O inimigo levanta vozes no meio dor irmãos para que a edificação cesse. São vozes com ares de piedade, mas com veneno da serpente. São críticas aparentemente construtivas, mas que tem cheiro de enxofre.
O inimigo começa a dizer: “A igreja cresceu demais!”. Percebe a confusão aqui? Quem sabe qual é o tamanho certo da igreja? Outra hora ele diz: “A obra está destruindo os obreiros!”. Todo o povo se assusta com medo de fazer a obra de Deus. Mas quem destrói as pessoas é o diabo e não o Filho de Deus. Fazer a obra alimenta em vez de desgastar. Pensamentos assim são lançados para produzir confusão.
Outras vezes o inimigo diz: “Você está trabalhando demais na obra de Deus”. Mas quem somos nós para dizer que temos trabalhando além da conta? Paulo diz: “Meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão” (1Co 15.58).
Para impedir que os muros sejam levantados, o inimigo convence e fala na boca de alguns: “a igreja cobra demais, pede demais”, dizem.
Todas essas são setas enviadas para produzir confusão no meio da obra. Quando a confusão se estabelece, podemos ver alguns sintomas:

· Apatia e indiferença ao Reino e ao propósito da edificação.
· Distanciamento dos discípulos, que se tornam arredios. Entregam relatórios, mas o coração não está mais com a liderança; tornam-se independentes e insubmissos.
· Os irmãos tornam-se descomprometidos com os alvos, ficam cheios de autopreservação e justificativas.
· Quebra da unidade envolvendo partidarismo dentro da igreja, influenciando outros para que pensem como eles.

Estes são dias difíceis e precisamos estar bem alertas para resistirmos contra todo espírito de confusão. Lembre-se que o alvo do inimigo é parar a obra de edificação. Observe se, do seu lado, não há ninguém sendo usado para trazer esse espírito de confusão para o nosso meio. Coisas grandes de Deus certamente estão diante de nós. O que está acontecendo é a manifestação da fúria dos demônios que tentam usar todo tipo de mentira com o propósito de nos fazer parar.
Como podemos vencer esse ataque? Faça como Neemias: levante a cabeça em oração e vigilância. Neemias colocou guardas contra o espírito de confusão. Oração e vigilância são o segredo: “Porém nós oramos ao nosso Deus e, como proteção, pusemos guarda contra eles, de dia e de noite” Ne 4:9

Esses ataques, quase sempre, vêm através das pessoas que nos cercam, mas podem vir como uma doença, um embaraço aqui, uma dificuldade ali, uma pressão de um lado ou de outro.
Deus está levantando um exército para o tempo do fim e guerreiros só são forjados no furor das batalhas. É no meio de muito fogo cruzado e confrontos violentos que os comandantes de batalhão são formados. Não tema a luta. Cada luta será usada por Deus para enrijecer o seu caráter. “Como pão devoraremos os nossos inimigos”.

A Bíblia diz que Jesus foi para a Galiléia no poder do Espírito, desbaratando as forças do inferno, sendo temido pelos demônios. Mas isso somente aconteceu depois que ele enfrentou satanás cara a cara no deserto e o venceu.

3º Espírito de intimidação e medo

Disseram, porém, os nossos inimigos: “Nada saberão disto, nem verão, até que entremos no meio deles e os matemos; assim, faremos cessar a obra.” Ne 4:11

Quando o inimigo percebe que não consegue impedir a realização da obra, ele projeta nos tirar do caminho. É preciso, porém, não esquecer que ele jamais conseguirá nos destruir. 1Jo 3:8.
Certa vez, uma irmã me disse que iria parar de liderar, pois estava grávida e ela temia a retaliação espiritual. Até parece que o diabo tem alguma ética de guerra: “Agora ela está grávida, então não vou atacá-la”.
Como já disse, estamos na guerra de qualquer forma, mas o que aquela irmã não percebeu foi o espírito de intimidação e medo vindo contra ela.
Em outra ocasião, um de nossos anfitriões de célula quis entregar a célula porque alguém havia ficado possesso em sua casa e ele agora temia retaliações do maligno. Ele queria fazer a obra, mas não queria estar na guerra. Infelizmente não temos opção, estamos na guerra de qualquer forma. Ele também não percebia o espírito de medo e intimidação atacando-o.
Alguns mais místicos chegam a atribuir a desistência à suposta direção de Deus: “Esta obra está resistida demais. Deve ser um sinal de que Deus não quer que a façamos”. Tem cabimento isso? A verdadeira obra de Deus é a mais resistida, pode ter certeza. Mas, em todas as coisas, somos mais do que vencedores (Rm 8:37).

