Total de visualizações de página

Acesse o site da GERAÇÃO DE ADORADORES IGREJA DE VENCEDORES

20150406

Atos, uma história inacabada! Parte 3 - At 1:1-3 - Pr. EdenirAraújo - Culto de Celebração - 05/04/15

Atos, uma história inacabada! Parte 3 - At 1:1-3 - 29/03/15

“1 Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar 2 até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas. 3 A estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.” At 1:1-3

Introdução

Durante quarenta dias, as derradeiras palavras de Jesus para seus discípulos os desafiaram a lembrarem de todas as coisas quanto haviam visto e, então, a irem por todo o mundo e contá-las a todas às pessoas. Atos dos Apóstolos, leva-nos a uma viagem evangelística que começa com derramamento de poder para o cumprimento da edificação de uma igreja gloriosa e prevalecente.

Um Deus repetitivo

O Jesus apresentado nos evangelhos começou uma obra que continuou em Atos e não parou em Paulo ou em Pedro, mas alcançou a cada um de nós. Por não haver sombra de variação em Deus, por Ele ser constante, Seu trabalhar vem sendo repetido e multiplicado durante séculos e isso não cessará até que seu propósito se cumpra.

Para um entendimento mais profundo da mensagem de Atos dos Apóstolos, considero de suma importância atentarmos para o episódio da ressurreição e o tempo que Jesus passa com seus discípulos. “A estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.” At 1:3

Veja que depois de passar três anos e meio com seus discípulos, Jesus retorna para os seus para falar sobre o mesmo assunto, o reino de Deus. Quarenta dias foi o tempo que Jesus gastou reciclando tudo o que já havia ensinado aos seus. O número 40 na Bíblia significa um tempo de deserto, provação ou treinamento. 40 dias e quarenta noites foi o tempo do dilúvio. Moisés ficou 40 anos no deserto antes de ser levantado como libertador dos Hebreus. Também passou 40 dias e 40 noites se consagrando no Monte. 40 anos foi o tempo da peregrinação dos Hebreus pelo deserto. Por 40 dias, Jesus jejuou antes de ser batizado e começar seu ministério público. 40 dias depois da Ressurreição acontece a ascensão de Jesus e início do ministério dos seus discípulos. Eu creio que também estamos sendo preparados treinados para algo maior.

Jesus já havia ensinado os seus discípulos durante três anos e meio, mas agora ele estava num treinamento intensivo colocando seus discípulos à prova. Essa foi a ante-sala da seara. Todo relacionamento com Deus tem um resultado imediato de edificação própria, mas também nos serve de preparo para um trabalho porvir.

Jesus foi um professor repetitivo

Por que será que Jesus foi tão repetitivo no tocante ao seu ensino sobre o reino de Deus? Será que seus discípulos durante os três anos e meio não aprenderam os ensinos de Jesus! Será então que Jesus não tinha outro assunto para tratar com aquele povo? Não creio ser esse o motivo. Jesus continuou falando sobre o reino para enfatizar a importância da edificação do Reino dos céus na terra.
Vemos também aqui a importância da regra da repetição no processo de aprendizado. Algumas pessoas nos criticam dizendo que falamos sempre a mesma coisa, multiplicação, discipulado, santidade, etc. O que diriam sobre Jesus? Ele falou a mesma coisa durante todo o tempo em que esteve ao lado dos seus discípulos. Fez isso porque tinha foco, não se perdia com distrações e assuntos que não fossem de interesse de seu Pai. Quantos de nós estamos perdidos entre muitos assuntos e muitas visões? Muitos participam da igreja como se isso fosse um entretenimento, como se estivessem em um parque de diversão onde não se tem foco e nem diligência sobre nada. Num parque de diversões, brinca-se na montanha russa, depois no chapéu mexicano, depois no tobo água, etc. A igreja não é um parque de diversões! Precisamos de foco e persistência para que tenhamos também condicionamento. Só através da repetição podemos nos condicionar.

Assim como acontece com o condicionamento físico de um atleta, deve ser com o espiritual do cristão. Podemos dizer que a fé é como um músculo, precisa ser exercitada de maneira constante e repetitiva.

Você já parou para analisar a semelhança entre Gênesis 1:28; 9:1, 7; 12:1-3; Jr 29:6; Mt 28:18-20?

Qual é o assunto de Deus desde o começo das escrituras? Sobre o que Deus tratou desde o início de seu relacionamento com o homem? Ele, desde que o homem existe, tratou sobre fecundidade, frutificação, multiplicação e por fim, Reino de Deus.

Agora acompanhe a sequência de passagens e o assunto tratado nas mesmas.

“Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judéia e dizia: 2 Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus." Mt 3:1-2

“Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.” Mt 4:17

A ênfase no ministério de Jesus foi falar sobre o Reino conforme Mateus 4:17.
No primeiro sermão, o sermão do monte, Ele disse: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.” Mt 5:3

No mesmo capítulo ele disse: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.” Mt 5:10

Na oração do Pai Nosso ele nos ensina a orar dizendo: “9 Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10  venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;” Mt 6:9-10

Ainda neste capítulo ele disse: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mt 6:33

Podemos ler também em Mateus 9:35: “E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades.” Mt 9:35
Jesus disse aos seus discípulos: “É necessário que eu anuncie o evangelho do reino de Deus também às outras cidades, pois para isso é que fui enviado.” Lc 4:43

Exortando os fariseus, Jesus disse: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando!” Mt 23:13

Jesus foi um embaixador do reino de Deus!

Existe uma discussão sobre a diferença entre reino de Deus e reino dos céus, mas isso não deve importar para nós. O que importa de fato é que esse reino precisa ser manifestado na terra. O reino de Deus foi o foco de Jesus e deve ser o nosso também! Importa também dizer que o reino pertence a Jesus e está sendo manifestado na terra através da igreja. Isso fica confirmado quando lemos que “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor...” Cl 1:13

Como definir o reino de Deus na terra?

1. É preciso dizer que o reino de Deus na terra é a igreja. O corpo de Cristo, a igreja orgânica, a igreja viva, que se move é o reino de Deus!

2. Várias parábolas contadas por Jesus em Marcos 4, introduzem o ensino sobre o reino de Deus na terra. A parábola do Semeador, da Semente e ga do Grão de Mostarda. O reino de Deus que é manifestado na igreja e através da igreja éorgânico em sua natureza.

Alguns sinônimos de reino são: Arrependimento, Autoridade e Alegria.

1. O Reino de Deus é arrependimento. (Só se manifesta na vida de pessoas arrependidas)
“Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus.” Mt 4:17b

A falta de arrependimento ou um “falso arrependimento” mais conhecido como “remorso”, nos impede de experimentarmos as beneficies Reino de Deus.

A palavra arrependimento é usada na Bíblia para descrever o começo de uma mudança espiritual genuína. O estudante de línguas W. E. Vine diz que o arrepender-se significa “mudança na mente ou no propósito de alguém”. No Novo Testamento arrependimento sempre envolve uma mudança para melhor quando uma pessoa se afasta do pecado e se dirige em direção a Deus. De maneira genuína, quando nos sentimos arrependidos por ter feito mal ou por termos sido apanhados, somos transformados interiormente, e essa mudança é tão forte que afeta o nosso exterior. O verdadeiro arrependimento acontece no mais íntimo dos nossos corações e resulta numa mudança visível em nossas ações. Quando nos voltamos para Cristo e nos rendemos a Ele, Ele produz uma mudança real - não apenas uma máscara.

O primeiro sermão

Jesus começou a pregar e proclamar o Reino de Deus, primeiro falando sobre arrependimento, ele disse: “arrependei-vos”. A palavra grega para arrependimento é “metanoia” e significa mudança de mentalidade. Não é a princípio uma mudança de comportamento, mas uma mudança de mentalidade ou atitude interior. Se você mudar sua maneira de pensar vai mudar a maneira como vive. A primeira coisa que Jesus confronta é a nossa mentalidade. Jesus muda as concepções do homem sobre Deus, céu, terra, família, finanças, plano e propósito eterno de Deus para o homem e principalmente sobre o seu Reino a partir da transformação da nossa mente. “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Rm 12:2

O mesmo apóstolo Paulo disse aos Colossenses: “Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra...”. Cl 3:2

Paulo também orientou os Corintios sobre o primeiro campo de batalha na vida do crente. “4 Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas 5 e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo, 6 e estando prontos para punir toda desobediência, uma vez completa a vossa submissão.” 2Co 10:4-6

Fortalezas - No original é Ochuroma – (Argumentos e raciocínios mundanos)
Sofismas – No original é Logismos - (Pensamento natural e racional hostis à fé cristã)

A ordem natural e interior no homem é essa: Pensamento gera sentimento que por sua vez gera comportamento. Mude a maneira de pensar e sua vida será mudada!
Características de quem se arrependeu verdadeiramente:
Quem se arrepende, confessa seus pecados para Deus e para o seu próximo. 1Jo 1:8; Tg 5:17
Quem se arrepende tem novos desejos. 2Co 5:17
Quem se arrepende muda de comportamento.

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...” At 3:19

2. O Reino de Deus é autoridade. (Não é regime democrático)

“Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu
queres.” Mt 26:39b

Uma das beneficies da democracia é o direito de cada um decidir a sua própria vida. Todavia, quando essa prática entra na igreja, cada um sente-se no direito de fazer o que bem entende. Precisamos aprender que nós somos parte de um reino, onde existe uma Autoridade suprema onde o regime de governo não é democrático. Somos cidadãos do Reino de Deus, estamos vivendo em uma teocracia, temos um Rei e não um presidente. Numa democracia todos tem direitos, todos querem reinvidicar, mas onde existe um Rei, só resta obedecer.

