Total de visualizações de página

Acesse o site da GERAÇÃO DE ADORADORES IGREJA DE VENCEDORES

20151027

Chamados para o descanso. Hb 4:7b-10. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 26/10/15

7b Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração. 9 Portanto, resta um repouso para o povo de Deus. 10 Porque aquele que entrou no descanso de Deus, também ele mesmo descansou de suas obras, como Deus das suas.” Hb 4:5-10

Introdução

A obra de Deus é toda feita pelo próprio Deus. Quando decidiu criar o homem, primeiro Ele criou todas as coisas e depois plantou o jardim do Éden. Quando tudo já estava pronto, somente a partir dai, Adão foi criado. O homem foi criado no sexto dia. Isso indica que o primeiro dia do homem foi o sétimo de Deus, ou seja, o dia do descanso. Depois da obra concluída e consumada, o homem é convidado a participar da obra de Deus entrando em seu descanso. Como Adão, nós apenas cultivamos o que Deus já plantou, apenas participamos do descanso de Deus.
Isso certamente aponta para um princípio espiritual de que toda a obra de Deus em nós depende de aprendermos a entrar no Seu descanso.

O princípio do descanso em Canaã

Quando Deus livrou o povo de Israel da escravidão do Egito e os conduziu a Canaã, ele fez questão de mencionar que o povo não teria de fazer coisa alguma. Eles entrariam em casas que não tinham construído, poços que não tinham cavado e plantações que não tinham semeado. Eles iriam participar da bênção da obra completa de Deus, da obra consumada.

“Havendo-te, pois, o SENHOR, teu Deus, introduzido na terra que, sob juramento, prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades, que tu não edificaste; e casas cheias de tudo o que é bom, casas que não encheste; e poços abertos, que não abriste; vinhais e olivais, que não plantaste.” Dt 6:10-11

O princípio do descanso na obra de Cristo

O mesmo princípio se aplica à obra de Cristo. Se Adão já recebeu o jardim do Édem pronto e o povo de Israel herdou uma nação pronta, nós também recebemos uma salvação completa. Temos salvação quando descansamos no que Deus já fez por meio de Cristo. A maior de todas as bênçãos que recebemos é a salvação e ela é recebida quando descansamos.

Como você recebeu a Cristo?

Pela fé! Se a salvação é recebida assim, por que as outras bênçãos nos seriam dadas de outra forma? Todas as bênçãos são recebidas pelo descanso da fé. Deus deseja que vivamos no descanso porque a fé é o descanso.

Sem fé é impossível agradar a Deus! “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hb 11:6
 
Em Colossenses 2:6, Paulo diz: “Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele”. Cl 2:6

Descanso é a principal evidência da fé autêntica

Quando cremos ou manifestamos a nossa fé, entramos no descanso de Deus. A fé possui muitas 
expressões (ousadia, intrepidez, coragem), mas a mais poderosa manifestação da fé é o descanso. Sabemos que uma pessoa tem fé quando em meio às circunstâncias adversas, em meio aos mais pavorosos problemas, a pessoa descansa.
Eu me lembro do dia em que depois de receber um diagnóstico negativo, nossa amada irmã Léia disse: “Hummmm... que vontade de comer coxinha e tomar café com leite.” A fé provoca o descanso. A fé é o próprio descanso, é a segurança.
Deus sempre vai se manifestar no descanso, nunca na confusão. “porque Deus não é de confusão, e sim de paz.” 1Co 14:33
Quando descansamos, estamos declarando que realmente cremos na promessa de Deus e na verdade de que tudo já está consumado.

A orientação de Pedro para não perdermos a fé (descanso) é sempre lançar as nossas ansiedades sobre o Senhor. 1Pe 5:6
“6 Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte, 7 lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” 1Pe 5:6-7
“Portanto, contentem-se com o que são e não empinem o nariz. A mão de Deus é forte e está sobre vocês. Ele os exaltará no tempo certo. Vivam livres de preocupação na presença de Deus: ele toma conta de vocês.” 1Pe 5:6-7 (A Mensagem)
Jesus quer carregar o nosso fardo pesado! E o apelo é esse: “28 Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.” Mt 11:28
Se não entramos no descanso, não temos como receber e desfrutar de todas as bênçãos de Deus, pois Deus não opera na ansiedade.

Salmo 23 – O Salmo do descanso

No Salmo 23, por exemplo, a primeira coisa que o Senhor faz é nos levar para repousar em pastos verdejantes e descansar junto às águas tranquilas. Assim, a primeira condição para termos a provisão de Deus é o descanso. O suprimento só flui quando descansamos em Deus.
O Salmo 23 é conhecido como o Salmo do bom pastor, mas deveria ser chamado de Salmo do descanso.

