20190228

Série de Mensagens Você pode ser feliz - Pare de se comparar com os outros! Sl 73:3-5. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 24/02/2019


“3 Porquanto eu acumulava inveja dos arrogantes, ao ver a prosperidade desses ímpios. 4 Eles não passam por crises e sofrimentos, e têm o corpo esbelto e saudável. 5 Estão livres dos fardos cotidianos impostos a todos os mortais, não são atingidos por doenças como a maioria das pessoas.” Sl 73:3-5

O assunto que eu quero abordar neste capítulo, atinge cerca de 100% por cento das pessoas que eu conheço. Vamos falar sobre os perigos de se comparar com outras pessoas.

Infelizmente, muitos acabam se entristecendo ao pararem suas vidas reparando na “felicidade” alheia. Gostariam de ter o que fulano tem, estar ou chegar aonde fulano chegou, como se fosse um fracasso viver em outra realidade. E isso tudo ocorre por causa da comparação.

Você não pode permitir que esse tipo de coisa roube a sua alegria e a sua paz de espírito, como se a falta disto ou daquilo lhe definisse como fracassado.

Somos a todo o momento tentados pelo nosso ego, a comparar-nos com os outros. Isso acontece comigo desde sempre. Lembro-me de minha mãe me chamando a atenção ainda quando eu era uma criança. Ela dizia: “Edenir, você não é o seu primo. Ele tem a vida dele e você tem a sua”. Isso sempre aconteceu comigo.

Na infância a comparação acontece quando os nossos irmãos recebem um pedaço maior de doce na sobremesa. De uma forma ou de outra, estamos constantemente olhando para a esquerda e para a direita para ver como nos comparamos com os que nos cercam. Às vezes ficamos por baixo – aquela lá é mais magra, mais engraçada ou mais inteligente, aquele é mais famoso, mais poderoso, mais engraçado. Às vezes ficamos por cima – a nossa casa é maior, mais chique, mais limpa. Mas esse jogo de comparação é um jogo sem vencedores.

Fomos programados para a comparação

Nós fomos criados para viver em sociedade. Somos seres sociais. Biologicamente, o ser humano foi criado para viver olhando para o próximo e se espelhar no mesmo. Por mais que você resista e lute contra essa verdade, não tem jeito, você sempre estará olhando para as pessoas e fazendo comparações. Pedro Calabrez, professor de neurociência diz que 80% dos nossos pensamentos são sobre outras pessoas. E quantos desses pensamentos são pensamentos de comparação?  

A comparação pode te deixar orgulhoso ou deprimido

Apesar desta atitude ser tão natural, ficar se comparando com os outros não é nada saudável. Se o resultado da tal comparação for “satisfatório”, você fica altivo, se achando o máximo, poderá se acomodar com os bons resultados e já não mais se esforçará tanto, diminuindo assim o seu ritmo. Porém, se o resultado for decepcionante, você ficará inseguro, se sentirá inferior e desanimará. Resumindo, se você descobrir que é melhor que determinada pessoa, poderá ficar arrogante e orgulhoso. Por outro lado, se descobrir que é pior, poderá ficar deprimido. Fuja da armadilha da comparação!

Se existe algo que pode destruir sua alma é a tal da comparação. Aprenda essa preciosa lição: “Você sempre vai perder quando se comparar com outras pessoas. Se comparar com outros sempre será perigoso, simplesmente porque você é diferente de todos os outros oito bilhões de seres humanos que vivem neste planeta.

A comparação é o nascedouro da inveja

A inveja nasce a partir da comparação. Quando alguém se compara com o outro, tende a sentir sentimentos ruins como arrogância ou depressão. A dor de se sentir menor ou menos favorecido, ou maior e privilegiado é fruto da comparação. O invejoso geralmente é fofoqueiro e não se contenta em se comparar com o outro, mas empresta sua mente e boca ao diabo para denegrir seu próximo.  

O salmista Asafe é um exemplo claro disto, pois ao se comparar com os ímpios, além de se entristecer, também passou a achar que tudo o que fazia em relação a Deus estava sendo em vão (Sl 73:3-5).

De fato, a inveja seria erradicada se não houvesse comparação. Essa é uma afirmação bastante séria e você talvez não acredite no que acabei de dizer. Porém, me diga uma ocasião onde a inveja se manifeste que não haja alguém se comparando ou tentando diminuir seu próximo.

Observando as várias facetas da inveja, vemos que a comparação está na sua raiz.

