O preço da transformação

Por que uma igreja tão numerosa como a atual não está mudando a nação? Somos dezenas de milhões e vemos o Brasil apodrecer cada vez mais em sua moral e ética. Por que? Porque não estamos pagando preço para ser um modelo irrepreensível!

Escrito por Pr. Danilo Figueira


Nós já entramos no período mais desafiador da História em relação à fé. As nações estão sendo rapidamente formatadas por um espírito anticristo e a realidade crescente é de valores, ética e leis absolutamente opostos ao Cristianismo. À medida em que o tempo passa, aumenta a sensação de que estamos falando sozinhos e de que o que falamos deve ser reprimido. Deixe-me apontar alguns dos principais pontos dessa oposição de valores...

Em primeiro lugar, pensemos na desconstrução da família. O divórcio e o concubinato são conceitos estabelecidos da cultura e na lei do nosso país (agora, com novas facilidades legais, nos últimos meses os divórcios cresceram 149% em São Paulo). A união civil entre homossexuais e o direito dados a estes de adotarem crianças também já vigoram no Brasil (o "casamento", com caráter religioso, é a próxima conquista da pauta, para acabar de vez com a heteronormatividade e com o conceito original de família).

Há também um enorme esforço dos formadores de opinião e da mídia tentando impor o confinamento da fé. O mundo trata de limitar o exercício da fé ao espaço dos guetos religiosos e, se possível, da individualidade humana. Cada vez mais se rejeita a idéia da crença pública, divulgada, conquistadora. As leis que vem sendo propostas e aprovadas no Brasil são só a repercussão do movimento das nações ocidentais: proibição de símbolos religiosos em repartições públicas, limitação de espaços para programas religiosos na mídia, cerceamento de qualquer tipo de discurso que oponha práticas religiosas ou culturais estabelecidas (por conta disso, crianças indígenas são enterradas vivas no Brasil sem que ninguém possa interferir e o ensino contra ritos de feitiçaria e idolatria está para ser criminalizado como preconceito, como já é feito em muitas nações). Em outras palavras, o mundo nos impõe cada vez mais a idéia: “Se vocês têm fé, guardem-na com vocês e não nos incomodem!”

Outro ponto de conflito é foco nas liberdades individuais e o pragmatismo. O endeusamento do indivíduo é a grande marca desta geração. O que vale é a liberdade de cada um e o prazer pessoal. É esta mentalidade hedonista que justifica, não apenas a prática do aborto, por exemplo, mas as leis que a defendem. Sob esta ótica, uma mulher que tenha direito sobre o seu próprio corpo pode decidir entre seguir com uma gravidez ou interrompê-la. Questão pessoal... Esta é uma bandeira defendida e fomentada pela ONU e também pelo atual governo brasileiro. Junte-se a isso a mentalidade pragmática desta geração, segundo a qual o que interessa é o resultado imediato de cada ação humana ou social e não os valores que possam contradizer tal direção. Ora, como o Cristianismo defende e se baseia em valores, alguns dos quais só terão seus frutos revelados na eternidade, é visto (e será cada vez mais) como retrocesso pela sociedade secular.

Diante deste cenário tão contraditório, que opções restam ao povo de Deus? Se permanecermos passivos, como quem não tem nada a ver com tudo isto, seremos engolidos pelo secularismo e morreremos. Teremos assumido a condição descrita por Jesus como “sal insípido” e para nada prestaremos, exceto para ser pisados pelos homens.

Se nos colocarmos na defensiva, apenas preocupados em guardar o nosso espaço, talvez resistamos por um tempo, mas não seremos capazes de conquistar as próximas gerações e igualmente seremos tragados, ainda que mais lentamente. Escolher ser sal no saleiro não parece ser uma opção viável...

Resta-nos, então, apenas uma possibilidade digna: assumirmos a condição de agentes transformadores, nos apresentando ao mundo como um modelo completamente distinto e pagando o preço que for necessário para sustentá-lo. Talvez isso equivalha mais à proposta de Jesus de sermos “sal da terra”, que salga, que cura, que dá sabor...

Mas será isso possível, ou uma utopia da nossa religiosidade? Poderíamos nós causar uma verdadeira transformação social? A igreja pode levar a sociedade a mudar seus valores?

Se olharmos para o nível de corrupção que a igreja moderna apresenta e para a densidade das estruturas de iniquidade que regem a atual geração, diremos que não. Se, porém, colocarmos nossos olhos na Palavra de Deus, de onde pode nascer verdadeira fé, seremos inspirados a lutar por este ideal. A história de Daniel e seus três amigos (Hananias, Misael e Azarias) é um modelo para nós. Estes homens, que foram lançados ainda jovens no contexto absolutamente pervertido e pagão de Babilônia, viveram uma vida de compromisso tão radical com a fé e os valores da Palavra de Deus que se tornaram influência real sobre um grande império, mudaram a mentalidade de reis e deflagraram revisões inclusive nas leis, fazendo com que os valores santos sobrepujassem os decretos de iniquidade que vigoravam em sua época, em sucessivos governos (conf. Dn 3:28-30 e 6:26-30).

