20181023

Série de Mensagens Metanoia - Parte 10 - Cobiça, a psicologia da queda. Ex 20:17. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 14/10/18


Um dos aspectos que requer maior disciplina para o crente é o controle do pensamento. A forma como se controla a mente irá inevitavelmente determinar a direção da vida e delinear o caráter. Pensamentos positivos que estejam de acordo com as escrituras (Fl 4:8) produzirão resultados positivos.
Uma mente impura, levará de forma inevitável a um comportamento desregrado, por essa razão a Bíblia diz: porque como imagina em sua alma, assim ele é provérbios 23 sete.
“Porque, como imagina em sua alma, assim ele é...” Pv 23:7
Como Alfred P. Gibbs costumava dizer: “Você não é o que pensa que é, mas o que pensa”. O conteúdo da mente do homem é o indicador do seu caráter. O homem mais sábio disse:
“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Pv 4:23
A palavra coração neste versículo representa o homem interior, e faz sentido substituir a palavra coração pela palavra mente: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda a tua mente com toda a vigilância porque dela provém as fontes da vida”. A mente é a fonte da qual brota a maior parte do nosso comportamento. Se controlarmos a mente, controlaremos o manancial que dela brota.
O décimo mandamento
Não é sem finalidade que um dos dez mandamentos se refira ao nosso pensamento.
“Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo.” Ex 20:17
A cobiça é uma atividade da mente. É o desejo de ter alguma coisa que está fora da vontade de Deus. Deus disse: não cobiçarás. Foi este mandamento que deu convicção ao coração de Paulo de Tarso. Tinha orgulho de ter sempre vivido uma vida exteriormente respeitável. Nunca tinha cometido nenhum dos pecados mais terríveis. Mas, quando o significado do décimo mandamento se tornou claro na sua mente, percebeu que os pensamentos malignos são tão pecaminosos como tantos atos imorais. Ao analisar os pensamentos ficou profundamente convicto do seu pecado.
“7 ... Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás. 8 Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, despertou em mim toda sorte de concupiscência; porque, sem lei, está morto o pecado. 9 Outrora, sem a lei, eu vivia; mas, sobrevindo o preceito, reviveu o pecado, e eu morri. 10 E o mandamento que me fora para vida, verifiquei que este mesmo se me tornou para morte. 11 Porque o pecado, prevalecendo-se do mandamento, pelo mesmo mandamento, me enganou e me matou.” Rm 7:7b-11
Como funciona
Agora é importante dizer como nasce o pecado. Tiago faz-nos olhar incisivamente para a psicologia do pecado ao dizer:
“13 Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. 14 Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. 15 Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.” Tg 1:13-15
Como homem pensa
Aqui o pecado é comparado ao ciclo da vida humana. Primeiro temos a concepção. Depois o bebê nasce. Então cresce até a maturidade. Depois morre. O pecado é semelhante: primeiro é concebido na mente humana. Então comece o ato. Depois o ato torna-se habitual e, finalmente, leva a morte. Fica implícito, senão mesmo afirmado, que se pensarmos tempo suficiente no certo pecado, mais cedo ou mais tarde acabamos por cometê-lo. Tal como diz o velho provérbio: “Semeie um pensamento e colha uma ação. Semeia uma ação e colha um hábito. Semeie um hábito e colha um caráter. Semeie um caráter e colha um destino.”
O Senhor Jesus, no seu ministério, realçou profundamente a importância dos pensamentos. Um dia, chamou um grupo de judeus para esclarecer este assunto. Eles eram minuciosos em relação ao exterior de uma pessoa, mas indiferentes quanto ao seu interior. Debaixo da lei de Moisés, sempre lhes tinha sito ensinado que seriam contaminados se comessem carne de porco, coelho, marisco, etc. E a verdade é que tais alimentos tornavam o homem cerimonialmente impuro durante a dispensação da lei. Agora Jesus declarava o fim dessa dispensação anunciando que a comida já não contaminava, mas os pensamentos malignos ainda podiam contaminar.
“14 Convocando ele, de novo, a multidão, disse-lhes: Ouvi-me, todos, e entendei (Suniemi – Colocar na mente). 15 Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina. 16 Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça. 17 Quando entrou em casa, deixando a multidão, os seus discípulos o interrogaram acerca da parábola. 18 Então, lhes disse: Assim vós também não entendeis? Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar, 19 porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e sai para lugar escuso? E, assim, considerou ele puros todos os alimentos. 20 E dizia: O que sai do homem, isso é o que o contamina. 21 Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, 22 a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. 23 Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem.” Mc 7:14-23
Nós sabemos que os pensamentos pecaminosos nos permeiam a mente enquanto estamos conscientes. Precisamos interromper os desejos tentadores que vem a mente espontaneamente. Qualquer pensamento ou desejo maligno, quer seja provocado ou não, é corrupto e necessita ser julgado e purificado pelo sangue de Cristo. É impossível viver neste mundo sem ser constantemente corrompido por publicidade sugestiva, conversa sujeiras e outras formas indesejadas de poluição mental. Mas o remédio é reconhecer imediatamente o pensamento como sendo impuro e rejeita-lo instantaneamente, expulsando-o.
Nem sequer pensei nisso
Jesus realçou a gravidade dos pensamentos malignos no sermão do Monte, dizendo:
“21 Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento. 22 Eu, porém, vos digo que todo aquele que sem motivo se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo. 27 Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. 28 Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela.” Mt 5:21-22;27-28
A Lei dizia “não matarás”, mas Jesus disse: “não pensa em matar”. Porque? Porque se não pensarmos nisso, nunca o faremos. A Lei dizia: “não adulterarás”, mas Jesus disse: “Não olhem para uma mulher com concupiscência no coração”. Porque ele disse isso? Porque primeiramente o ato é premeditado. Se afastarmos a concupiscência das nossas mentes, nunca teremos de nos arrepender do ato em si. O apóstolo João repetiu os mesmos princípios na sua primeira epístola:
Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino; ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si.” 1Jo 3:15