Comparação geralmente gera ingratidão

Um dos maiores danos de viver se comparando com os outros é que em pouco tempo essa pessoa se tornará ingrata. Veja o exemplo de Eva. Ela estava no Eden, tinha uma infinidade de frutas para comer, mas escolheu comer daquela fruta que estava vetada no seu cardápio. Ela escolheu comer da árvore do conhecimento do bem e do mal para ser como Deus.

Geralmente a comparação vai alimentar a insatisfação que vai gerar a ingratidão. Se comparar com outros só vai te deixar ranzinza, insatisfeito e ingrato.

A palavra de Deus nos ensina a sermos gratos por tudo o que temos e somos.

A comparação é a mãe do complexo de inferioridade

Alfred Adler afirmava que a luta do homem por superioridade (de si ou dos outros) é um dos nossos fatores principais de motivação. O problema acontece quando a luta pela superioridade não é vencida e você se sentir menor ou inferior. Daí surge a expressão “complexo de inferioridade”. Segundo Adler, todos nós em algum momento temos sentimentos de inferioridade. Assim, se comparando com o outro, às vezes nós vemos que existem pessoas que têm mais facilidade em determinadas coisas do que nós. Muita gente quando percebe isso acaba desistindo de se aperfeiçoar e de aprender, afinal de contas tem gente que consegue muito mais fácil. Poucas coisas na vida são tão prejudiciais para a humanidade quanto viver se comparando com outras pessoas.

Cuidado com as redes sociais

Para deixar o péssimo hábito de se comparar com outros, acredito ser necessário deixar de seguir pessoas no instagran, gastar menos tempo no facebook, etc. Não é novidade pra você que a maioria das pessoas nas redes sociais, estão maquiadas por aplicativos dos mais diversos. Muitas vezes o outro a quem você se compara nas redes sócias não é o outro verdadeiro. É uma versão melhorada dele. As redes sociais são gatilhos de comparação. Se contar que as redes sociais também são grandes fontes de inveja.

Olhar pra vida dos outros também te impede de olhar para si mesmo e melhorar quem você é. Uma pesquisa científica constatou que 80% dos nossos pensamentos é sobre outras pessoas. Certamente seríamos pessoas melhores se seguíssemos o conselho de Paulo aos Coríntios. Vamos ao texto:

“Examine-se, pois, o homem a si mesmo...”. 1Co 11:28

Num contexto de divisão e competição, Paulo diz que devemos olhar para nós mesmos e ver o quanto podemos melhorar.

Saul foi tomado por inveja e raiva por causa da comparação

Quando Davi venceu Golias, encontrou muitas mulheres dançando e cantando: “Saul matou mil, mas Davi matou dez mil”. Ao ouvir isso, Saul se comparou a Davi e foi dominado por uma forte inveja e raiva. Esse sentimento maligno caiu em seu coração como um veneno. Diz a Bíblia que o rei ficou encolerizado e usou a expressão: “A Davi deram dez mil; a mim, somente mil”.

Ele escutou a celebração que Davi havia tido, mas ela se transformou numa derrota para ele. Isso acontece porque quando nosso coração se compara com o outro, corremos o risco de ver a nossa nossa derrota. O coração de Saul sustentava uma comparação, por isso comemorou o momento com raiva. A partir disso, aquele que era amigo de Davi desejava matá-lo.

Um coração que se enche de comparação nunca celebra a vitória do outro, porque a medida da inveja será sempre maior do que a medida da admiração.

Pastor Edenir, quer dizer então que não posso me comparar com ninguém? Sim, você pode e deve!

Com quem devemos nos comparar?

Em primeiro lugar, compare-se com você mesmo! Isso mesmo! Compare-se com você mesmo! Olhe para você ontem e diga: Hoje eu me serei um pouco melhor do que fui ontem, pelo menos 1% melhor. Hoje vou falar melhor com minha esposa... Vou dar mais carinho para os meus filhos... Vou estudar mais que estudei ontem... vou ser mais gentil... Vou orar mais... Vou ler mais Bíblia... Hoje serei mais positivo do que fui ontem... etc.
  
Será que você não está perdendo tempo demais comparando-se com os outros e, dessa forma, se descuidando das coisas boas que existem você, do grande potencial que você tem?

Quando somos fortalecidos em nossa identidade, quando sabemos realmente quem somos, seremos os primeiros a vibrar com as conquistas alheias. Se alguém conseguiu, você também consegue, você também pode. Mas não é porque alguém fez ou conseguiu que você tem que ser ou fazer exatamente igual.

