Pular para o conteúdo principal

As portas do inferno e as chaves do reino. Mt 18:18-26 - Disc. André Queiróz - Culto de Celebração - 20/06/11

Hoje em dia somos bombardeados por fortes ataques do Diabo em nossas vidas, por muitos motivos e até mesmo por não termos motivo algum somos alvos de seqüentes ataques e perseguições. Como agir diante de uma pressão Espiritual? A resposta esta em como iremos trabalhar as possibilidades da ocasião. Muitas vezes se cala ou fazer uma vista grossa em meio a situação não é o melhor remédio.

A realidade que vivemos é que através do que deixamos o Senhor trabalhar temos a resposta para a grande maioria de nossos obstáculos, como a própria palavra de Deus nos mostra que o Inimigo esta ao derredor e a espreita de que estamos fazendo, o mover que estamos vivendo nos dias de hoje temos que estar vigilantes para que possamos

Num sentido literal Pedro recebeu as chaves do reino. Sabemos que foi ele que no dia de Pentecoste abriu as portas do evangelho aos judeus (At. 2:14) e também foi ele que na casa de Cornélio abriu a porta aos gentios (At. 10:34-38).

Mas estas chaves do reino não foram dadas apenas a Pedro, mas também a nós. Em Mateus 18:18 temos a mesma promessa mas endereçada a toda a igreja. Com as chaves do reino nós podemos ligar e desligar, abrir e fechar.

Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus.Mt. 18:18

As chaves dadas a Pedro foram basicamente a pregação e o batismo. Assim podemos dizer que temos as mesmas chaves.

Creio no entanto que os versos 21 a 28 nos revelam algo mais sobre portas e chaves. As portas são mencionadas no verso 18 e as chaves no verso 19. O inimigo tem as portas, mas nós temos as chaves.

As portas não vencem as chaves, apesar de serem bem maiores, mas as chaves prevalecem contra as portas. O diabo tem muitas portas, mas nós temos as chaves. As portas são do inferno, mas as chaves são do reino.

Primeira porta - A mente

A chave que fecha - a confissão da Palavra

A primeira porta que o inimigo procura entrar é a porta de nossa mente. Nossa mente é o campo de batalha se perdemos a luta na mente não temos como vencer de forma alguma.

Jesus estava determinado a ir para Jerusalém sofrer nas mãos dos anciãos para assim cumprir a vontade de Deus, mas o diabo começa a usar a Pedro para tentar encontrar espaço na mente do Senhor.

A forma como o Senhor fechou esta porta nos mostra como devemos fecha-la também: ele usou da confissão ousada. Quando a nossa mente é atacada nós precisamos aprender a repreender o diabo com autoridade e isto em voz alta.

Segunda porta - O Ego


A chave que fecha - a cruz, o negar a si mesmo.

No verso 21 vemos Jesus mostrando que era necessário para ele ir para Jerusalém e ser crucificado.

Ao ouvir tal afirmação Pedro, instigado pelo diabo, tentou despertar o Ego do Senhor. Sua vontade própria independente da vontade de Deus.

Observe que uma porta do inferno estava colocada ali, mas Jesus tinha as chaves e a fechou imediatamente. No verso 24 vemos ele mencionando a chave com a qual fechamos a porta do nosso Ego: o tomar a cruz.

Há um trono no universo. O trono do mundo é uma cruz. Cristo reina a partir do madeiro.

Foi só depois de ele ter recebido uma coroa de espinhos que se tornou qualificado para receber a coroa da glória.

Foi depois de passar pela cruz que ele pode se sentar no trono.

Muitos querem ter a autoridade sem a cruz, o reino sem a humilhação, a coroa da glória sem a coroa de espinhos.

Precisamos nos lembrar que não há um caminho diferente para nós. O mesmo caminho trilhado por Jesus deverá ser seguido por todos nós, o caminho da cruz.

Há somente um lugar de poder sobre Satanás e este lugar é a Cruz. Foi na Cruz e pela Cruz que Cristo venceu e esse é o único lugar onde Satanás é sempre derrotado.

Quando as portas do Ego estão abertas o diabo pode agir e influenciar. Precisamos então de usar as chaves e negar a nós mesmos.

A chave colocada por Jesus no verso 24 é negar a si mesmo, ou seja, negar o Eu. Quando deixamos a nossa vontade de lado e procuramos a vontade de Deus então fechamos as portas do inferno.

