20191227

A Graça de Deus e seus efeitos. Pr. Edenir Araújo – Culto de Celebração – 22/12/2019


“Crescia o menino e se fortalecia, enchendo-se de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.” Lc 2:40

A doutrina da graça de Deus deve ser o primeiro ensino a ser ministrado e conhecido de todos os crentes. Primeiro porque fomos salvos pelo poder da graça de Deus. Graça é favor imerecido e foi exatamente essa experiência que tivemos no novo nascimento. Não merecíamos a salvação, nossos pecados nos sentenciaram a morte, mas Cristo decidiu morrer em nosso lugar nos dando a salvação de graça.

“1 Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados,2 nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; 3 entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. 4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, 5 e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, —pela graça sois salvos, 6 e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; 7 para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus. 8 Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; 9 não de obras, para que ninguém se glorie. 10 Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” Ef 2:1-10

O conhecimento de graça é fundamental, estrutural e deve servir de alicerce para tudo o que queremos construir na vida cristã.

Algumas definições sobre graça

Algumas definições sobre graça realmente tem o poder de nos tocar profundamente, segue algumas delas:

“A graça é o fio condutor das bênçãos abundantes do Senhor. As grande riquezas de Deus vêm por meio dela!”
“Graça é alguém ser conduzido a um lugar onde não merecia e nem deveria estar”. R. W. Glenn
“Graça é uma aceitação sem reservas na qual um doador nos oferece algo incondicionalmente sem obrigação de fazê-lo”. 
“A graça de Deus é como uma escada rolante, não é você que sobe nela mas ela que sobe você.” Luis Hermínio
“Graça é o presente do melhor do céu para os piores da terra”. Brad Hanes

Um lindo poema de Dorothy Grimes, intitulado “God’s Estravagance”, pode nos dar uma ideia do que é graça:

“Graça é mais céu do que o homem possa ver, mais mar do que o homem pode navegar, mais sol para o qual suporta olhar, mais estrelas que se pode contar, mais ar do que pode respirar, mais colheita do que pode semear, mais amor do que pode conhecer, infinitamente mais do que se pode compreender.” Dorothy Grimes 

Graça é favor imerecido, é quando recebemos algo sem merecer e boa parte das vezes de maneira inesperada.

Vivemos cercados de meritocracia

O ensino sobre a graça, ao longo da era cristã, perdeu aos poucos o seu valor. Na nossa cultura, a palavra graça tornou-se quase impossível de ser compreendida, isso porque sempre estamos reproduzindo frases de efeito do tipo: “Nesta vida nada é de graça”, “Cada um acaba ganhando o que merece”, “Quer dinheiro? Vá “trabalhar”, “Quer amor? Faça por merecer”, “Quer misericórdia? Mostre que é digno dela”, “Faça aos outros antes que lhe façam”. Assim, a palavra graça em si, tornou-se banal e desgastada pelo mau uso e pelo uso em excesso, ela não mexe conosco da mesma forma que mexia com nossos primórdios na fé cristã.

Isso é muito perigoso! Afirmo isso porque o ensino da graça é o mais básico da fé cristã. A nossa salvação veio pela maravilhosa graça, e nossa vida cristã é sustentada pela graça. Muitos crentes são conhecedores de assuntos bíblicos diversos, mas todo conhecimento é vão e sem propósito sem a cobertura da graça.

Jesus era cheio de sabedoria, e de acordo com o texto de Lucas 2:40, vemos que a graça estava sobre Ele. Algumas versões dizem “com ele”, mas no sentido original a palavra é “epi” que quer dizer “sobre, em cima”. De todas as revelações ou mistérios de Deus que podemos receber, a graça é a mais elevada e deve vir primeiro, pois tudo na vida de um cristão deve ser pela graça, a partir da graça e por meio dela. Vejamos o que Pedro diz a respeito da graça.

“14 Pelo que, amados, como estais aguardando estas coisas, procurai diligentemente que por ele sejais achados imaculados e irrepreensível em paz; 15 e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; 16 como faz também em todas as suas epístolas, nelas falando acerca destas coisas, mas quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, como o fazem também com as outras Escrituras, para sua própria perdição. 17 Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que pelo engano dos homens perversos sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza; 18 antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como até o dia da eternidade.” 2Pe 3:14-18

O Apóstolo Paulo cumpriu todo o plano de Deus pela graça, prova disso são suas palavras a Timóteo:

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” 2Tm 4:7

Todavia, a graça foi o ponto de partida na vida do Apóstolo Paulo. Aos Coríntios ele escreveu:

“Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei eu como sábio construtor, o fundamento...”. 1Co 3:10

Paulo nunca deixou de aproveitar e usufruir da graça, pois ele sabia que seu êxito estava na dependência da mesma.

“Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus que está comigo.” 1Co 15:10

O autor da carta aos Hebreus diz:

“12 Portanto levantai as mãos cansadas, e os joelhos vacilantes, 13 e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que é manco não se desvie, antes seja curado. 14 Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, 15 tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem...” Hb 12:12-15

No sentido mais amplo, a graça de Deus transpõe os limites da salvação da alma e como já mencionamos, nos alcança na justificação diária (Mt 20:20). Dia após dia, a graça pode ser encontrada e experimentada na disposição de Deus em perdoar os homens arrependidos de seus pecados. O termo grego que se usa para graça é “charis”, de onde se originou “charizomai”, que significa: “Dar livremente de graça”. (At 15:11; Ef 2:8; Rm 11:6)

“31 Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas? 33 Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica; 34 Quem os condenará? Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós; 35 quem nos separará do amor de Cristo? a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? 36 Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte o dia todo; fomos considerados como ovelhas para o matadouro. 37 Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou.” Rm 8:31-37

Todavia, a graça não é apenas o ato de doação de Deus. A graça de Deus é a ação poderosa e permanente de Deus, através do Seu Espírito Santo, para que possamos viver e desfrutar de tudo o que Deus nos deu de graça. Se é ação, significa que a graça não é passiva, e nem muito menos inerte, pelo contrário, temos observado em nossa experiência diária, que a graça de Deus é ativa. Na primeira carta aos Coríntios, podemos ver a graça agindo em nós e por nós, apesar de nós.

“Mas pela graça de Deus sou o que sou, e a graça que ele me deu não ficou sem resultados. Pelo contrário, eu tenho trabalhado muito mais do que todos os outros apóstolos. No entanto não sou eu quem tem feito isso, e sim a graça de Deus que está comigo.” 1Co 15:10

Na vida de Jesus, a graça sempre estava agindo e provocando reações.

“E todos lhe davam testemunho, e se admiravam das palavras de graça que saíam da sua boca...” Lc 4:22

“Tu és o mais formoso dos filhos dos homens; a graça se derramou nos teus lábios; por isso Deus te abençoou para sempre.” Sl 45:2

“E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai.” Jo 1:14

“Porque a lei foi dada por meio de Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.” Jo 1:17.

Tudo o que age causa efeito, é a lei da ação e reação. Na referência bíblica que iniciou esta palavra, lemos que a graça de Deus estava sobre o menino Jesus, de forma que Ele crescia e se fortalecia em espírito. A manifestação da graça é a causa que produz muitos efeitos na vida dos filhos de Deus. O pastor Sandoval Juliano disse que:

“a graça não está sobre nós apenas como um líquido lustral, como que deslizando sobre uma superfície plástica. Ela está sobre nós, causando, agindo e operando”.

E é aqui que queremos e devemos nos deter. A seguir vamos tratar sobre alguns efeitos da graça de Deus sobre nossa vida.

1. Crescimento

“E o menino crescia, e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele”.     Lc 2:40

“E crescia Jesus em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens.” Lc 2:52

A graça de Deus fornece todos os elementos necessários para que cresçamos em Sua presença. O crescimento que acontece sem a seiva da graça, certamente não é um crescimento sadio. Logo se nota aleijumes espirituais na pessoa que busca meios alternativos para desenvolver sua vida cristã.

2. Constância

“7 E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. 8 Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. 9 Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. 10 Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.” 2Co 12:7-10

A graça nos faz permanecer firmes por dentro e por fora. A pessoa cheia de graça é constante e previsível. Não há nada pior que alguém imprevisível. Os imprevisíveis não são confiáveis, pois estão sempre mudando o rumo de suas vidas, e por não terem foco são facilmente conquistáveis. A graça é inegociável! Quem encontrou a graça não fica em cima do muro e não negocia o seu chamado, não tem ânimo dobre.