Parece um pouco extremo dizer que o ódio é crime, mas devemos lembrar que os dois estão interligados como o desejo e a concretização, a causa e o efeito. O ódio é crime em estado embrionário. Se não houver maldade ou ira descontrolada, não haverá crime. A mente humana é indescritivelmente misteriosa e maravilhosa. É como o quartel-general de um exército do qual são transmitidas todas as ordens. A mente diz a mão para apanhar a caneta e escrever. Determina o que tem de ser escrito. É um vasto sistema de comunicação enviando uma constante corrente de pensamentos. Como é que tudo isso acontece?
O que é um pensamento?
Sabe-se que um computador destinado a duplicar as funções do cérebro humano teria de ser tão grande como o Empire State building, e mesmo assim, não conseguiria ser uma cópia exata da mente. Normalmente não damos grande valor ou importância a nossa mente, no entanto, a Bíblia afirma que ela é uma faculdade que Deus nos confiou e pela qual somos responsáveis perante ele. Cada um de nós é como um rei, governando sobre um vasto e complicado reino, o reino da mente, e somos responsáveis pelo que pensamos e como pensamos. Os objetivos podem ser bons ou maus, merecedores ou indignos. Nós controlamos os nossos pensamentos.
O lado bom da mente
Pensemos no potencial da mente para o bem. Por exemplo, muitos cientistas estudam por muito tempo e descobrem a cura para várias doenças. Pacificadores são ganhadores do prêmio Nobel da Paz depois de gastarem muito tempo pensando para encontrar uma saída pacificadora para a guerra. Inventores como Thomas Edison, facilitam muito a vida de milhões de pessoas depois de seus inventos. Artistas nos embriagam com pinturas ou esculturas que criaram a partir de seus pensamentos. O que dizer dos tantos homens e mulheres de Deus que pensando, escreveram livros tremendos, compuseram lindos hinos que certamente serão eternizados.
No entanto podemos também debruçarmos sobre a capacidade da mente para fazer o mal. Pensemos nos tiranos sem coração pensando e criando as câmaras de tortura, campos de concentração, câmaras de gás e fornos crematórios. Lembremos da brutalidade que destruiu milhões de vítimas inocentes. Pensemos nos homens que devotaram seus talentos para destruir a fé dos outros como Voltaire, Tom Paine e Robert Ingersoll.
Dotados por Deus comentes astutas, prostituíram-nas, propagando o agnosticismo e a infidelidade. Pensemos nos homens de hoje que organizam, imprimem e publicam pornografia. Que maneira horrível de usar a mente! Charlatães da imundice, poluidores do ambiente moral, promotores da impureza e da impureza e perversão.
Em geral, pensemos no vasto potencial de qualquer mente para os pensamentos malignos. Nenhum de nós gostaria de aparecer por uma hora com imagens que revelassem publicamente nosso pior pensamento da semana. Todos sabemos que a mente nos pode levar até as profundezas do pecado onde nenhum olhar humano pode nos seguir. No campo da mente, podemos conjurar todos os tipos de situações menos dignas, participar em relacionamentos proibidos.
Se um dos nossos amigos fosse apanhado nalguma destas situações, não hesitaríamos em condena-lo, repletos de justa indignação. Mas quando estamos sozinhos, talvez no escuro, podemos entregar-nos à mesma lascívia e comportamento imoral sem sentir o mínimo sentimento de repulsa. Sem barreiras de tempo e espaço a controla-la, a mente pode transportar-nos instantaneamente a qualquer lugar, levar luz até uma pessoa ou pessoas com quem queremos estar, e fazer tudo o que o nosso coração desejar.
É assustador pensar nas possibilidades malignas do pensamento do crente. Se essas possibilidades forem frequentemente alimentadas, o resultado pode ser desastroso. Em 1988 um tele evangelista, que pregava a centenas de milhares em todo mundo, foi acusado de escândalo sexual. Ele confessou que desde que era pequeno, era fascinado pela pornografia.
Hoje em dia há muitas pessoas se lamentando sob o peso de um certo pecado, que as acorrenta. Dizem que querem a libertação, mas não se dispõem a disciplinar o pensamento.
Ter pensamentos malignos é como ensopar trapos em Petróleo e, quando a faísca da tentação sobrevém ficam em chamas. Podemos impedir-nos de pensar malignamente e devemos aprender a arte de controlar o pensamento, se ainda não o fazemos. Não há desculpa para esta tendência secreta da mente para as coisas da carne. Através do Espírito, todo pensamento pode ser controlado e submetido a obediência de Cristo. Todo pensamento deve ser modificado pelo espírito.
Ação radical
Bem, a base da questão é a seguinte: a árvore deve ser cortada pela raiz. Deve haver vontade de lidar decisivamente com pensamento. Para os descrentes significa que, antes de tudo, tem de se converter. Através da fé em Jesus Cristo devem nascer de novo. Somente ao receberem o poder do Espírito Santo poderão agir resolutamente contra os pensamentos impuros.
Para os crentes, indicasse vários passos: Primeiro, colocar o assunto diante do Senhor em oração. As palavras de Davi formam uma petição aplicável a cada um de nós:
Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável.” Is 51:10
Estas palavras fazem parte da confissão de Davi depois de seu duplo pecado de adultério e homicídio. Parece que elas contêm uma admissão explícita de que o seus pecados começaram com pensamentos descontrolados.
Em segundo lugar, devemos julgar todos os pensamentos que entraram na nossa mente como se estivéssemos na presença de Cristo. O verdadeiro teste, quer para pensamentos quer para ações, acontece quando eles são levados a sua presença. Este fato é sugerido na segunda carta aos Coríntios 10:4-5.
“4 Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas 5 e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo...”. 2Co 10:4
Devemos submeter a Cristo cada pensamento, e confiar no seu veredito, como escravos que somos dele. Depois, devemos confessar como pecado e impureza cada um dos pensamentos que não recebam a sua aprovação. Quer desçamos a rua, quer andemos no automóvel, onde quer que estejamos, devemos confessar aquele pensamento maligno dizendo: Senhor isto é pecado. A minha mente ficou impura. Perdoa-me por favor. Invoco o poder do sangue do Cordeiro. Depois, é claro que devemos expulsar o pensamento das nossas mentes. A promessa de misericórdia não é para os que apenas confessa os pecados, mas para os que os confessam e abandonam.
“O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia.” Pv 28:13
Na prática teremos que aprender a dizer não 10.000 vezes por dia. Sempre que formos tentados a pensar de maneira negativa, devemos dizer: “Não! Não dou abrigo a esse pensamento. Rejeito este pensamento expulso no nome do senhor Jesus”. Na prática teremos
Temos de aprender a pensar como a Bíblia aconselha (Fl 4:8). O fato é que não se pode pensar sobre as das coisas e ao mesmo tempo pensar no pecado. Se tivermos a mente ocupada com Cristo e a sua pureza, o pensamento e a corrupção não terão lugar. Quanto mais nos ocuparmos com Cristo, mais semelhantes a ele nos tornaremos.
“E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” 2Co 3:18