A resposta a esse nível de ataque é um encorajamento e fortalecimento em Deus.

“Então, pus o povo, por famílias, nos lugares baixos e abertos, por detrás do muro, com as suas espadas, e as suas lanças, e os seus arcos; inspecionei, dispus-me e disse aos nobres, aos magistrados e ao resto do povo: não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa.” Ne 4:13-14

Pelo discernimento de espírito, o Senhor nos revela os planos do adversário (v. 15). Somos avisados dos planos inimigos e, por essa razão, conseguimos frustrá-los. Quem é o nosso informante? O Espírito Santo de Deus. As ameaças virão por certo, mas todo o projeto satânico cairá por terra e nós sairemos vitoriosos e fortalecidos enquanto nos firmarmos na direção que o Espírito nos dará. Nós vivemos tempos de guerra e existe um modo de trabalhar em tempo de guerra:

“Daquele dia em diante, metade dos meus moços trabalhava na obra, e a outra metade empunhava lanças, escudos, arcos e couraças; e os chefes estavam por detrás de toda a casa de Judá; os carregadores, que por si mesmos tomavam as cargas, cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a arma.” Ne 4:16-17

Guerreamos e edificamos ao mesmo tempo. É um paradoxo, mas, na obra de Deus, apenas guerreiros edificam. Estavam prontos para o ataque e para a defesa, mas não paravam de trabalhar na edificação. Assim também não devemos parar o que estamos fazendo, mas sim vivermos em estado de alerta constante, com nossas armas afiadas e prontas para o combate. Devemos estar revestidos de toda a armadura de Deus para podermos resistir no dia da batalha e permanecer inabaláveis. A Carta aos Efésios retrata esta atitude (Ef 6:10-20).
Além disso, precisamos nos lembrar que ninguém vai à guerra sozinho. Nós lutamos juntos, em equipe, como um pelotão. Nunca esteja sozinho (Ec 4:9-12). Neemias disse ao povo: “Disse eu aos nobres, aos magistrados e ao resto do povo: Grande e extensa é a obra, e nós estamos no muro mui separados, longe uns dos outros” Ne 4:19

O povo estava disperso, cada um no seu trabalho. É preciso batalhar juntos, pois é nosso irmão quem guarda nossa retaguarda. Estamos juntos quando estamos em uma célula e quando participamos de um grupo de discipulado. Este é justamente o alvo deste jejum: fazer guerra juntos na comunhão e a na unanimidade.
Por fim, precisamos ter certeza de que o nosso Deus pelejará por nós (Ne 4:20b). A batalha é do Senhor: “Do Senhor é a guerra e Ele está conosco como um poderoso Guerreiro” (Jr 20:11). Estamos destinados à vitória, porque Ele está conosco, em nós e é por nós (Rm 8.31).

4º Espírito de engano

“Tendo ouvido Sambalate, Tobias, Gesém, o arábio, e o resto dos nossos inimigos que eu tinha edificado o muro e que nele já não havia brecha nenhuma, ainda que até este tempo não tinha posto as portas nos portais, Sambalate e Gesém mandaram dizer-me: Vem, encontremo-nos, nas aldeias, no vale de Ono. Porém intentavam fazer-me mal.” Ne 6:1-2

Esse é um plano maligno. Parece uma tentativa de aproximação, de aliança, de amizade, de dar uma trégua, mas cujo fim é parar a obra. Não existe trégua nesta guerra. Demônio sempre será demônio, não se iluda!
O espírito de engano é a atitude de levar ao extremo uma verdade com o intuito de trazer a rebeldia e paralisia à obra. Veja um exemplo de engano: “Cada crente é um ministro, somos todos iguais; logo, não temos de nos submeter a ninguém”. Isso é um engano do inferno. O fato de cada crente ser um ministro não anula a verdade de que existe uma ordenação de autoridade dentro da igreja. Fuja de quem usa a Bíblia para embasar sua rebeldia, de quem acusa a igreja de estar se tornando clerical porque está enfatizando a autoridade. Mentira maligna. Não há mover de Deus onde não há ordem e autoridade.
Outro engano comum é a idéia de que devemos primeiro ser maduros para depois evangelizarmos. Como sempre achamos que precisamos crescer mais um pouco, nunca nos dispomos a fazer a obra. O alvo do espírito de engano é nos paralisar.
Nossos pastores são acusados de colocar pressão sobre o povo, as pessoas reclamam que estão sobrecarregadas e a obra pára por causa do engano de alguns que pensam que ser cristão é ficar ouvindo música suave debaixo de uma árvore à beira de um rio tranqüilo.