Terceira porta - A auto-preservação da alma

A chave que fecha: a disposição de perder a vida da alma.

O argumento que o diabo usou para impedir que o Senhor seguisse para Jerusalém foi a autopiedade. Pedro disse a Jesus: tem compaixão de ti Senhor...

O sentimento de auto-preservação é uma porta do inferno. Jesus disse que aquele que deseja salva a sua alma vai perdê-la. Salvar a alma é não se dispor a nada que produza desconforto ou sacrifício.

Enquanto a maior expressão do Ego é o orgulho, a maior expressão da alma é o conforto e o prazer. Se vivemos buscando o prazer e o conforto fatalmente seremos conduzidos para pecado, para longe de Deus.

O reino de Deus não pode ser expandido sem sacrifício. O nosso galardão naquele dia vai depender muito de nossa disposição para perder a nossa alma pelo sacrifício do reino de Deus.

A chave que fecha naturalmente é a disposição de perder a vida alma, de se desgastar e sofrer por causa do evangelho.

A Igreja é uma questão de crer, mas o reino é uma questão de seguir.

A Igreja é uma questão de receber de Deus, mas o reino é uma questão de fazer para Deus.

Com base nessas palavras quais dessas portas devem ser fechadas em sua vida?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O poder de crer e confessar. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 04/09/16

Entendendo a fé...
1. A fé é um espírito (2Co 4:13)
“Tendo, porém, o mesmo espírito da fé, como está escrito: Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos...”. 2Co 4:13
Veja que a fé não é questão de fórmula, mas de espírito. Paulo diz que temos o mesmo espírito de fé de Abraão, Moisés ou Davi. Sendo a fé um espírito, ela é contagiosa e por isso pode se espalhar. Você deve se lembrar do dia em que os doze espias foram enviados para espiar a terra de Canaã. Depois de quarenta dias, eles voltaram e dez deles disseram:
“Não podemos conquistar essa terra. As muralhas são muito largas, os gigantes, muito altos, e nós somos muito pequenos”. Mas dois deles, Josué e Calebe, disseram: “Vamos conquistar a terra, como pão, os podemos devorar; retirou-se deles o seu amparo; o SENHOR é conosco; não os temais”. Nm 14:9
Toda a nação acreditou nos dez espias e, por causa disso, morreram no deserto; mas, a respeito de Calebe, o Senhor disse que nele havia um espírito difer…

Destruindo os inimigos das nossas orações. Dn 10:12-13. Parte 2. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 13/08/16

"12 Então, me disse: Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. 13 Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia.” Dn 10:12-13
Por que temos tanta dificuldade para orar?
Eu creio que todos temos ideia de quanto a oração é importante pelo grau de dificuldade que sempre enfrentamos para orar. O nosso inimigo vai lutar de todas as formas para impedir que nossas orações cheguem ao trono do Pai. Ele vai tentar colocar barreiras que vão tentar invalidar nossas orações, para que a nossa oração não seja ouvida pelo Senhor. Precisamos remover então essas barreiras para o êxito na nossa oração.
Guarde essa verdade: O diabo e os demônios não querem que você ore! Eles sempre se oporão a você, pois sabem melhor d…

Ore até que algo aconteça! Is 62:6-7. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/07/16

“6 Sobre os teus muros, ó Jerusalém, pus guardas, que todo o dia e toda a noite jamais se calarão; vós, os que fareis lembrado o Senhor, não descanseis, 7 nem deis a ele descanso até que restabeleça Jerusalém e a ponha por objeto de louvor na terra.”  Is 62:6,7
Introdução
Toda ação sobrenatural de Deus é precedida de oração. As chuvas de bênçãos não caem sem que antes nossos joelhos se dobrem. Deus não sarará a nossa terra sem que primeiro seu povo se humilhe e ore fervorosa e perseverantemente. (2Cro 7:14)
Jonathan Edwards, o clássico teólogo do avivamento disse: “Quando Deus tem algo muito grande para realizar em favor da igreja, o desejo dele é que esse seu ato seja precedido por orações extraordinárias do seu povo.”
Muitos cristãos estão vivendo tempos de estiagem e sequidão, porque não oram. Alguém me disse: Pastor Edenir, em minha igreja a reunião de oração está em estado de coma, está na UTI prestes a morrer. Os irmãos andam muito ocupados para ocupar-se com Deus em oração.
Não pode…