Jesus e a vida de cruz. Mt 16:24-25 - Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 09/01/11

24 Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me; 25 pois, quem quiser salvar a sua vida por amor de mim perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á. Mt 16:24

Se alguém quiser seguir após Jesus, esse alguém deve negar a si mesmo. Salvar a vida aqui é se poupar e se preservar, neste caso Jesus diz que esse perderá a sua vida. Pense nisso: Você tem aquilo que você abre mão, mas perde quando você retém. Todo mundo perde quando retém aquilo que lhe pertence.

Ser ou não discípulo de Cristo é uma questão de negar ou não o ego. O ego é coisa séria. Muitos irmãos precisam compreender essa verdade fundamental da palavra de Deus.

Vamos entender isso melhor adiante, analisando os três níveis de relacionamentos que Jesus desenvolveu.

Ø Multidão

Ø Seguidores ocasionais

Ø Discípulos

O primeiro nível de relacionamento de Jesus foi com a multidão. Aqui no capítulo 16 ele pergunta aos discípulos: Quem diz o povo ser o filho do homem? Na resposta dos discípulos, vemos que a multidão não conhecia Jesus. Eles diziam que era João Batista, Elias, Jeremias ou um dos profetas. Ainda que de alguma forma isso em parte fosse verdade, vemos que multidão não tinha uma visão clara a respeito de Jesus.

Nós não estamos aqui para ter um conceito abstrato a respeito de Jesus, fomos chamados para conhecê-lo de perto!

Ainda assim, Jesus não descartou a multidão. Ele curava no meio da multidão, fazia sinais e prodígios no meio desse povo, mas sua atenção maior não era para a multidão. Veja que logo após os discípulos dizerem a respeito da multidão, Jesus pergunta: “E vós quem dizeis que eu sou?”. O foco maior do Senhor era seus discípulos.

O segundo nível de relacionamento que podemos ver é o dos seguidores ocasionais. Estes eram pessoas que residiam nas cidades por onde Jesus passava ou pessoas que seguiam Jesus, mas sempre com certas reservas.

JOSÉ DE ARIMATÉIA foi um destes homens que seguia Jesus, mas tinha medo da opinião dos outros. O problema era o seguinte: Após a morte de Jesus quem o enterraria? Não, não apenas quem o enterraria, mas quem lhe faria o sepultamento respeitável e compassivo de que merecia? Quem cuidaria para que o corpo de Jesus não fosse colocado num sepulcro comum, mas que Jesus estivesse "com o rico ... na sua morte", como foi profetizado por Isaías (53:9)? Quem colocaria o seu corpo em "um sepulcro novo, no qual ninguém tinha sido ainda posto"? (João 19:41).

A resposta haveria de vir de uma fonte surpreendente. Não seriam os apóstolos, pois a maioria deles estava se escondendo de medo dos judeus (João 20:19). Não seriam as mulheres que o seguiram fielmente, pois não tinham recursos para isso. Seria José de Arimatéia. José tinha muitas qualidades admiráveis. Ele era um homem justo e bom que esperava o reino de Deus. Ele se destacou entre os seus companheiros para crer em Jesus. Ele não permitiu que nomes como "blasfemo", "samaritano", "enganador" e "poder de Belzebu" o dispusessem contra Jesus. Quando o conselho havia condenado a Jesus, entregando-o a Pilatos para a sentença de morte, José "não tinha concordado com o desígnio e ação" (Lucas 23:51). Havia algo em José, entretanto, que não era bom. A morte de Jesus e a necessidade de ter um enterro decente trouxeram à tona o melhor de José. "Dirigiu-se resolutamente a Pilatos e pediu o corpo de Jesus". Até a época da morte de Jesus, ele tinha sido um seguidor ocasional, "ocultamente pelo receio que tinha dos judeus" (João 19:38).

Ninguém jamais deve se envergonhar de Jesus, independente das circunstâncias.

NICODEMOS foi outro seguidor ocasional. Ele tinha reconhecido a legitimidade do ensino e do poder de Jesus: "Sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus" (João 3:2). Certa vez ele tinha questionado o conselho sobre a indisposição de ouvir Jesus com justiça (João 7:45-52). Nicodemos, porém, como José, não havia confessado abertamente a fé em Cristo. Procurou ter com Jesus no meio da noite com medo de ser visto. Receio, medo, vergonha. Talvez tenha procurado Jesus disfarçado. Era um agente secreto de Jesus.

Muitos hoje vivem assim são simpáticos à obra de Deus, mas não são suficientemente claros na sua prática de fé. Vivem escondidos na religiosidade ou vestidos de disfarces. Os adolescentes e jovens vivem muito esse nível de relacionamento. Não são todos, mas boa parte deles está como José de Arimatéia e Nicodemos.