“1 O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. 2  Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; 3  refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. 4 A inda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum (descansarei), porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. 5  Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. 6  Bondade (favor de Deus) e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre.” Sl 23.1-6

Somente depois que repousamos nos pastos verdejantes e bebemos das águas de descanso, é que podemos desfrutar da bênção de ter uma mesa colocada diante de nossos inimigos, ter nossa cabeça ungida pelo óleo do Espírito e ter um cálice transbordante de toda sorte de bênçãos. Sem cumprirmos a condição do descanso, deixaremos de desfrutar de todas essas bênçãos.

Salmo 91 - O Salmo do descanso

Podemos ver o mesmo princípio no Salmo 91. Todas as bênçãos que o salmista descreve estão disponíveis somente para aquele que está descansando na sombra do Onipotente. Esta é a condição colocada logo no início, precisamos descansar na sombra do Onipotente.
O Salmo 91 é conhecido como um Salmo de livramento, mas poderia ser chamado de Salmo de descanso.

“1 Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. 2 Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. 3 Porque ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. 4 Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguro; a sua verdade é escudo e broquel. 5 Não temerás espanto noturno, nem seta que voe de dia, 6 nem peste que ande na escuridão, nem mortandade que assole ao meio-dia. 7 Mil cairão ao teu lado, e dez mil, à tua direita, mas tu não serás atingido. 8 Somente com os teus olhos olharás e verás a recompensa dos ímpios. 9 Porque tu, ó SENHOR, és o meu refúgio! O Altíssimo é a tua habitação. 10 Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda. 11 Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos. 12 Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra. 13 Pisarás o leão e a áspide; calcarás aos pés o filho do leão e a serpente. 14 Pois que tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei num alto retiro, porque conheceu o meu nome. 15 Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; livrá-lo-ei e o glorificarei. 16 Dar-lhe-ei abundância de dias e lhe mostrarei a minha salvação.” Sl 91.1-11

Todo livramento virá depois do descanso

O descanso vem primeiro e depois uma série de bênçãos nos serão acrescentadas. Uma vez que descansamos na sombra do Onipotente, seremos:
·      Livrados do laço do passarinheiro e da peste perniciosa.
·     Não nos assustaremos por causa da peste que se propaga nas trevas, nem por causa da mortandade que assola ao meio-dia. Mil cairão ao nosso lado, e dez mil, à nossa direita, mas não seremos atingidos. Tudo isso será assim porque estamos no descanso.
·      Nenhum mal nos sucederá e praga nenhuma chegará à nossa tenda.

Temos muita dificuldade de entrar no descanso por parecer um ato de irresponsabilidade.

Talvez por causa de nossos temores em relação à opinião dos outros sobre nós. O descanso pode ser interpretado por alguns como um tipo de irresponsabilidade, e nós não queremos que nos vejam assim. Dessa forma, nos sobrecarregamos de preocupações e problemas somente para passar a impressão de que somos muito responsáveis. Mas, fazendo assim, perdemos o desfrute da bênção.

O exemplo de Marta e Maria

“38 Indo eles de caminho, entrou Jesus num povoado. E certa mulher, chamada Marta, hospedou-o na sua casa. 39 Tinha ela uma irmã, chamada Maria, e esta quedava-se (descansava) assentada aos pés do Senhor a ouvir-lhe os ensinamentos. 40 Marta agitava-se de um lado para outro, ocupada em muitos serviços. Então, se aproximou de Jesus e disse: Senhor, não te importas de que minha irmã tenha deixado que eu fique a servir sozinha? Ordena-lhe, pois, que venha ajudar-me. 41 Respondeu-lhe o Senhor: Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas (Descanse). 42 Entretanto, pouco é necessário (Pouca fé) ou mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada.” Lc 10:38-42

