Total de visualizações de página

Acesse o site da GERAÇÃO DE ADORADORES IGREJA DE VENCEDORES

20151005

A graça de sermos filhos de Deus! Jo 1:12-13. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 04/10/15

“12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; 13 os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” Jo 1:12-13

Introdução

Todo êxito que queremos alcançar virá de uma crença correta. Quando não cremos corretamente, nos desviamos do curso, do caminho que Jesus preparou para percorrermos. Uma crença errada sempre vai gerar frustração e decepção. Uma grande exortação de Paulo aos Gálatas está no Capítulo 1 verso 8. Ele disse:

“8 Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. 9 Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema. 10 Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo.” Gl 1:8-10

Pregar outro evangelho significa pregar um ensino errado, que mesmo sendo bíblico dependendo da interpretação pode conduzir ao erro.
Digo isso porque o evangelho puro e sem mácula e o meio de termos um relacionamento saudável com Deus, e uma vez que estivermos relacionando bem com Deus, todas as áreas e relacionamentos nas nossas vidas também serão saudáveis. 

Precisamos ter uma imagem correta de Deus e de nós também!

Agora é importante dizer que precisamos ter uma imagem correta de Deus e também de nós para relacionarmos bem com ele.

“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” 2Co 3:18
“E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito.” 2 Co 3:18 (NVI)

“Portanto, todos nós, com o rosto descoberto, refletimos a glória que vem do Senhor. Essa glória vai ficando cada vez mais brilhante e vai nos tornando cada vez mais parecidos com o Senhor, que é o Espírito.” 2 Co 3:18 (NTLH)

Veja nesse texto que quando temos uma visão clara sobre Deus, quando temos a imagem correta de Deus seremos transformados e cada dia mais nos pareceremos com ele expressando a sua imagem.

Qual é a sua visão de Deus?

A Bíblia que Deus é Juiz. Se a base do nosso relacionamento com Deus é essa, nos sentiremos quase sempre no banco dos réus. Afinal, sabemos que somos falhos e isso pode ser um problema se não temos revelação de quem de fato deve ser Deus para nós no pacto da nova aliança. Você conhece por exemplo, pessoas que vivem dizendo que não são dignos de estarem na presença de Deus pois são muito pecadores? Talvez Deus para esses irmãos seja apenas um Juiz que está preocupado em julgá-lo apenas.

A Bíblia também diz que Deus é General de Guerra e tem um grande exército. Se você tem apenas essa visão de Deus, certamente se sentira um soldado. Então sua maneira de se relacionar com Deus será essa. “Eis-me aqui General!”. 

Você pode também enxergar Deus como O Senhor, e apenas Senhor. Assim, como você se sentirá? Claro que se sentirá como servo. O que está errado nisso pastor? Veja que eu não quero dizer que essas visões a respeito de Deus elas estão erradas, mas preciso dizer que Jesus veio estabelecer uma nova visão de Deus nos dando uma nova identidade nele.

Se temos uma imagem errada de Deus, nunca desfrutaremos de sua graça.

Tudo depende de como você enxerga Deus e também de como se vê nele.

Enquanto relacionarmos com Deus na base do serviço que prestamos a Deus, seremos apenas seus servos. Não pense que ao dizer isso estou diminuindo o valor de servirmos a Deus, de sermos servos do Senhor.

Voltemos ao texto de João:

“12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; 13 os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” Jo 1:12-13

Aqueles que receberam Jesus como Salvador foram transformados em FILHOS! Somos filhos de Deus e Ele é o nosso PAI! Aleluia.
Quando olharmos para Deus como Pai, seremos enxergados por Ele como filhos, porque nos comportaremos como tais. Jesus obedeceu a Deus e foi um servo obediente em tudo, mas seu comportamento sempre expressou seu respeito pelo Pai.

O Pai nosso

Na oração modelo Jesus revela o novo nome de Deus. Ele começa a oração dizendo: “Pai nosso...”. Os discípulos assustaram pois nunca antes ninguém havia feito esse tipo de oração. Quando os religiosos oravam eles chamavam Deus de General de guerra, Todo poderoso, Altíssimo, etc.
Jesus também enxergava Deus dessa forma, mas dentre todas as maneiras de Jesus se referir a Deus, a principal delas é como Pai. Aproximadamente 180 vezes Jesus se refere a Deus com Pai nos evangelhos. Jesus não só se refere a Deus como Pai em seu ensinamento geral, mas usa essa designação com frequência em suas orações.
Jesus chamou Deus de Pai porque Ele sabia de sua filiação. Quantos de nós temos revelação sobre nossa filiação? Quantos de nós temos revelação sobre a correta imagem de Deus? É muito importante você saber sobre a imagem de Deus, pois na imagem correta de Deus somos transformados.

De Servo a Filho

Você se lembra da passagem do irmão mais velho em Lucas 15, que ficou irado quando o irmão voltou para casa e foi recebido pela graça do pai, com uma festa?  Ele questionou seu pai dizendo: 

“Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos” Lc 15:29

Em outras palavras: “Eu faço tantas coisas certas e o senhor nem pra me recompensar...”
Nessa história está o paradoxo da vida cristã. Aqui está a expressão de alguém que analisa meticulosamente e reprova a ação de Pai que age pela sua natureza divina.