Em segundo lugar, compare-se com Jesus, pois Ele é o nosso maior referencial de comportamento a ser imitado em tudo. É exatamente isso o que a Bíblia diz que devemos fazer!

“olhando fixamente para o Autor e Consumador da fé: Jesus...”. Hb 12:2a

Devemos olhar para Jesus e desejar ser como Ele é! Paulo sempre buscou olhar fixamente para Cristo ao ponto de exortar os irmãos de Corinto dizendo:

“Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo!” 1Co 11:1

Paulo olhava para Cristo e o imitava! Paulo tinha Cristo como o seu parâmetro e isso o fez fiel discípulo e seguidor até as últimas consequências. Assim, aprendemos que a nossa felicidade plena está em olhar para Cristo e nos tornarmos parecidos com Ele!
Ações práticas para se libertar da comparação

Quando você perceber que está se comparando com alguém, decida admirar-se. Em vez de alimentar a inveja, competição, rivalidade, admire, apenas admire.

Outra atitude é, seja grato! Isso mesmo, seja grato pelas conquistas e qualidades, virtudes e habilidades do seu próximo. Deixe a alegria do Senhor fluir em seu coração. Expresse alegria quando perceber a bênção de Deus alcançando seus irmãos. Tenha sempre bons olhos para enxergar graça e bondade no outro.

Por fim, Acredite que você é único para cumprir o seu propósito.

Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus.” At 20:24

Todos nós nascemos com um propósito e destino. Entre quase 8 bilhões de pessoas na terra, cada uma nasceu com uma característica e uma identidade própria. Apesar de muitas pessoas não reconhecerem essa realidade, acabam não desenvolvendo o que foram chamadas para fazer porque estão se comparando com outras pessoas e outros chamados. Quando trato sobre chamado, não estou me referido apenas ao ministério, mas, a toda vocação que rege a vida de alguém, seja profissional ou para algo dentro de outra esfera. Para cada vocação e propósito existe uma porção de graça.

Se você vive insatisfeito e frustrado naquilo que você faz, isso pode ser um grande sinal de que você esta o tempo todo se comparando com outros. Como é importante cada pessoa se encontrar em sua vocação, pois só existe plenitude na vida quando se está vivendo o que foi chamado.

É triste ver pessoas se comparando com outras ou tentando ser algo que não foram chamadas pra serem. Eu já quis ser muita gente, me parecer com muita gente, porém sempre me frustrei. Olhe para os outros, admire-os, no que for proveitoso, imite-os. MAS PELO AMOR DE DEUS, SEJA VOCÊ MESMO!
  
Seu destino está em seu DNA, nasceu com você e o mais incrível é que ele é único e ninguém no mundo por mais inteligente ou habilidoso que seja, poderá viver o que você foi chamado para viver, seu futuro é único. Então, não se compare, nem alimente o desejo de ser ninguém. Viva o que em Deus foi separado antes que os seus ossos fossem formados e desfrute daquilo que é exclusivo e preparado somente para você.

João Batista e o seu chamado único

A Bíblia nos mostra o ministério de João Batista, ele era duro com os seus ouvintes, não falava coisas muito agradáveis, mas mesmo assim, as pessoas o seguiam para aquele lugar deserto para receberem o batismo nas águas. Uma das coisas que eu acho incrível sobre João Batista é que ele não usurpou ser Jesus, nem foi contrário ao seu ministério quando o tempo de Jesus se iniciou, ele reconhecia que Jesus era maior do que ele.

Uma das evidências de alguém que tem uma identidade própria e que está vivendo o seu chamado é reconhecer o dom e chamado de Deus na vida de outras pessoas, contribuindo para que esses talentos se desenvolvam. João tinha uma identidade quando perguntaram para ele: Quem é você? Você é Elias? O Cristo? E ele respondeu:“Eu sou a voz do que clama no deserto.” Ele tinha uma identidade e sabia para o que ele foi chamado.

Então eu te incentivo a desenvolver o seu propósito e depois disso ajude outros a cumprirem o que Deus os chamou. Entenda o seu chamado, tenha uma identidade própria, pois uma pessoa que entende o seu chamado, demonstra um verdadeiro respeito pela vontade de Deus, mais uma pessoa que não entende o seu chamado se torna um impedimento para a sua vocação.
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As três provisões da chuva abundante. Dt 11:14. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 12/01/20

“ darei as chuvas da vossa terra a seu tempo, as primeiras e as últimas , para que recolhais o vosso cereal, e o vosso vinho, e o vosso ...