“1 Estava enfermo Lázaro, de Betânia, da aldeia de Maria e de sua irmã Marta. 2 Esta Maria, cujo irmão Lázaro estava enfermo, era a mesma que ungiu com bálsamo o Senhor e lhe enxugou os pés com os seus cabelos. 3 Mandaram, pois, as irmãs de Lázaro dizer a Jesus: Senhor, está enfermo aquele a quem amas. 4 Ao receber a notícia, disse Jesus: Esta enfermidade não é para morte, e sim para a glória de Deus, a fim de que o Filho de Deus seja por ela glorificado. 5 Ora, amava Jesus a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. 6 Quando, pois, soube que Lázaro estava doente, ainda se demorou dois dias no lugar onde estava. 7 Depois, disse aos seus discípulos: Vamos outra vez para a Judéia.” Jo 11:1-6
“17 Chegando Jesus, encontrou Lázaro já sepultado, havia quatro dias. 18 Ora, Betânia estava cerca de quinze estádios perto de Jerusalém. 19 Muitos dentre os judeus tinham vindo ter com Marta e Maria, para as consolar a respeito de seu irmão. 20 Marta, quando soube que vinha Jesus, saiu ao seu encontro; Maria, porém, ficou sentada em casa. 21 Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se estiveras aqui, não teria morrido meu irmão. 22 Mas também sei que, mesmo agora, tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá. 23 Declarou-lhe Jesus: Teu irmão há de ressurgir. 24 Eu sei, replicou Marta, que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia. 25 Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; 26 e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto? 27 Sim, Senhor, respondeu ela, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo. 28 Tendo dito isto, retirou-se e chamou Maria, sua irmã, e lhe disse em particular: O Mestre chegou e te chama. 29 Ela, ouvindo isto, levantou-se depressa e foi ter com ele, 30 pois Jesus ainda não tinha entrado na aldeia, mas permanecia onde Marta se avistara com ele. 31 Os judeus que estavam com Maria em casa e a consolavam, vendo-a levantar-se depressa e sair, seguiram-na, supondo que ela ia ao túmulo para chorar. 32 Quando Maria chegou ao lugar onde estava Jesus, ao vê-lo, lançou-se-lhe aos pés, dizendo: Senhor, se estiveras aqui, meu irmão não teria morrido. 33 Jesus, vendo-a chorar, e bem assim os judeus que a acompanhavam, agitou-se no espírito e comoveu-se. 34 E perguntou: Onde o sepultastes? Eles lhe responderam: Senhor, vem e vê! 35 Jesus chorou. 36 Então, disseram os judeus: Vede quanto o amava. 37 Mas alguns objetaram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer que este não morresse? 38 Jesus, agitando-se novamente em si mesmo, encaminhou-se para o túmulo; era este uma gruta a cuja entrada tinham posto uma pedra. 39 Então, ordenou Jesus: Tirai a pedra. Disse-lhe Marta, irmã do morto: Senhor, já cheira mal, porque já é de quatro dias. 40 Respondeu-lhe Jesus: Não te disse eu que, se creres, verás a glória de Deus? 41 Tiraram, então, a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou porque me ouviste. 42 Aliás, eu sabia que sempre me ouves, mas assim falei por causa da multidão presente, para que creiam que tu me enviaste. 43 E, tendo dito isto, clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! 44 Saiu aquele que estivera morto, tendo os pés e as mãos ligados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então, lhes ordenou Jesus: Desatai-o e deixai-o ir. 45 Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo visitar Maria, vendo o que fizera Jesus, creram nele.” Jo 11:17-45

Outros pensam que o descanso pode ser mal interpretado como sendo preguiça ou passividade.

Por isso, se enchem de atividades muitas vezes desnecessárias. Alguns acreditam mesmo que ficar preocupado é um tipo de expressão de cuidado e amor. Quantas esposas não dizem ao seu marido: “Como você pode ir dormir se seu filho ainda não chegou em casa?” “Mas eu sei que ele está bem! Já até orei por ele! Agora eu vou dormir!” Mas, para aquela mãe, o pai ama menos o filho, e ela certamente não se permitirá descansar porque ama o filho, mas também porque se sentirá culpada se for dormir. Afinal, uma preocupação ansiosa é o que se espera de uma boa mãe, imagina. Como posso dizer que amo se não fico preocupado? É como aquele que vai ao velório e chora muito, mas não de tristeza, apenas para que ninguém diga que ele não gostava do falecido.

Não por força e nem por poder humano, mas pelo descanso!

O suprimento de Deus está disponível para aquele que descansa no Seu poder. Em Zacarias 4, o profeta teve uma visão onde tubos de ouro vertendo azeite dourado supriam o povo de Deus.
“E me perguntou: Que vês? Respondi: olho, e eis um candelabro todo de ouro e um vaso de azeite em cima com as suas sete lâmpadas e sete tubos, um para cada uma das lâmpadas que estão em cima do candelabro. Junto a este, duas oliveiras, uma à direita do vaso de azeite, e a outra à sua esquerda. Então, perguntei ao anjo que falava comigo: meu senhor, que é isto? Respondeu-me o anjo que falava comigo: Não sabes tu que é isto? Respondi: não, meu senhor. Prosseguiu ele e me disse: Esta é a palavra do SENHOR a Zorobabel: Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos.” Zc 4.2-6