Deus é Pai e quer que você se sinta como filho

“16 Ali, com fome, ele tinha vontade de comer o que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada.
17 Caindo em si, ele pensou: “Quantos trabalhadores do meu pai têm comida de sobra, e eu estou aqui morrendo de fome! 18 Vou voltar para a casa do meu pai e dizer: ‘Pai, pequei contra Deus e contra o senhor 19 e não mereço mais ser chamado de seu filho. Me aceite como um dos seus trabalhadores. 20 Então saiu dali e voltou para a casa do pai. Quando o rapaz ainda estava longe de casa, o pai o avistou. E, com muita pena do filho, correu, e o abraçou, e beijou. 21 E o filho disse: “Pai, pequei contra Deus e contra o senhor e não mereço mais ser chamado de seu filho!” 22 Mas o pai ordenou aos empregados: “Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Ponham um anel no dedo dele e sandálias nos seus pés. 23 Também tragam e matem o bezerro gordo. Vamos começar a festejar 24 porque este meu filho estava morto e viveu de novo; estava perdido e foi achado. E começaram a festa.” Lc 15:16-24

O filho pródigo se rebelou contra seu Pai, foi desobediente e inconsequente na sua decisão de partir sem a bênção. Mas quando se viu em apuros, lembrou que era filho de um Pai amoroso. Encontrou graça e foi muito abençoado. Seu irmão porém, relacionava com seu pai na base das obras meritórias e recompensa pelo esforço próprio.

Diferenças entre o servo e o filho:
        
            O servo é aceito e valorizado baseado naquilo que faz, o filho baseado naquilo que é.
·        O servo começa o dia ansioso e preocupado, querendo saber se o seu trabalho realmente agradará ao senhor. O filho descansa no amor seguro e no cuidado de seu pai.
·        O servo é aceito por causa da sua habilidade, o filho por causa de um relacionamento de paternidade e filiação.
·      O servo é aceito por causa da sua produtividade e desempenho. O filho tem seu lugar próprio por causa da posição como filho.
·      No final do dia, o servo somente terá paz se estiver certo de ter provado o seu valor mediante o trabalho, mediante seu desempenho. O filho, mesmo que não tenha obedecido como deveria, ou atendido ao pai como esperava, pode descansar pois não deixou de ser filho.
·      Na manhã seguinte a ansiedade do servo recomeça. Todavia, o filho estará seguro o dia inteiro, sabendo que a sua situação nunca mudará.
·         Quando um servo falha, toda a sua posição está em risco; pode perder o emprego. Quando um filho falha, fica sentido porque magoou os pais, e será corrigido e disciplinado. Porém, não tem medo de ser lançado fora. A sua confiança básica descansa em ter o seu próprio lugar e em ser amado, sendo que as suas obras não influenciam a estabilidade da sua posição.

Estar convicto de sua identidade é o que vai te permear da graça.

A estratégia do diabo será sempre colocar em dúvida a sua identidade.
Na primeira tentação, satanás trouxe uma palavra de dúvida perguntando a Jesus se ele era mesmo o filho de Deus.

1 A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.  2 E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. 3 Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.” Mt 4:1-3

Para entendermos melhor, vamos voltar 2 capítulos antes da tentação. Leiamos Mateus 2:

“16 Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. 17 E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” Mt 2:16,17

Veja a importância de se ter essa consciência de que somos filhos. Isso muda tudo! É certo que o ministério de Jesus começou a partir do Batismo, mas Jesus desde sua infância já tinha uma percepção de sua filiação.

“41 Ora, anualmente iam seus pais a Jerusalém, para a Festa da Páscoa. 42 Quando ele atingiu os doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume da festa. 43 Terminados os dias da festa, ao regressarem, permaneceu o menino Jesus em Jerusalém, sem que seus pais o soubessem. 44 Pensando, porém, estar ele entre os companheiros de viagem, foram caminho de um dia e, então, passaram a procurá-lo entre os parentes e os conhecidos; 45 e, não o tendo encontrado, voltaram a Jerusalém à sua procura. 46 Três dias depois, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. 47 E todos os que o ouviam muito se admiravam da sua inteligência e das suas respostas. 48 Logo que seus pais o viram, ficaram maravilhados; e sua mãe lhe disse: Filho, por que fizeste assim conosco? Teu pai e eu, aflitos, estamos à tua procura. 49 Ele lhes respondeu: Por que me procuráveis? Não sabíeis que me cumpria estar na casa de meu Pai? 50 Não compreenderam, porém, as palavras que lhes dissera.” Lc 2:41-52

Descanse! Papai ta cuidando de você!

“Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?” Mateus 7:11

Por meio da obra consumada de Jesus na cruz, nós podemos depender dele para que a Sua vida ressurreta pulse e flua no seu corpo físico desde o topo da sua cabeça até a sola de seus pés. Enfermidades e doenças não provêm de Deus. Na cruz, Jesus levou não apenas os nossos pecados, mas também as nossas enfermidades, doenças e males e “pelas Suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53:5)!

Da mesma maneira que queremos que nossos filhos sempre tenham mais do que o suficiente, Deus quer que você desfrute Sua provisão sobrenatural.

Você é filho de Deus e Ele não te desamparará! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Senhor Cara Legal - Evangelismo com o livrete 11ª Questão

O poder da oração no Espírito