Pular para o conteúdo principal

Cuidado, a ceia é a celebração do Corpo de Cristo! 1Co 10:16-17; 11:17-34. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 23/04/17

Introdução

Como sabemos a igreja local é constituída por um grupo de irmãos que se reúnem regularmente numa determinada localidade, seja num prédio ou residência. Precisamos enxergar de maneira mais esclarecida, os valores dessa igreja e os benefícios que se pode receber sendo um membro ativo do processo de edificação e expansão da mesma. Todos os crentes que de fato querem ser reconhecidos como discípulos de Cristo, foram chamados para esse fim, para efetivamente edificarem a igreja de Jesus.
Jesus se manifestou para desfazer as obras do Diabo (1Jo 3:8) e assim Ele o fez edificando a Sua igreja. Hoje, nós que somos seus discípulos devemos fazer o mesmo através da igreja. Cristãos autênticos vencem o poder do diabo e de seus demônios através da igreja, através da vida comunitária e coletiva da igreja. O próprio Jesus disse que as portas do inferno não prevaleceriam contra a igreja (Mt 16:18).
Individualmente, no nome de Jesus, podemos resistir aos demônios e até principados, mas para destruir as obras do inferno, e avançarmos no processo de amadurecimento pessoal e expansão do Reino de Deus, precisamos entender o valor da igreja.

Por que estou falando sobre isso hoje? Porque Paulo no texto compartilhado, está trazendo uma dura exortação aos Coríntios quanto à maneira de eles reunirem para a celebração da ceia. Paulo está chamando a atenção daqueles crentes, pois participando da ceia na condição em que eles estavam, com uma motivação estranha como a deles, na verdade eles estavam trazendo juízo e condenação para si.

As nossas atitudes nunca são neutras. Elas produzem bênção ou maldição em nossas vidas! O cálice da Ceia é chamado por Paulo de “cálice da bênção”. Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo.” 1Co 10:16

No entanto, no texto base que compartilhamos no início, vemos que a mesma Ceia que traz bênção também pode trazer juízo e maldição sobre os crentes! Podemos perceber que a Ceia do Senhor é um ato com conseqüências espirituais. A Igreja de Corinto tinha todos os dons do Espírito Santo em operação (1 Co 1:7), o que incluía os dons de cura, mas, mesmo assim, havia entre eles muitos fracos e doentes, bem como mortes prematuras. O apóstolo disse que vivendo dessa maneira, eles estavam reunindo para pior. 1Co 11:17

Paulo diz que a igreja de Corinto estava reunida para o ato da ceia, mas não para serem abençoados, mas para pior. Estavam reunidos para juízo e condenação.

29 pois quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si. 30 Eis a razão por que há entre vós muitos fracos e doentes e não poucos que dormem”. 1Co 11:29-30

“E não poucos que dormem” é eufemismo (figura de linguagem), um termo mais agradável para suavizar uma expressão, porque o que Paulo está dizendo é que por causa dessa falta de discernimento do corpo (igreja), muitos já estavam mortos.

Conforme o verso 29, comemos a ceia indignamente e fazemos isso para pior, para a nossa condenação quando não discernimos o Corpo de Cristo, quando não temos revelação da igreja de Jesus. Quem não discerne o Corpo de Cristo vive na base do ego desprezando a vida comunitária da igreja.

Existem algumas situações no texto que nos revelam pecados decorrentes de comer e beber sem discernir a igreja.

Quando comemos a ceia sem discernir o corpo?

1.       Quando nos tornamos divisivos.

“17 Nisto, porém, que vos prescrevo, não vos louvo, porquanto vos ajuntais não para melhor, e sim para pior. 18 Porque, antes de tudo, estou informado haver divisões entre vós quando vos reunis na igreja; e eu, em parte, o creio.”

·         Fazendo acepção de pessoas;

·         Escolhendo amizades, líderes, célula, etc.

·         Achando que somos donos do nosso próximo.

·         Nos ocupando em observar as falhas dos irmãos.

2.      Quando evitamos relacionamentos mais profundos.

“20 Quando, pois, vos reunis no mesmo lugar, não é a ceia do Senhor que comeis. 21 Porque, ao comerdes, cada um toma, antecipadamente (rapidamente), a sua própria ceia; e há quem tenha fome, ao passo que há também quem se embriague.” 1Co 11:20-21

Algumas pessoas limitam seus relacionamentos no Corpo de Cristo a um cumprimento “paz do Senhor” ou “como vai você irmão?”. Na verdade, muitos sustentam uma vida oculta, tem uma segunda agenda, vivem à margem da vida de Cristo que flui somente através da igreja. Alguém pode dizer: “Eu sou anti-social.” ???? Não há cristianismo antissocial. Geralmente as pessoas que decidem relacionar de maneira superficial no contexto da igreja, estão vivendo fora do padrão de santidade e vivem sozinhas para não serem descobertas.

3.      Quando não temos tempo para a coletividade. At 2:1-4; At 2:42-47

Muitos cristãos não valorizam a Celebração, a célula, os eventos, as conferências, etc.