Quando é necessário guerrear, os que estão debaixo da influência desse espírito se escandalizam. O espírito de engano quer nos distrair com falsos conceitos espirituais. Para alguns, a vida cristã é um eterno piquenique.
O modo de enfrentar essa nova forma de ataque é não se permitir ficar distraído da obra. Neemias respondeu dizendo: “Enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo grande obra, de modo que não poderei descer; por que cessaria a obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco? Quatro vezes me enviaram o mesmo pedido; eu, porém, lhes dei sempre a mesma resposta”. Ne 6:3-4

Quando vierem discutir pontos de vista teológicos, para nos distrair com seus argumentos, não podemos permitir. Não paremos para discussões, para defesas e tudo o que nos afasta da obra. Temos um alvo: a edificação da igreja e a conquista da nossa geração.

5º Espírito de acusação e calúnia

“Então, Sambalate me enviou pela quinta vez o seu moço, o qual trazia na mão uma carta aberta, do teor seguinte: Entre as gentes se ouviu, e Gesém diz que tu e os judeus intentais revoltar-vos; por isso, reedificas o muro, e, segundo se diz, queres ser o rei deles, e puseste profetas para falarem a teu respeito em Jerusalém, dizendo: Este é rei em Judá. Ora, o rei ouvirá isso, segundo essas palavras. Vem, pois, agora, e consultemos juntamente.” Ne 6:5-7

Já que você não aceitou compromisso com o inimigo e ele não consegue impedir a obra de Deus, ele vai procurar caluniá-lo, ferir sua reputação, denegrir sua imagem. Todo santo do Altíssimo, que anda segundo a Palavra, será vítima dessas coisas. Paulo diz que “todos quantos quiserem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” 2Tm 3:12
Jesus disse: “Bem aventurados soi vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Regozijai-vos e alegrai-vos, porque grande é o voso galardão no céus, pois assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.” Mt 5:11-12

Portanto, não espere ser uma exceção!

Como vencer este ataque? Para o inimigo, temos apenas uma resposta seca e direta. Neemias apenas disse: “Agora, pois, ó Deus, fortalece as minhas mãos.” Ne 6:9

Não devemos dar ouvidos a pessoas que só fazem críticas e acusações. Ignore pessoas negativas e pessimistas. Não ouça quem o julga pela aparência e ainda possui ares de piedade. Tais pessoas só vêem o lado escuro das coisas e sempre o colocam para baixo. Afaste-se delas, pois não falam da parte do Espírito de Deus.

Cuidado com aqueles que sempre começam dizendo: “Estão falando...” ou “estão dizendo...”. Nunca dizem quem, mas sempre afirmam que é “todo mundo”. Quem começa com essas palavras é instrumento do diabo. Repreenda-o. Foi Sambalate quem disse: “Entre as gentes se ouve...” Ne 6:6. Observe que homens de Deus quando falam algo nunca dizem: “Estão dizendo...”. Eles antes falam o que vêm na autoridade da Palavra e assumem a responsabilidade pelo que dizem. Essa é uma boa forma de você reconhecer os que são usados pelo maligno dentro da igreja.
Quando o inimigo se levantar para denegrir sua imagem, torcer suas palavras ou lhe trazer falsas acusações, não será o fim. Deus não se afasta do trono e Seu braço está estendido a seu favor. Deus é justo e, por fim, se levantará para vindicar todo aquele que foi caluniado.
Há triunfo para você no meio de todas as lutas. Fortaleça-se nEle e na Sua Palavra. Deus conhece as intenções de seu coração e as acusações projetadas por Satanás contra você não terão poder de esmagá-lo, porque você está em Cristo.