O bom-senso diz-nos que se quisermos uma vitória sobre nosso pensamento, devemos disciplinar o que lemos, o que vemos e com quem confraternizamos. Os livros e os romances sugestivos, os filmes de Hollywood, os programas de televisão em geral, oferecem poluição ambiental instantânea. Há também certos objetos que despertam a licenciosidade na vida de cada um. Uma boa fogueira pode nestes casos ser muito útil. Por fim, é bom que nos ocupemos com o serviço do Senhor. A ocasião de maior perigo são as de ociosidade, quando o corpo está alimentando e descansado. Há uma grande proteção e segurança numa vida de serviço incansável na obra de Deus. O homem que aprendeu a redimir o seu tempo ocioso, luta muito menos com pensamentos desordenados que tentam invadir a sua mente. Talvez isso seja sugerido em Provérbios 16:3:
“Confia ao SENHOR as tuas obras, e os teus desígnios serão estabelecidos.” Pv 16:3

Confiar ao Senhor as obras das nossas mãos é consagrar-nos a Ele. É este, pois, o caminho para manter a mente santa com diligência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As três provisões da chuva abundante. Dt 11:14. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 12/01/20

“ darei as chuvas da vossa terra a seu tempo, as primeiras e as últimas , para que recolhais o vosso cereal, e o vosso vinho, e o vosso ...