Celebração – Célula – Sexta Fire

Geralmente a falta de tempo para a igreja é compensada com a ocupação do tempo com outras atividades. Não ter tempo para a celebração ou célula é na verdade não quero estar na célula ou celebração. Como podemos dizer que a nossa vida pertence ao Senhor, se não temos tempo para Ele? A vida de um homem se resume no traço entre a data de seu nascimento e a data do falecimento. Esse tempo (cronos) é a nossa vida. A sua vida diária são as 24 horas do dia. Sua vida semanal está compreendida nas 168 horas da semana. Quanto desse tempo você está destinando à igreja. Dizer que você não tem tempo é estratégia do diabo para te afastar da igreja. Ex 5:6-9

Existem moveres que são individuais e geralmente tratam das questões interiores. Por isso Jesus disse que podemos orar em secreto no nosso quarto que o Pai nos ouvirá. Mas acredite na Bíblia, as reuniões da igreja são liberações poderosas de unção e glória. As mais significantes experiências que homens tiveram no Novo Testamento, foram coletivas, em meio a muitas pessoas.

4.      Quando não investimos na igreja.

“32 Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. 33 Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. 34 Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo- as, traziam os valores correspondentes 35 e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade.” At 4:32-35

A ordem de prioridades do cristão, segundo o que aprendemos no passado era:

Deus – Família – Trabalho – Igreja. Será que isso é certo? ERRADO!!!
Deus – Igreja – Família – Trabalho. CERTO!!! 

Diga-se com ênfase a palavra “investir”. Pois tudo o que semeamos na igreja é um investimento. Não existe uma aplicação mais segura e rentável do que a obra de Deus.


É relevante destacarmos e discernir esse aspecto do Corpo do Senhor. O corpo de Jesus quando viveu como homem entre os homens, foi investido e o Corpo de Cristo (igreja) também precisa de investimento. Isto nos ajudará a entendermos um paralelo espiritual de grande importância. A nossa ênfase quando falamos de investir é no cuidado, ou na manutenção do Corpo de Cristo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O poder de crer e confessar. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 04/09/16

Entendendo a fé...
1. A fé é um espírito (2Co 4:13)
“Tendo, porém, o mesmo espírito da fé, como está escrito: Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos...”. 2Co 4:13
Veja que a fé não é questão de fórmula, mas de espírito. Paulo diz que temos o mesmo espírito de fé de Abraão, Moisés ou Davi. Sendo a fé um espírito, ela é contagiosa e por isso pode se espalhar. Você deve se lembrar do dia em que os doze espias foram enviados para espiar a terra de Canaã. Depois de quarenta dias, eles voltaram e dez deles disseram:
“Não podemos conquistar essa terra. As muralhas são muito largas, os gigantes, muito altos, e nós somos muito pequenos”. Mas dois deles, Josué e Calebe, disseram: “Vamos conquistar a terra, como pão, os podemos devorar; retirou-se deles o seu amparo; o SENHOR é conosco; não os temais”. Nm 14:9
Toda a nação acreditou nos dez espias e, por causa disso, morreram no deserto; mas, a respeito de Calebe, o Senhor disse que nele havia um espírito difer…

Destruindo os inimigos das nossas orações. Dn 10:12-13. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 13/08/16

"12 Então, me disse: Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. 13 Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia.” Dn 10:12-13
Por que temos tanta dificuldade para orar?
Eu creio que todos temos ideia de quanto a oração é importante pelo grau de dificuldade que sempre enfrentamos para orar. O nosso inimigo vai lutar de todas as formas para impedir que nossas orações cheguem ao trono do Pai. Ele vai tentar colocar barreiras que vão tentar invalidar nossas orações, para que a nossa oração não seja ouvida pelo Senhor. Precisamos remover então essas barreiras para o êxito na nossa oração.
Guarde essa verdade: O diabo e os demônios não querem que você ore! Eles sempre se oporão a você, pois sabem melhor d…

Ore até que algo aconteça! Is 62:6-7. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/07/16

“6 Sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas, que todo o dia e toda a noite jamais se calarão; vós, os que fareis lembrado o Senhor, não descanseis, 7 nem deis a ele descanso até que restabeleça Jerusalém e a ponha por objeto de louvor na terra.”  Is 62:6,7
Introdução
Toda ação sobrenatural de Deus é precedida de oração. As chuvas de bênçãos não caem sem que antes nossos joelhos se dobrem. Deus não sarará a nossa terra sem que primeiro seu povo se humilhe e ore fervorosa e perseverantemente. (2Cro 7:14)
Jonathan Edwards, o clássico teólogo do avivamento disse: “Quando Deus tem algo muito grande para realizar em favor da igreja, o desejo dele é que esse seu ato seja precedido por orações extraordinárias do seu povo.”
Muitos cristãos estão vivendo tempos de estiagem e sequidão, porque não oram. Alguém me disse: Pastor Edenir, em minha igreja a reunião de oração está em estado de coma, está na UTI prestes a morrer. Os irmãos andam muito ocupados para ocupar-se com Deus em oração.
Não pode…