O terceiro nível e é este que realmente interessa é o nível dos discípulos. Lembre-se, pra você ser salvo é muito fácil, mas para ser discípulo precisa-se ir além. Precisamos pagar um preço. Discípulo é aquele que sabe desse preço e decide pagá-lo por amor a Cristo. Ser discípulo envolve o discipulado. A manifestação do ego impede as pessoas de serem verdadeiros discípulos. Isso é o maior entrave para o seu crescimento. Para ser discípulo devemos renunciar nosso ego.

O ego arrogante e orgulhoso é que nos impede de crescer no Senhor.

Vamos compartilhar algumas expressões do ego e o posicionamento que devemos assumir. Vamos usar a vida de Jesus, pois ele segundo disse Isaias é o nosso padrão. “Ele verá o trabalho de sua alma e ficará satisfeito.” Is 53:11

Vamos aprender então alguns princípios manifestados em Jesus para sermos reconhecidos como seus discípulos.

1º Jesus aprendeu a submeter-se. Hb 5:8

O primeiro sinal de renúncia do ego é a submissão. Esse assunto é um dos assuntos mais difíceis de serem tratados na igreja. Jesus teve de aprender a obediência e a submissão. O escritor aos hebreus disse: “8 ainda que era Filho, aprendeu a obediência por meio daquilo que sofreu...” Hb 5:8

Como Jesus teve de aprender algo? Estranho pensar nisso? Deus conhece e sabe todas as coisas, mas ele nunca tinha obedecido a ninguém! Deus não sabia o que era obedecer até Jesus, pois como disse, ele sempre foi Deus. Mas em Cristo ele se fez homem para habitar entre nós, e a partir daí teve de submeter-se. Antes de Abrão existir, Jesus disse “Eu Sou”. Ele disse: “eu sou o alfa...” no entanto, ele teve de nascer de Maria, foi morar em um vilarejo. A pergunta de Natanael a André foi “pode alguma coisa boa vir de Nazaré? Jesus foi criado em Nazaré. Veja o lugar onde Deus quis se fazer gente. Veja que José era carpinteiro, Maria sua mãe, às vezes se comportou de maneira incoveniente. Um dia ela fala mais que a boca, em cana da galiléia quando questiona Jesus a respeito do vinho que havia acabado. Outra vez manda chamar Jesus em meio a uma operação de milagres. Mas ainda assim lemos a respeito de Jesus em Lc 2:51: “Então, descendo com eles, foi para Nazaré, e era-lhes sujeito.” Jesus discutiu com os doutores e quando seus pais lhe chamaram atenção vemos a Bíblia dizer que Jesus lhes era submisso.

Efésios nos ensina a submeter uns aos outros. “Sempre dando graças por tudo a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.” Ef 5:20-21

É fácil submeter-se a pessoas que estão acima de nós, mas ter de submeter às pessoas que julgamos serem inferiores a nós é muito difícil. Veja na célula, muitas pessoas não aceitam ficar nas nossas células, pois não aceitam submeter-se aos líderes. Alguns dizem: Meu líder é muito novo. Outros dizem: Ele tem certa deficiência.

Outros chegam ao extremo de dizer: eu só ando com gente melhor do que eu. Já pensou se o melhor pensasse como você? Certamente você não andaria com ele!

Quer ser discípulo de Jesus? Submeta-se! Pois quando estamos em situações como essas, o teste é conosco. Tem gente que não se submete a ninguém. Acham que podem viver independentes de autoridades. Estes provavelmente já passaram por várias igrejas e precisam aprender que uma mudança interior baseada na submissão é necessária. Se você quer ser discípulo de Jesus aprenda a submeter-se. E os líderes que por estarem liderando perdem o princípio da submissão? Eles até eram simples e submissos, mas deixaram de obedecer e submeter por que afinal de contas agora “eu sou líder”.

2º Jesus teve um coração ensinável. Hb 5:8

Alguns dizem: Eu não preciso de ninguém para me ensinar. Ou: Eu aprendo direto com Deus. Chamamos isso de síndrome de Adão. Alguns andam pelo princípio de Adão que era filho e discípulo de Deus. Cuidado! Isso é orgulho! Se você pode aprender algo com um irmão, Deus não vai ensinar direto a você! Deus resiste ao soberbo.

Outros já acham que sabem tudo. “O que você ensinou eu já sei.” “eu já escutei essa palavra”. Não importa quão simples sejam as pessoas e o que elas dizem, elas podem nos ensinar. Nem tudo o que aprendemos dessas pessoas são conhecimento e informação. Podemos aprender a amar, a sermos mais simples, humildes etc. Boa parte do que Deus quer nos ensinar será ministrado através de irmãos. Muitos mudam de rede ou de célula porque acham que seus líderes não tem o que ensinar. Cuidado com isso! O que eu posso aprender com quem sabe menos do que eu sei? Lembro-me de meu primeiro encontro. Como foi difícil, passar pelo encontro tendo que ouvir jovens novos na fé ministrando. Falavam errado, não conheciam tão bem sobre os assuntos, mas foram postos ali por Deus, estavam ali para tratar comigo. Meu Deus!!! Se você se acha alguma coisa você está desqualificado para avançar em Deus. Cuidado na sua caminhada pois é muito difícil você crescer e continuar tendo um coração simples.