“5 Ora, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e ser-lhe-á dada. 6 Peça-a, porém, com fé, não duvidando; pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, que é sublevada e agitada pelo vento. 7 Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa, 8 homem vacilante que é, e inconstante em todos os seus caminhos.” Tg 1:5-8
Jesus enfrentou muitas dificuldades com seus discípulos, mas amou-os até o fim. Ele nos disse que estaria conosco até a consumação dos séculos. Ele não desistiu de seu alvo, mesmo sofrendo por meio da obediência assumiu nosso lugar na cruz. (Jo 13; Mt 28:20; Fl 2:8)

Paulo exortou os irmãos de Éfeso dizendo:

“...havendo feito tudo, permanecer firmes.” Ef 6:13        

Esta é a soberana vontade de Deus e a graça d’Ele agirá, nos fortalecendo, nos orientando, nos corrigindo, nos lapidando. Tudo isto, para que permaneçamos firmes até àquele dia. (Fp 1:6)

3. Generosidade

“1 Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus que foi dada às igrejas da Macedônia; 2 como, em muita prova de tribulação, a abundância do seu gozo e sua profunda pobreza abundaram em riquezas da sua generosidade. 3 Porque, dou-lhes testemunho de que, segundo as suas posses, e ainda acima das suas posses, deram voluntariamente, 4 pedindo-nos, com muito encarecimento, o privilégio de participarem deste serviço a favor dos santos; 5 e não somente fizeram como nós esperávamos, mas primeiramente a si mesmos se deram ao Senhor, e a nós pela vontade de Deus; 6 de maneira que exortamos a Tito que, assim como antes tinha começado, assim também completasse entre vós ainda esta graça. 7 Ora, assim como abundais em tudo: em fé, em palavra, em ciência, em todo o zelo, no vosso amor para conosco, vede que também nesta graça abundeis. 8 Não digo isto como quem manda, mas para provar, mediante o zelo de outros, a sinceridade de vosso amor; 9 pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre, para que pela sua pobreza fosseis enriquecidos. 10 E nisto dou o meu parecer; pois isto vos convém a vós que primeiro começastes, desde o ano passado, não só a participar mas também a querer; 11 agora, pois, levai a termo a obra, para que, assim como houve a prontidão no querer, haja também o cumprir segundo o que tendes. 12 Porque, se há prontidão de vontade, é aceitável segundo o que alguém tem, e não segundo o que não tem. 13 Pois digo isto não para que haja alívio para outros e aperto para vós, 14 mas para que haja igualdade, suprindo, neste tempo presente, na vossa abundância a falta dos outros, para que também a abundância deles venha a suprir a vossa falta, e assim haja igualdade; 15 como está escrito: Ao que muito colheu, não sobrou; e ao que pouco colheu, não faltou.” 2Co 8:1-15

Durante sua terceira viagem missionária, Paulo foi arrecadando dinheiro para os crentes pobres de Jerusalém. As igrejas na província da Macedônia, (Filipos, Tessalônica e Berea), deram dinheiro apesar de serem também pobres. Essas igrejas deram muito mais do que Paulo esperava. Era uma dádiva com sacrifício, eram pobres, mas queriam ajudar e faziam isso de bom grado. Deus não quer dádivas que se deem a contra gosto, Ele quer que sejamos generosos como as igrejas que Paulo menciona. Será que somos parecidos com as igrejas da Macedônia?

Como homens, nós somos naturalmente negociantes.

Maridos negociam o beijo que dão na esposa, pois de alguma maneira esperam outro carinho em troca; negociamos a amizade, pois nos momentos de crise cobramos a presença do amigo entendendo que ele tem a obrigação de nos ajudar em troca de nossa amizade; negociamos o nosso zelo no trabalho, exigindo melhores condições em troca do empenho que dedicamos à empresa em que trabalhamos, como se esse empenho não nos fosse um dever como funcionários; negociamos o prato de comida dado ao mendigo que passou na rua, pois naturalmente desejaremos os frutos dessa boa ação com bênçãos de Deus e reconhecimento dos homens. Somos negociantes e por isso não conseguimos compreender que alguém consiga fazer o bem sem desejar algo em troca. Por isso é que alguns não conseguem compreender a graça de Deus. A marca da generosidade evidencia a graça na vida do crente.

4. Boas obras

“Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas.” Ef 2:10

A graça produz uma mudança transformadora no novo convertido. Se uma pessoa diz que é cristã e não demonstra nenhuma mudança, ela não está sob a graça. Como Paulo escreveu:

“8 Pois pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus. 9 A salvação não é o resultado dos esforços de vocês; portanto, ninguém pode se orgulhar de tê-la. 10 Pois foi Deus quem nos fez o que somos agora; em nossa união com Cristo Jesus, ele nos criou para que fizéssemos as boas obras que ele já havia preparado para nós.” Ef 2:8-10

Um precioso efeito da graça é um coração transformado que produz boas obras. Vemos este resultado da graça enfatizado na epístola de Paulo a Tito:

“11 Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens, 12 ensinando-nos, para que, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, vivamos no presente mundo sóbria, e justa, e piamente, 13 aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, 14 que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras.”  Tt 2:11-14

“3 Porque também nós éramos outrora insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias paixões e deleites, vivendo em malícia e inveja odiosos e odiando-nos uns aos outros.  4 Mas quando apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador e o seu amor para com os homens, 5 não em virtude de obras de justiça que nós houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou mediante o lavar da regeneração e renovação pelo Espírito Santo, 6 que ele derramou abundantemente sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador; 7 para que, sendo justificados pela sua graça, fôssemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna.  8 Fiel é esta palavra, e quero que a proclames com firmeza para que os que creem em Deus procurem aplicar-se às boas obras. Essas coisas são boas e proveitosas aos homens.” Tt 3:3-8

A graça produz uma mudança na pessoa, e se alguém diz que está sob a graça, mas não houve nenhuma mudança em seu comportamento, ela não está sob a graça. Como Paulo escreveu:

“Pois foi Deus quem nos fez o que somos agora; em nossa união com Cristo Jesus, ele nos criou para que fizéssemos as boas obras que ele já havia preparado para nós.” Ef 2:10

Várias escrituras exemplificam o poder da graça para produzir mudanças nos que creem.

A vida e experiência de Paulo é um exemplo impressionante da graça em ação. Antes de experimentar a graça, ele perseguia os cristãos, mas depois de um encontro real com Cristo, o poder da graça mudou seu comportamento. (Atos 9)

Jesus enviou Paulo aos gentios, dizendo-lhe:

“Você vai abrir os olhos deles a fim de que eles saiam da escuridão para a luz e do poder de Satanás para Deus. Então, por meio da fé em mim, eles serão perdoados dos seus pecados e passarão a ser parte do povo escolhido de Deus.” At 26:18

Paulo recebeu a graça de cumprir a sua missão. Anos mais tarde ele escreveu sobre essa graça. Foi Jesus Cristo nosso Senhor de quem “recebemos a graça e o apostolado, para a obediência da fé entre todas as gentes pelo seu nome”. Rm 1:5
Ele escreveu aos Coríntios:

“É disto que temos orgulho: a nossa consciência nos afirma que a nossa maneira de viver no mundo, e especialmente em relação a vocês, tem sido dirigida pela franqueza e sinceridade que Deus nos dá e também pelo poder da sua graça e não pela sabedoria humana.” 2Co 1:12

“Usando o dom que Deus me deu, eu faço o trabalho de um construtor competente. Ponho o alicerce, e outro constrói em cima dele; porém cada um deve construir com cuidado.” 1Co 3:10

Ele tinha perseguido a igreja, mas a graça o transformou e o capacitou para produzir boas obras.

“Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus que está comigo.” 1Co 15:10

Aos Efésios, Paulo explicou que fora feito ministro do evangelho.

“6 a saber, que os gentios são co-herdeiros e membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho; 7 do qual fui feito ministro, segundo o dom da graça de Deus, que me foi dada conforme a operação do seu poder.” Ef 3:7

A graça foi transformadora, fez de Saulo (o perseguidor), em Paulo, um apóstolo e servo do Senhor. Não foi outra coisa senão a graça de Deus que produziu nele a santidade de vida que os irmãos podiam ver. Assim vemos que a purificação e a graça estão estreitamente relacionadas.

Aos cristãos de Corinto, Paulo escreveu que estava agradecido pela graça de Deus que a eles foi concedida em Jesus Cristo, para que fossem enriquecidos. (1Co 1:4)

Esses gentios eram de uma origem pagã, e pela graça receberam vidas novas e enriquecidas, tornando-se santos. Sim, a igreja de Corinto tinha seus problemas, mas os fiéis de Corinto deviam resolvê-los e continuar crescendo.

Depois da Queda no jardim do Éden, Deus não deixou o homem sem esperança. Através do amor de Deus, Jesus deu Sua vida e ressuscitou para trazer a justificação pela graça a todos. Hoje podemos receber a mesma graça em nossa vida, e também receber o perdão e ser santificados para que andemos em novidade de vida como discípulos de Jesus Cristo produzindo boas obras.

Que a preciosa graça de Deus continue produzindo em nós os seus maravilhosos e transformadores efeitos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sabedoria para prosperar em tempos de abundantes chuvas. Pv 1:1-7; 20-33. Pr. Edenir Araújo - Culto de Celebração - 19/01/20

De 3 meses para cá, eu tenho descoberto uma fonte de vida inesgotável através da leitura do livro de provérbios. Eu penso que propositadam...