Muitos dizem: eu sou um servo de Deus, mas a palavra servo em todo Novo Testamento, no original é escravo. Escravo não decide nada, apenas obedece ao seu Senhor.
Veja que a igreja hoje funciona do jeito “Cada um por si e Deus por todos”. Muitos dos nossos irmãos vivem de maneira isolada, à margem do corpo de Cristo. Eles colam adesivos em seus carros que dizem: “Deus deu a vida para cada um, para que cada um cuide da sua”. Onde eles aprenderam isso? Você não pode viver no Reino de Deus de maneira isolada dos demais cidadãos do Reino. Na democracia, todos falam, todos mandam, todos decidem, mas no Reino de Deus, só um é Senhor de todos, e quando este Rei e Senhor fala o povo obedece. Hoje é muito comum ouvirmos de nossos irmãos: “Não concordo com isso!”, “Não concordo com aquilo!”, e assim vão, discordando de tudo e de todos. Não deve ser assim no Reino de Deus.

Quantas famílias estão destruídas porque em suas casas reina a democracia. A esposa que não concorda com o marido e por isso decide a sua vida. Filhos não obedecem a seus pais porque pensam que já são suficientemente capazes de decidirem o que querem para si.
As pessoas por muito pouco decidem desistir de seus casamentos, quando Deus diz lute pelo seu casamento. Decidem desistir de seus sonhos quando Deus diz lute pelo seu sonho. Decidem desistir da igreja quando Deus está dizendo lute pela minha igreja, pelo meu Reino. Decidem desistir de seus discípulos quando Deus não desistiu deles. Tudo isso porque pensam: Eu posso decidir a minha vida.
Você pode estar se perguntando: Mas onde fica o livre arbítrio? Eu te pergunto, onde o livre arbítrio ajudou o homem? Todas as vezes que o homem agiu de maneira independente, este se frustrou. A ideia de que cada um pode decidir sua vida é uma filosofia “mundana”, inventada neste mundo, por homens que não tem compromisso com a igreja, com os irmãos e nem com a Palavra de Deus.
O Reino de Deus é o governo Pleno de Deus nas nossas vidas. O Reino de Deus começa em você quando decide ser submisso às autoridades constituídas! Rm 13:1

3. O reino de Deus é alegria.  Rm 4:17

“Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo”. Rm 14:17

Todo cidadão do Reino de Deus precisa viver alegre!

A Justiça está relacionada com a obediência à palavra de Deus e a dependência de d’Ele, “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus”. Mt 5:10. Os escribas e fariseus eram extremamente justos, mas a sua justiça era humana. Temos que ser muito mais justos do que eles para entrarmos no Reino de Deus. “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus”. Mt 5:20

Uma convicção de alguém que participa do Reino de Deus é a justificação. Eu não preciso me defender, pois já fui justificado. Não preciso me preocupar com a injustiça, pois aquele que é justo me justifica. Como consequência disso, podemos viver em paz, pois a justiça de Deus nos traz paz.

“6 Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. 7 E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” Fl 4:6-7

“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor...” Hb 12:14

Como consequência deste processo podemos também desfrutar da alegria no Espírito. Está relacionada com o Fruto do Espírito (que é o caráter de Cristo).
Todo discípulo de Jesus recebeu o Poder para ser feito filho de Deus, e foi introduzido no seu Reino, tem alegria em seu coração.

“12 Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinado a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo; 13 pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois co-participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando. 14 Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus.”. 1Pe 4:12-14

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos”. FL 4:4

O primeiro milagre que Jesus operou foi transformar água em vinho, e se Ele não mudou, hoje ele pode fazer este mesmo milagre trazendo uma nova porção de alegria para você independente das circunstâncias.

Não é o que acontece a você que importa, mas é o que acontece ao que acontece a você que de fato conta. A maioria das situações não conseguimos controlar, mas geralmente podemos controlar as nossas reações quando as circunstâncias mudam. O grande desafio que temos é de não tentar ignorar mudanças inevitáveis e tempos difíceis, porque não podemos. O nosso desafio é aprender como viver em paz com as circunstâncias, assim como Paulo viveu.
Paulo escreveu o livro de Filipenses encarcerado em Roma. Certamente esse não foi o local escolhido por ele para o ministério. Tratava-se dum lugar horrível. Mas quando você lê esta carta, descobre que ela foi escrita de uma perspectiva saudável, que revela a marcante gratidão e a profunda alegria de Paulo. Ele entendeu que a mudança era inevitável e a situação difícil. Por isso decidiu tomar a cruz de suas circunstâncias e construir algo tremendamente encorajador para seus discípulos. Se Paulo pode fazer isso sentado na cela da prisão, então nós também podemos fazê-lo, não importa onde nos encontremos ou o que estivermos enfrentando.

O reino de Deus é Tomado a força!

“Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele.” Mt 11:12
“19 Sobrevieram, porém, judeus de Antioquia e Icônio e, instigando as multidões e apedrejando a Paulo, arrastaram-no para fora da cidade, dando-o por morto. 20 Rodeando-o, porém, os discípulos, levantou-se e entrou na cidade. No dia seguinte, partiu, com Barnabé, para Derbe. 21 E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio, e Antioquia, 22 fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus.” At 14-19-22

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Senhor Cara Legal - Evangelismo com o livrete 11ª Questão

O poder da oração no Espírito