3º Jesus abriu mão do amor próprio.

Em Mateus 16, Jesus disse: “importa que o filho do homem morra.” Pedro respondeu então: “Mestre de maneira alguma vai acontecer isso com o Senhor.” Pedro quis despertar o amor próprio de Jesus, mas Jesus havia decidido renunciar a si mesmo.

Como se manifesta o amor próprio? Através de medo egoísta e suas variações.

Ø Medo de ser humilhado. (Não é timidez, nem ignorância)

Ø Medo de ser desprezado. (Por isso muitos não pregam o evangelho)

Ø Medo de ser afrontado. (Farte-se de afronta por amor a Cristo)

Ø Medo de ser repreendido. (Muitos vivem escondidos e isolados para não serem tratados)

Ø Medo de ser esquecido. (O pastor não mencionou meu nome)

Ø Medo de ser alvo de suspeita.

Ø Medo de ser rejeitado.

Como vencer isso? Morrendo! Só se preocupa com essas coisas que vive para si. Quem está morto para os rudimentos do mundo, não reage mais a essas situações. “Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo.” Cl 2:20

Há algum tempo participei de uma conferência abençoadíssima e ansioso pelo momento final de unção dos participantes. Fiquei logo no início da fila, pois um pastor que admiro muito estaria impondo as mãos sobre todos os participantes. Quando chegou a hora derradeira, na minha vez de ser ungido, esse abençoado pastor não orou por mim, não sei porque, mas ele não orou por mim. Outro pastor então, também admirado por mim impôs as mãos sobre a minha cabeça. Fiquei então com aquele sentimento enganoso, ...fui rejeitado..., ...ele não poderia ter me desprezado...

Decidi morrer para o engano e crer que Deus me abençoou pelas mãos de outro pastor. Deus estava querendo tratar comigo.

Devemos deixar as mãos de Deus tratar conosco, ou ele nos submeterá ao vexame.

Os egoístas sempre lutam pela vida própria. Vivem sofrendo dores horríveis, se ferem por qualquer coisa. Quem quiser salvar a sua vida por amor de mim perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.”

Mortos não sentem dores. Se você sente dor e está machucado é porque está vivo, tem vida própria. Morra logo pra você e encontre a vida pra Jesus.

O texto de João 12 diz que chegaram alguns da Grécia que queriam conhecê-lo mas Jesus disse: “24 Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo caindo na terra não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. 25 Quem ama a sua vida, perdê-la-á; e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna. 26 Se alguém me quiser servir, siga-me; e onde eu estiver, ali estará também o meu servo; se alguém me servir, o Pai o honrará.” Jo 12:24-26

O amor próprio também se manifesta através dos desejos:

Ø de ser exaltado

Ø de ser estimado

Ø de ser amado

Ø de ser elogiado

Ø de ser consultado

Ø de ser aprovado

Ø de ser preferido

Ø de ser visto

Ø de ser lembrado

Jesus abriu mão de tudo isso, devemos fazer o mesmo.

4º Jesus decidiu servir. Mc 10:45

“Pois também o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.” Mc 10:45

“1 Antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, e havendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2 Enquanto ceavam, tendo já o Diabo posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, que o traísse, 3 Jesus, sabendo que o Pai lhe entregara tudo nas mãos, e que viera de Deus e para Deus voltava, 4 levantou-se da ceia, tirou o manto e, tomando uma toalha, cingiu-se. 5 Depois deitou água na bacia e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.” Jo 13:1-5

Jesus lavou os pés dos discípulos. Serviu seus discípulos até o fim. Geralmente nós gostamos de servir quem não quer ser servido. Os que querem ser servido não nos agradam. As pessoas a princípio querem ser vistas quando estão servindo.

Já tentou servir gente ingrata. Eles dizem: Não basta lavar meus pés, limpe no meio dos meus dedos. O servo verdadeiro nem escolhe o pé que ele vai lavar. Os pés dos discpipulos eram muitos sujos. Eles andavam pisando na terra ou barro misturado com estrume de bois. Jesus lavou os pés dos discípulos. Lavar pé limpo é fácil, agora quero ver lavar pé sujo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O poder de crer e confessar. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 04/09/16

Destruindo os inimigos das nossas orações. Dn 10:12-13. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 13/08/16

Ore até que algo aconteça! Is 62:6-7. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/07/16