No Novo Testamento, o Senhor Jesus disse que o candelabro é a igreja. Hoje, há uma botija com sete bocas despejando azeite sobre cada haste do candelabro. Cada haste pode ser interpretada como áreas distintas de nossas vidas. Todo o azeite de ouro está fluindo sobre as diferentes áreas de nossas vidas. O óleo de suprimento está constantemente fluindo e nunca cessa. Há óleo fluindo para nossa vida financeira, nossa vida familiar, nossa vida de santidade e tudo o mais. Mas, quando ficamos preocupados e ansiosos, fechamos a boca do tubo e cessamos o suprimento. Quando, porém, descansamos e relaxamos, nós liberamos o fluir da unção. Normalmente, as áreas em que temos problemas hoje são justamente aquelas com as quais estávamos preocupados ontem.
Veja que o Senhor diz ao profeta que a vitória não será por força e nem por poder humano. O poder de Deus é liberado quando entramos no descanso. O descanso é a expressão mais poderosa de fé.

“Porque assim diz o SENHOR Deus, o Santo de Israel: Em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação; na tranqüilidade e na confiança, a vossa força, mas não o quisestes.” Is 30:15

Eu aprendi pela experiência que a prosperidade e o sucesso vêm quando temos grandes ideias, e as novas ideias fluem quando estamos relaxados. A visão e os sonhos se renovam quando entramos no descanso.

Nunca pense, porém, que o descanso de Deus é o mesmo que passividade. Há uma grande diferença entre descanso e passividade. Podemos ver claramente essa diferença no exemplo da luta do povo de Israel contra Amaleque, em Êxodo 17. No verso 8, lemos: “Então, veio Amaleque e pelejou contra Israel em Refidim”.

Porque Amaleque veio guerrear contra Israel justamente em Refidim? A palavra “Refidim” significa “lugar de descanso”. Amaleque sempre vem para lutar contra você no seu lugar de descanso. A palavra “Amaleque” vem de uma outra palavra hebraica, emal, que significa “dor, fardo pesado e trabalho árduo”. Veja que isso é exatamente o oposto de descanso.
Como Israel venceu Amaleque? Diz a Palavra de Deus que Moisés subiu ao monte junto com Arão e Hur, enquanto Josué desceu ao vale com o exército para lutar contra os amalequitas. A Palavra de Deus diz que, quando Moisés erguia as mãos, Israel prevalecia, e quando ele abaixava as mãos, Amaleque prevalecia. Acontece que as mãos de Moisés eram pesadas e ele não conseguia ficar muito tempo com elas erguidas. Assim, Arão e Hur seguravam suas mãos.
O que significa isso? Arão era sacerdote, por isso ele simboliza o sacerdócio. Hur era príncipe da tribo de Judá, a tribo dos reis, por isso simboliza a realeza. Isso indica que a nossa vitória é sustentada pelo sacerdócio e pela realeza. Outra aplicação prática é que todo líder precisa de irmãos ao seu lado para prevalecer contra os inimigos.
Uma vez que Arão e Hur seguraram a mão de Moisés, então Josué podia prevalecer contra Amaleque. Diante disso, eu pergunto: se Moisés não levantasse as mãos, Josué poderia ter vencido? Certamente não. E se não houvesse Josué lutando no vale, será que Moisés sozinho no monte venceria o inimigo? Eu creio que não. Então, é preciso haver oração e trabalho. Descanso nunca pode significar inatividade ou passividade.

Se estou desempregado e creio que vou conseguir um emprego, eu preciso primeiro entrar no quarto e orar, como fez Moisés, mas depois é preciso sair e vencer lá no campo, como fez Josué. O descanso de Deus é sempre um descanso ativo. Deus disse que haveria guerra permanente contra Amaleque. Isso significa que essa é a única guerra para a qual somos chamados: a guerra do descanso. É a guerra para vencer a tentação de fazer as coisas em nossa própria força sem depender do poder de Deus.
Nós devemos, sim, lutar pelas almas dos homens, pelejar pela nossa casa, pela nossa família, pelos nossos filhos e cônjuge, mas essa luta precisa ser no descanso de quem sabe que a obra já foi completada.


Em Mateus 12.43, Jesus disse que, quando um demônio sai de uma pessoa, ele procura um lugar 
para descansar. Isso significa que o diabo não tem descanso e seu alvo é fazer com que vivamos em preocupação, medo e angústia em todo o tempo. Eu sei que essa é uma afirmação séria, mas eu creio que os demônios não têm descanso, e quando nós mesmos vivemos atribulados e sem descanso, estamos vivendo como um demônio. O lugar que damos ao diabo é justamente uma alma que não descansa em Deus. Mas, quando entramos no descanso, nós retiramos todo espaço do diabo em nós. O inimigo não pode entrar onde existe o descanso de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Senhor Cara Legal - Evangelismo com o livrete 11ª Questão

O poder da oração no Espírito