Como conseguiram tal proeza? O que de fato precisamos assumir em nossas vidas para ser sermos, mais do que uma igreja numerosa, uma geração transformadora?

A primeira verdade que me salta aos olhos ao ler a história de Daniel e seus amigos é que os transformadores não fogem ao desafio de serem homens "sem defeito". A busca de Nabucodonosor era por pessoas que pudessem ser um modelo (leia Dn 1:3-6, onde a expressão usada é "jovens sem defeito). De certa forma, esta é a busca do mundo nos nossos dias. Os medíocres não serão notados e não causarão nenhum tipo de influência... Daniel e seus amigos aceitaram o desafio, se esforçaram por apresentar-se excelentes, porém sob um padrão distinto do de Babilônia. Eles aceitaram ser investigados, avaliados. Estavam dispostos a se oferecer como referência, mas claramente não seguiriam os padrões do mundo. Seus valores eram outros e eles estavam dispostos a revelar uma excelência que Nabucodonosor não conhecia: a excelência do céu.

Por que uma igreja tão numerosa como a atual não está mudando a nossa nação? Somos dezenas de milhões de evangélicos e vemos o Brasil apodrecer cada vez mais em sua moral e ética social... Por que? Porque não estamos pagando preço para ser um modelo irrepreensível. Nosso comportamento não tem sido coerente com a nossa fé. Aceitamos ser medíocres em nossa expressão, em nosso compromisso. Por isso, fazemos volume, mas não causamos transformação... O mundo só ouvirá "crentes sem defeito"!

A igreja precisa entender que apenas volume não causa mudanças. O propósito de Deus para nós foi definido com muita sabedoria e objetividade por Paulo, em Filipenses 2:15. "Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como luzeiros no mundo".

Agora, precisamos estar conscientes de que não é possível alcançar a excelência em nada, a não ser que estejamos absolutamente comprometidos com uma visão. Como o preço é muito caro, só o pagam aqueles que estão dominados por um ideal. Aqueles quatro jovens investiram tudo o que tinham em ser uma referência do reino de Deus no Império Babilônico e esse investimento lhes custou muitos anos de vida fiel e irretocável.

Na verdade, os transformadores nascem da decisão de não se contaminar. O mundo em que Daniel e seus amigos foram plantados era um mundo consolidado em seus valores, cultura, linguagem e leis iníquas. Para os que se amoldassem aquele sistema haveria benefícios imediatos. Podiam comer da mesa do rei e beber do seu vinho livremente. Assim, teriam todas as facilidades para alcançar o status de referência babilônica, sem grandes dificuldades. O que a Bíblia nos informa, porém, é que "Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia"(Dn 1:8) e logo foi seguido nesse propósito por seus companheiros.

Decidir não se contaminar é antes de tudo definir a Palavra de Deus como única fonte de princípios, práticas e valores. Só se guarda de contaminação quem tem um conceito definido de pureza. No caso de Daniel, seguido por seus amigos, a fonte era a Lei do Senhor. Era a partir dela que eles definiriam o que aceitavam de Babilônia e o que não aceitavam.

Decidir não se contaminar é, na prática, abrir mão de benefícios e possibilidades do mundo para sustentar os valores do céu. Estou falando de abster-nos, de negar-nos ao caminho largo das facilidades mundanas para vivermos sob uma dieta celestial. Quer que eu traduza? Não prestamos para transformar nada se somos crentes que enrolam seus credores e deixam dívidas caducar até ao ponto de não poderem mais ser cobradas; se subornamos agentes de trânsito para não ter o prejuízo maior de uma multa; se assinamos declarações mentirosas para termos mais ganhos ou menos perdas em nossos negócios; se fazemos "gato" para manter um ponto adicional de TV por assinatura em nossas casas; se votamos em políticos "evangélicos" para que eles sejam simples "pistolões" que nos ajudem a "furar a fila" e ganhar casas de COHAB sem participar dos sorteios legais ou que facilitem a missão de construir nossos templos com dinheiro da imoralidade ética; se nossos jovens brincam com a afetividade e a pureza sexual em namoros tão erotizados e sem compromisso como os do mundo; se nossos casamentos também continuam terminando no atalho covarde do divórcio, enfim, se nos comportamos com esse tipo de postura baseada no chavão do "todo mundo faz", continuaremos sem condição que confrontar e questionar o padrão da sociedade sem Deus, por estarmos absolutamente conformados e comprados por ele. Ou seja, o que todo mundo faz só serve para nos colocar na condição medíocre e irrelevante de todo mundo.