6º Espírito de falsa Palavra de Deus

O inimigo é um demente e ele entrará no seu ambiente, no seu mundo, no meio dos seus, daqueles que parecem ser porta-vozes da Palavra de Deus, a fim de lhe trazer uma palavra aparentemente espiritual. Só que a fonte dessa profecia não é o Espírito de Deus.
Vencidas todas as táticas contra a edificação do muro, vem a tentativa de levar Neemias a pecar contra a Palavra do Senhor. O templo possuía o lugar santíssimo, onde só o Sumo Sacerdote poderia entrar e, ainda assim, uma vez por ano. Mas eis que vem a Neemias uma palavra:

“Tendo eu ido à casa de Semaías, filho de Delaías, filho de Meetabel (que estava encerrado), disse ele: Vamos juntamente à Casa de Deus, ao meio do templo, e fechemos as portas do templo; porque virão matar-te; aliás, de noite virão matar-te. Porém eu disse: homem como eu fugiria? E quem há, como eu, que entre no templo para que viva? De maneira nenhuma entrarei. Então, percebi que não era Deus quem o enviara; tal profecia falou ele contra mim, porque Tobias e Sambalate o subornaram. Lembra-te, meu Deus, de Tobias e de Sambalate, no tocante a estas suas obras, e também da profetisa Noadia e dos mais profetas que procuraram atemorizar-me.” Ne 6:10-14

Parece uma revelação divina e, portanto, uma direção de Deus para o caminho de escape. Só que essa palavra está em oposição à própria Palavra de Deus quanto ao templo. Neemias tem logo o discernimento e a rejeita.
Você pode perceber a sutileza do ataque? Foge, mas foge para o templo, onde está a presença de Deus. Se Neemias entrasse no lugar santo ele seria morto. Aquele que tem o coração cheio do temor de Deus nunca se deixará enganar.

Um tempo atrás, alguém veio a mim com uma palavra supostamente de Deus. Ele me disse:
“O Senhor diz para você deixar de ser orgulhoso e parar de ambicionar projetos grandiosos demais e mega-igrejas. Ele disse para você e a igreja se humilharem diante dEle”.

O que fazer diante de algo assim? Tudo parece espiritual e correto. Mas estava fora do coração de Deus. Eu não quero ganhar almas para mim mesmo e nem o faço para receber glória dos homens. Precisamos de discernimento para perceber o que vem de Deus e o que é uma falsa Palavra do Senhor.

Se for orgulho crer que Deus fala comigo, o que eu posso fazer? Se for orgulho crer que Deus realizar grandes coisas através de seus servos, o que eu posso fazer? Se alguns acreditam ser orgulho crer em um Deus de milagres, o que posso fazer? Se for orgulho crer e trabalhar para treinar um exército de líderes para tocar esta geração, então se prepare porque, nesse caso, não me importo de ser chamado de orgulhoso. Nossos sonhos só são grandes para as mentes pequenas e incrédulas. Nossos alvos só são grandes para quem nunca percebeu a grandeza do nosso Deus. Só nos consideram orgulhosos os tímidos, os covardes e os incrédulos. A verdade, porém, é que eles não entrarão no reino. Não participarão da congregação dos vencedores nem andarão ao lado do Senhor.

O segredo é não ouvir os homens e peneirar pela Palavra de Deus escrita tudo quanto nos vem em forma de profecia. Se nos apegarmos a Deus e à Sua Palavra, na dependência constante de Seu Espírito, receberemos em nosso homem interior todas as diretrizes para a nossa vida e saberemos qual o caminho a seguir. Em todo o livro de Neemias, a importância da oração e da Palavra de Deus é ressaltada. Se seguirmos os princípios que Neemias seguiu, teremos os resultados que ele teve.

Hoje é tempo de guerra e o Senhor nos tem incitado para a batalha. O espírito de ousadia celestial tem estado sobre nós e todos esses espíritos estão debaixo dos nossos pés. É tempo de trabalho, de frutificação e de conquista. Há em seu coração esse fogo e essa inquietação? Então você é parte desse exército. Não deixe que as mentiras malignas segurem você.

“Acabou-se, pois, o muro aos vinte e cinco dias do mês de elul, em cinqüenta e dois dias. Sucedeu que, ouvindo-o todos os nossos inimigos, temeram todos os gentios nossos circunvizinhos e decaíram muito no seu próprio conceito; porque reconheceram que por intervenção de nosso Deus é que fizemos esta obra.” Ne 6:15,16

Nenhum comentário:

Postar um comentário