Decidir não se contaminar é apostar numa outra forma de crescer na vida. Aqueles quatro jovens tinham a ambição de prosperar, de tornarem-se expoentes, de serem aprovados. Mas o caminho que eles escolheram para consegui-lo era completamente distinto. Enquanto os babilônicos se fiariam na carne, eles se fiariam na santidade... É esta a opção radical que a igreja precisa fazer e, infelizmente, de uma forma geral ainda não fez.

Outra coisa importante a destacar é que os transformadores se preparam em todos os níveis para conquistar influência. Daniel e seus amigos entenderam que era preciso investir no natural e no espiritual, aliar conhecimento e fé, razão e revelação. Se fossem só místicos, nunca chegariam a obter espaço sólido no mundo concreto. Se fossem só cabeças pensantes, pessoas tecnicamente preparadas, nunca poderiam falar em nome de Deus. Por isso, dedicaram-se fortemente nas duas dimensões, fazendo do espiritual a base para o natural, mas estabelecendo a excelência como meta para tudo. E quando, finalmente, foram avaliados ainda em sua juventude, o testemunho bíblico é que não foram achados outros tais como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; portanto ficaram assistindo diante do rei. E em toda a matéria de sabedoria e de discernimento, sobre o que o rei lhes perguntou, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos e encantadores que havia em todo o seu reino" (Dn 1:19-20).

A verdade é que não temos como tornar-nos modelos para o mundo se não buscarmos excelência naquilo que fazemos. É como eu falei: a mediocridade não chama a atenção... Daniel e seus amigos ocuparam espaço na área política e na administração pública porque estavam preparados para isto. Se não tivessem capacidade provada, não passariam de "gurus" do rei. Mas tornaram-se governantes, porque além de abençoados, tinham preparo para governar (conf. Dn 2:48-49). O que quero dizer é que uma igreja transformadora é uma igreja que envia gente "sem defeito" para ocupar espaço em todas as áreas da sociedade. Hoje, precisamos mais do que de pastores excelentes. Precisamos de educadores excelentes, de empresários excelentes, de políticos excelentes, de profissionais liberais excelentes, de trabalhadores excelentes, de artistas excelentes para mudar a sociedade.

Quero finalizar esse texto discorrendo sobre uma última e fundamental ideia: os transformadores são pessoas que não negociam seus princípios e sua devoção. Há momentos em que nossos valores e nossa fé são provados. No caso de Daniel e seus companheiros, o estilo de vida que eles propuseram foi ameaçado, não só pela privação de privilégios, mas pela punição de morte. Diante da fornalha ardente (conf. Dn 3:14-18) e da cova dos leões (conf. Dn 6:7-11), não titubearam e nem relativizaram sua fidelidade ao Senhor.

Na verdade, Daniel, Hananias, Misael e Azarias nunca aceitaram barganhar sua fé. Quando jovens, ainda em busca de um lugar ao sol, decidiram não se contaminar com os manjares do rei. Eles queriam subir na vida, mas escolheram o caminho estreito e mais difícil porque esse era o caminho de Deus... Creio que isso deve nos levar a uma avaliação: Como estamos buscando prosperar na vida? Como os do mundo ou como os transformadores?

Além do mais, esses homens não negociaram seus valores depois, para manter o lugar que conquistaram. Quando Daniel assistia diante do rei e contava com sua simpatia, não transigiu quanto à palavra profética e não deixou de falar segundo o coração de Deus, mesmo que não desse IBOPE ou mesmo o expusesse à rejeição... Ele não manteria o seu lugar às custas de se corromper.

Finalmente, Daniel e seus amigos não negociaram seus valores quando os decretos de iniqüidade ameaçaram suas vidas. A fidelidade dos transformadores aos princípios que crêem vai às últimas consequências. Por duas dramáticas ocasiões, esses homens foram expostos à morte por sua devoção, mas não transigiram. A fornalha ardente e a cova dos leões não foram ameaças suficientes para mudarem seu comportamento... E mesmo que Deus não os livrasse dos decretos de iniqüidade, estavam dispostos a manter sua visão.

O resultado de todo esse santo radicalismo (entenda esta palavra em sua forma literal, ou seja, a atitude de alguém que não se desprende de sua raiz), foi que a aprovação de Deus e o impacto que seu testemunho causou na vida de grandes reis desaguou numa influência tão forte que até as leis de um grande império foram mudadas por mais de uma vez em função do Deus de Daniel, Hananias, Misael e Azarias (conf. Dn 3:28-30 e 6:26-30).

Se nós tivermos a disposição de pagar o preço que eles tiveram, porque não podemos mudar o Brasil?

JESUS CRISTO É O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O poder de crer e confessar. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 04/09/16

Destruindo os inimigos das nossas orações. Dn 10:12-13. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 13/08/16

Ore até que algo aconteça! Is 62:6-7. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/07/16